Ir para o conteúdo principal

Sexta -feira, 18 Agosto de 2017

Censura & tartaruga combinadas



Arte de Camila Adamoli, com base em informações do saite Migalhas

Imagem da Matéria

Há 2.733 dias o jornal O Estado de S. Paulo está sob censura. Para, então, (tristemente) recordar: decisão do desembargador Dácio Vieira, do TJ-DFT, em 2009, proibiu a divulgação de informações sobre o filho do então senador José Sarney e sobre a operação da PF que o investigou.

Desde então (1º.6.2009), o processo se movimentou – variada e lentamente - mas a decisão censória está mantida e aguarda julgamento de recurso extraordinário no STF.

A mais recente – e já não tão nova etapa – é a remessa dos autos ao gabinete do ministro Ricardo Lewandowsky, em 16 de setembro de 2016 – há seis meses e oito dias, portanto. O levantamento foi feito pelo saite Migalhas. Os dados por ele exibidos estimularam o Espaço Vital a aderir ao registro e à crítica.

O advogado Manuel Alceu Affonso Ferreira, que defende o jornal, comenta: “Pela inconstitucional censura o atingido não é somente o jornal, mas sim todo o seu leitorado e a coletividade brasileira, todos privados de conhecer material que é de manifesto interesse público. Liberdade de imprensa não é favor. É garantia que a Constituição Federal tutela".

Na “rádio-corredor” do CF-OAB há quem diga que Sarney, mesmo fora do Senado, ainda tem força política. Muita força!


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Um breque no Fitness Jurídico

Excelências não vão mais entrar em forma. O TRT da Bahia suspende a licitação para o assessoramento de magistrados e servidores em preparação para corridas e caminhadas.

Desagravo a advogada gaúcha ofendida em suas prerrogativas

Magistrado da Justiça estadual cassou a palavra da profissional da advocacia, “sob o argumento de manter a ordem dos trabalhos, passando posteriormente a homologar um acordo sem permitir-lhe a intervenção”.

Juiz é condenado por apropriação de bens de Eike Batista

Pena é de oito anos de prisão. Magistrado federal Flavio Roberto de Souza recolheu ao condomínio onde morava, o Porsche apreendido do empresário. A sentença diz que o acusado “revelou-se um hipócrita”.