Ir para o conteúdo principal

Sexta -feira, 18 Agosto de 2017
http://espacovital.com.br/images/direitoavesso_10.jpg

Reforma da Previdência: uma caixa preta das mais cerradas



Como outros governos antes dele, o atual tenta convencer-nos de que a Previdência Social é deficitária. Essa é uma caixa preta das mais cerradas. Há cálculos para todos os gostos, geralmente chumbados por critérios contábeis escolhidos a priori para obter os resultados pretendidos. Não há como saber ao certo se a receita específica cobre ou não o valor total dos benefícios. Mas há algumas verdades bem sabidas.

Uma delas: historicamente, recursos destinados ao custeio da Previdência Pública sobejaram e foram desviados para fins outros, da construção da medonha capital faraônica à implantação de megausinas hidroelétricas, passando pela abertura de estradas como aquela onde os caminhões hoje atolam aos milhares. Um rio de dinheiro, cuja cor os segurados nunca viram e jamais verão, e cujo montante é hoje impossível avaliar.

Outra: a chamada desvinculação das receitas da União (DRU) veio a dar suporte jurídico formal a esse desvio sistemático de verbas. Mediante sucessivas emendas constitucionais (a começar pela primeira “emenda de revisão”, de 1994), foram introduzidas alterações e textos novos no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para autorizar o Executivo a dar destinações diversas e livres a uma parcela de quase todas a rendas federais.

É aceitável modificar normas transitórias quase trinta anos depois de editado o texto original? Não sei; perguntem aos constitucionalistas. Das mais de cem emendas à nossa Carta Magna, pelo menos trinta miraram aquele seu apêndice. E, especificamente em relação às desvinculações, o Supremo já decidiu que elas são legítimas, desde que feitas por essa via. Foi assim que se destruiu a sábia rede de proteção criada pelo constituinte originário para as verbas sociais.

Até 2016, a liberação das receitas vinculadas podia chegar a 20% do total. Acharam pouco; agora o limite percentual subiu dez pontos. E o prazo de vigência (sim, continuamos a editar regras constitucionais pro tempore) é mais dilatado, até 2023. Não é de crer-se que, no futuro, o Poder Executivo venha a abrir mão desse confortável expediente, ou a reduzir o limite de sua aplicação. E há mais uma novidade: agora, também os Estados federados estão autorizados a desvincular receitas.

Sendo assim, sempre que se falar de deficit ou saldo favorável das contas da Previdência, algo terá de ser explicado sobre as desvinculações e seus reflexos sobre esses valores. Mas esse dado não tem sido sequer referido na vistosa propaganda oficial da reforma, ainda que (segundo informa o portal de notícias do Senado Federal) a participação das verbas previdenciárias no total desvinculado seja da ordem de 90%.

Outro aspecto sobre o qual silencia a volumosa matéria paga oficial é o da repercussão da reforma sobre o nível de emprego. Como é do geral conhecimento, o País atravessa um momento de dramática crise da empregabilidade, com índices preocupantes de desocupação da mão de obra. Não é preciso ser economista nem vidente para perceber que, com a redução imposta ao ritmo das aposentadorias, a saturação do mercado de trabalho aumentará, pois o trabalhador ficará mais tempo na ativa.

Aí estão dois temas vitais (e outros haverá), sistematicamente sonegados ao debate. Um deles relativo à essência, outro ao momento. Talvez algum tipo de revisão da previdência social seja mesmo imperioso, como se tem feito alhures e aqui mesmo. É imprescindível, contudo, que matéria dessa relevância passe por discussão séria, ampla e prévia com a sociedade, baseada em contas claras e informações precisas. O passionalismo de uma ofensiva publicitária que raia pela chantagem não é o melhor caminho.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

(*) O articulista escreve quinzenalmente no Espaço Vital. A próxima publicação será no dia 7 de abril


Comentários

Odilon Marques Garcia Junior - Advogado 24.03.17 | 10:16:34
O articulista possui uma lucidez invejável em seus comentários sobre a caixa preta da Previdência Social. O debate sobre o assunto é oportuno e necessário para que a propaganda oficial não seja acolhida como verdade única sobre o déficit de nosso regime geral previdenciário.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Viajem, Senhores!

Sempre tive uma dúvida séria sobre esse turismo governamental de enormes comitivas oficiais para o Exterior. O transporte é o mais caro; os hotéis são aqueles onde os mortais comuns como eu e tu nunca poremos o pé – a diária equivale ao custo da nossa excursão inteira”.

Julgamento político?

"Nem tudo que reluz é ouro, diziam os muito antigos. Pode ser dólar, até real, se for uma quantia luminosa como R$ 500 mil – há quem trabalhe a vida toda sem ganhar isso".

Senhores advogados, como lidar com a propaganda?

1. “Hall com pé direito duplo e cafeteria”; 2) “Segurança 24 horas com controle de acesso”; 3. “Vagas privativas”; 4. “Estacionamento privativo para visitantes”; 5. “Gerador próprio”; 6) “Sala de reuniões – auditório”; 7) “Fitness com banheiros e chuveiros”. Você é um profissional do Direito, não se deixe enrolar pela esperteza!

Sérgio Moro, a Justiça e as injustiças

Ele é juiz excelente, preparado, sereno, dedicadíssimo ao trabalho e constantemente preocupado em aperfeiçoar-se. É também outra vítima dessa horrorosa esquizofrenia nacional, que abdicou de todo resíduo de racionalidade”.

E la nave va...

“Michel Temer, comendo pelas beiras, ganhou tudo o que queria – uma cátedra na USP, onde botava os alunos para dormir nas raras vezes em que lá esteve, esposa bonita, fiel e comportada, a liderança balofa mas efetiva do partido mais competente e safado do Brasil, o cargo maior da República. Vai durar o que durar o seu verniz de Drácula fake”.

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

A permanência do atual presidente acarreta instabilidade perigosíssima das instituições. Ninguém é de ninguém, e o chefe do governo arrastar-se-á até o término do mandato, ou até que o destituam, com apoio popular próximo a zero e caindo sempre”.