Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

O recuo que virou avanço



No início deste mês, o ministro Luiz Fux, do STF, concedeu liminar para sustar a execução imediata de acórdão do TJ de São Paulo que condenou o juiz Gercino Donizete do Prado, da 7ª Vara Cível de São Bernardo do Campo (SP), pelo crime de concussão, consumado em 170 ocorrências.

Foi um recuo do ministro! Nesta semana, Fux reviu sua própria decisão e autorizou o cumprimento imediato da pena, que é de oito anos e quatro meses de prisão. Foi um avanço!

A Associação dos Juízes Federais do Brasil festejou. Segundo seu presidente, Roberto Veloso, “os magistrados receberam com entusiasmo a nova decisão, porque o início do cumprimento de pena após a condenação em segundo grau de jurisdição é reivindicação antiga da Ajufe e objetiva dar efetividade às sentenças penais”.

Ainda de Veloso, um arremate precioso: “É um passo importante para consolidar a posição majoritária do STF contra a impunidade”. (HC nº 140213).

Leia as duas decisões de Luiz Fux


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Roupa suja se lava em casa, ou no tribunal...

Depois do enfrentamento verbal Barroso x Gilmar no STF, agora as farpas são trocadas, por escrito, no TST entre o presidente Ives Gandra Martins Filho e o vice Emmanuel Pereira.

Dois magistrados do Trabalho aposentados compulsoriamente

Decisão do CNJ alcança o ex-corregedor-geral do TRT-14 (RO) Vulmar de Araújo Coêlho Júnior e o juiz Domingos Sávio Gomes dos Santos. Mas por uma aberração legal brasileira, eles continuarão recebendo seus salários.

Um “agrado” para 37 mil autoridades

Sobe o índice de congestionamento do Judiciário brasileiro. Entrementes, o julgamento do fim do foro privilegiado perde espaço no STF e pode ficar para 2018. Ou para 2019...