Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 18 de Abril de 2017

Censura & tartaruga combinadas



Arte de Camila Adamoli, com base em informações do saite Migalhas

Imagem da Matéria

Há 2.733 dias o jornal O Estado de S. Paulo está sob censura. Para, então, (tristemente) recordar: decisão do desembargador Dácio Vieira, do TJ-DFT, em 2009, proibiu a divulgação de informações sobre o filho do então senador José Sarney e sobre a operação da PF que o investigou.

Desde então (1º.6.2009), o processo se movimentou – variada e lentamente - mas a decisão censória está mantida e aguarda julgamento de recurso extraordinário no STF.

A mais recente – e já não tão nova etapa – é a remessa dos autos ao gabinete do ministro Ricardo Lewandowsky, em 16 de setembro de 2016 – há seis meses e oito dias, portanto. O levantamento foi feito pelo saite Migalhas. Os dados por ele exibidos estimularam o Espaço Vital a aderir ao registro e à crítica.

O advogado Manuel Alceu Affonso Ferreira, que defende o jornal, comenta: “Pela inconstitucional censura o atingido não é somente o jornal, mas sim todo o seu leitorado e a coletividade brasileira, todos privados de conhecer material que é de manifesto interesse público. Liberdade de imprensa não é favor. É garantia que a Constituição Federal tutela".

Na “rádio-corredor” do CF-OAB há quem diga que Sarney, mesmo fora do Senado, ainda tem força política. Muita força!


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Magistrado não pode, é claro, julgar em causa própria, mas...

Em desdobramento de uma questão envolvendo o pagamento (deferido) de gratificação idêntica à paga aos secretários de Estado do Rio de Janeiro, desembargador carioca foi o relator de uma apelação interposta por sua entidade de classe. Com o desfecho, ele seria beneficiado com R$ 180 mil.Julgamento de ontem do TJ-RJ concluiu pela procedência de ação rescisória.

O recuo que virou avanço

Luiz Fux reconsidera decisão sua e admite o cumprimento imediato da pena de magistrado condenado criminalmente. A Associação dos Juízes Federais festeja.

Advogado compara juízes a insetos

Causídico também disse que postura de juiz – que não atendera pedido de gratuidade de uma cliente - era "irritante" e que julgador "pensa que é Deus".