Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 18 de Abril de 2017
http://espacovital.com.br/images/unnamed.jpg

Cem minutos sem falar em Temer, Dilma, Lava-Jato e tartarugas judiciais



Divulgação – Youtube (Reprodução)

Imagem da Matéria

 Chimarrão em 30 segundos

Dez anos depois da criação do personagem “Guri de Uruguaiana”, o humorista gaúcho Jair Kobe está, desde anteontem (29), em temporada porto-alegrense, até o domingo 16, no Theatro São Pedro. São 100 minutos de divertida performance, sem intervalo e sem enrolação.

No palco, dando vida ao show, mais 18 participantes: sapateadores, bailarinos e uma eficiente banda de três músicos, paramentados iguais ao artista principal. Os efeitos luminosos são muito bons e som é de primeira. O espetáculo surpreende positivamente.

O “Guri” sustenta a continuidade, pelos gaúchos, do uso do pronome ´tu´ e ironiza a utilização desmesurada do WhatsApp, Facebook e outros modernismos, que estão fazendo as pessoas abdicarem dos contatos pessoais. E ensina uma pessoa da plateia a, com eficiência, preparar um chimarrão em rápidos 30 segundos.

O artista agradará mais ainda se corrigir um único defeito constatado na estreia: o atraso de 14 minutos no início do show. No detalhe, faltou pedir desculpas ao público que já se inquietava com a demora.

Mas o colunista recomenda: são 100 minutos de descontraído humor, sem política, sem Temer Lula e Dilma, sem Lava-Jato e Sérgio Moro, sem tartarugas judiciais, nem corrupção política. E com expressa proibição de palavrões.

Palmas para o artista, que ele merece!

 

 Só em São Paulo?...

A pedido de entidades ligadas à advocacia, o Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu, na quarta-feira (29), abrir processo administrativo-disciplinar contra a juíza Cláudia Maria Pereira Ravacci, que se atrasa para chegar a muitas audiências na 18ª Vara Cível do Foro Central da capital paulista.

O Órgão Especial viu indícios de que ela violou a Lei Orgânica da Magistratura “ao deixar advogados e partes esperando” e por “apresentar produtividade insuficiente”.

Recentemente, o presidente da seccional paulista da OAB, Marcos da Costa, declarou que “a Justiça seria mais célere se os juízes permanecessem nos fóruns e os desembargadores cumprissem seus horários nos tribunais”.

O “fenômeno” reclamado pela OAB paulista não fica restrito a São Paulo. Repete-se por aí, Brasil afora. Que tal os advogados passarem a gravar a impontualidade e/ou a ausência de magistrados poucos assíduos e/ou descompromissados com horários?...

 Penduricalhos pernambucanos

A coisa não tem fim! A Assembleia Legislativa de Pernambuco aprovou projeto de lei, de autoria do Poder Judiciário, que permite ao Tribunal de Justiça dali aumentar os salários dos magistrados, via majoração do auxílio-alimentação e do auxílio-moradia.

Segundo o Jornal do Commercio (PE), “sem alarde, a ALEPE aprovou, em primeira discussão, um projeto de lei que transforma em verba indenizatória o auxílio alimentação pago aos magistrados do Tribunal de Justiça de Pernambuco e permite que o auxílio-moradia seja superior ao teto de 10% do salário dos juízes e desembargadores que existe hoje”.

É mais um absurdo regional de um país em que não há uniformidade para nada e em que cada corporação se vira como lhe vem à cabeça. Enquanto isso, os órgãos centrais de controle, como o CNJ e o STF, mantêm um silêncio ruidoso e ruinoso do Poder Judiciário brasileiro.

E, de repente – qual rastilho de pólvora – a ideia pernambucana termina, silenciosamente, ganhando adeptos em outros Estados...

 Pragas no meio político

Deu no Diário Oficial do Rio de Janeiro. Na terça-feira passada, dia em que o presidente da Assembleia Legislativa carioca, Jorge Picciani, foi alvo de mandado de condução coercitiva, na operação Quinto do Ouro, o Diário Oficial informou que, a partir do dia seguinte haveria...dedetização contra ratos, pragas e baratas.

A publicação oficial ainda anunciou licitação para contratar de serviço de... lavanderia.

Claro que é mera coincidência.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Sai o diretor de Tecnologia da Informação do TJRS

• Uma semana depois da audiência pública em que houve maciça reclamação advocatícia, muda o comando do setor no tribunal gaúcho.
• Os números e percentuais da ficha delinquencial da política brasileira.
• TST vai definir, na quinta-feira (20), se as empresas podem pedir negativa de antecedentes criminais antes de admitir uma pessoa.

Honorários de sucumbência são prioridade e podem ser pagos por RPV; mas os contratuais não!

  Decisão do STF estabelece que a Súmula Vinculante n° 47 - que permite priorizar o pagamento de honorários sucumbenciais - não se aplica a honorários contratuais; estes devem ser incluídos no valor total da causa.

  Botox aplicado por dentistas, na face de clientes, vira caso judicial.

 Financiadores do filme “Polícia Federal: a lei é para todos” temem represálias políticas a curto, médio ou longo prazos.

 Licença remunerada de 180 dias a um funcionário que se tornou pai ao adotar, com o companheiro, um bebê de cinco meses.

Delação da OAS alcançaria também magistrados envolvidos em corrupção

 Parte das acusações guardam conexão com uma das frentes de investigação da Operação Calicute, que levou o ex-governador Sérgio Cabral e ex-auxiliares à prisão.

 Deflagrada sucessão no TJRS: Carlos Eduardo Zietlow Duro será o candidato da situação.

 Apreensão de passaporte de empresário que não paga dívida.

  Polêmica na indicação de advogado indicado para integrar o CNJ

Uma nova ferramenta virtual para ajudar a contar os prazos em todos os tribunais

• Aplicativo gratuito é da Legal Cloud, por meio da qual advogados e estagiários indicam o total de dias a serem contabilizados, o código legislativo correspondente (CPC ou CPP) e o tribunal onde o processo tramita.
• Decisão judicial libera R$ 15 mil para “desapertar” bovinos que passavam fome.
• Pérola forense: as diferenças entre uma testemunha “arrolada” e uma vítima “rolada”.

Aberta a seleção para Voluntário no Projeto Sentença Zero do Foro Central!

  Redes sociais debatem se “chegou-se ao cúmulo de publicamente terceirizar a prestação jurisdicional?”.

  Cônjuge não precisa autorizar aval dado como garantia em título de crédito nos moldes previstos no artigo 1.647 do Código Civil.

  Como a Justiça seria mais rápida se magistrados fossem assíduos aos fóruns e tribunais.

 Juízas gaúchas debatem o empoderamento feminino.

Juiz aborda encontro forense entre três pessoas combinando alguma coisa

  Um tititi na sala da OAB, na JT de Porto Alegre: todos queriam ver, rever, copiar e comentar uma postagem feita no Facebook e no Twitter pelo magistrado Jorge Alberto Araújo.

 O esconderijo de dólares e de pesos argentinos nas meias do homem que não era político.

 Meditação advocatícia sobre "cama de pregos" no Fórum de Gravataí (RS).