Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 23 de Junho de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_12.jpg

Cem minutos sem falar em Temer, Dilma, Lava-Jato e tartarugas judiciais



Divulgação – Youtube (Reprodução)

Imagem da Matéria

 Chimarrão em 30 segundos

Dez anos depois da criação do personagem “Guri de Uruguaiana”, o humorista gaúcho Jair Kobe está, desde anteontem (29), em temporada porto-alegrense, até o domingo 16, no Theatro São Pedro. São 100 minutos de divertida performance, sem intervalo e sem enrolação.

No palco, dando vida ao show, mais 18 participantes: sapateadores, bailarinos e uma eficiente banda de três músicos, paramentados iguais ao artista principal. Os efeitos luminosos são muito bons e som é de primeira. O espetáculo surpreende positivamente.

O “Guri” sustenta a continuidade, pelos gaúchos, do uso do pronome ´tu´ e ironiza a utilização desmesurada do WhatsApp, Facebook e outros modernismos, que estão fazendo as pessoas abdicarem dos contatos pessoais. E ensina uma pessoa da plateia a, com eficiência, preparar um chimarrão em rápidos 30 segundos.

O artista agradará mais ainda se corrigir um único defeito constatado na estreia: o atraso de 14 minutos no início do show. No detalhe, faltou pedir desculpas ao público que já se inquietava com a demora.

Mas o colunista recomenda: são 100 minutos de descontraído humor, sem política, sem Temer Lula e Dilma, sem Lava-Jato e Sérgio Moro, sem tartarugas judiciais, nem corrupção política. E com expressa proibição de palavrões.

Palmas para o artista, que ele merece!

 

 Só em São Paulo?...

A pedido de entidades ligadas à advocacia, o Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu, na quarta-feira (29), abrir processo administrativo-disciplinar contra a juíza Cláudia Maria Pereira Ravacci, que se atrasa para chegar a muitas audiências na 18ª Vara Cível do Foro Central da capital paulista.

O Órgão Especial viu indícios de que ela violou a Lei Orgânica da Magistratura “ao deixar advogados e partes esperando” e por “apresentar produtividade insuficiente”.

Recentemente, o presidente da seccional paulista da OAB, Marcos da Costa, declarou que “a Justiça seria mais célere se os juízes permanecessem nos fóruns e os desembargadores cumprissem seus horários nos tribunais”.

O “fenômeno” reclamado pela OAB paulista não fica restrito a São Paulo. Repete-se por aí, Brasil afora. Que tal os advogados passarem a gravar a impontualidade e/ou a ausência de magistrados poucos assíduos e/ou descompromissados com horários?...

 Penduricalhos pernambucanos

A coisa não tem fim! A Assembleia Legislativa de Pernambuco aprovou projeto de lei, de autoria do Poder Judiciário, que permite ao Tribunal de Justiça dali aumentar os salários dos magistrados, via majoração do auxílio-alimentação e do auxílio-moradia.

Segundo o Jornal do Commercio (PE), “sem alarde, a ALEPE aprovou, em primeira discussão, um projeto de lei que transforma em verba indenizatória o auxílio alimentação pago aos magistrados do Tribunal de Justiça de Pernambuco e permite que o auxílio-moradia seja superior ao teto de 10% do salário dos juízes e desembargadores que existe hoje”.

É mais um absurdo regional de um país em que não há uniformidade para nada e em que cada corporação se vira como lhe vem à cabeça. Enquanto isso, os órgãos centrais de controle, como o CNJ e o STF, mantêm um silêncio ruidoso e ruinoso do Poder Judiciário brasileiro.

E, de repente – qual rastilho de pólvora – a ideia pernambucana termina, silenciosamente, ganhando adeptos em outros Estados...

 Pragas no meio político

Deu no Diário Oficial do Rio de Janeiro. Na terça-feira passada, dia em que o presidente da Assembleia Legislativa carioca, Jorge Picciani, foi alvo de mandado de condução coercitiva, na operação Quinto do Ouro, o Diário Oficial informou que, a partir do dia seguinte haveria...dedetização contra ratos, pragas e baratas.

A publicação oficial ainda anunciou licitação para contratar de serviço de... lavanderia.

Claro que é mera coincidência.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Leilão judicial de duas galinhas avaliadas em R$ 65

  Constrição das aves é desdobramento de uma dívida original de R$ 146. Ação judicial tramita desde outubro de 2013.

 O pé” do Pezão gaúcho: o STF livra o secretário da Fazenda do RS Giovani Feltes (PMDB).

  Pesquisa revela que operários de canteiros de obras, 70% opinam que “a Lei Maria da Penha não pegou”. Assim, vale bater!

  Fraude trabalhista prejudicou motorista contratado para trabalhar como pessoa jurídica.

Proposta de júri popular para julgar políticos brasileiros corruptos

  A sugestão começa a receber apoios: eles já são mais de 20 mil. Cidadãos interessados podem acessar e consultar o link no saite do Senado.

  Uma ação cível e uma ação penal de Temer contra Joesley Batista.

  A responsabilidade solidária entre diferentes UNIMED.

 STF nega recurso de desembargador aposentado por agir de forma parcial.

Muitas críticas contra Gilmar Mendes

  Mas o presidente do TSE sustenta que “a cassação da chapa Dilma-Temer lançaria o país em quadro de incógnita”.

 Confirmada a “chinelada financeira” no bolso de juiz do Trabalho.

  WhatsApp deixará de funcionar em smartphones antigos.

  Liminar da Justiça do Trabalho contra a Hyundai Caoa do Brasil

A roubalheira pode ter chegado a dois trilhões e um bilhão em 45 anos

• O total dos afanos e dos sobre preços (estes, a uma média de 35%) chegam a um espantoso prejuízo que, para ser escrito em numerais, tem 16 dígitos.

 Índios, parasitas e avestruzes na sessão do TSE.

• R$ 1 bilhão e 100 milhões para comprar milhares de doses do remédio Soliris, um dos mais caros do mundo

Médico usava seu próprio esperma para inseminar mulheres

 Dono de uma clínica de fertilidade na Holanda é, provavelmente, o pai de 43 filhos de clientes suas. Ele disse ter agido assim “pelo bem da humanidade”.

  Fátima Bernardes anuncia, afinal, que “não é mais garota-propaganda da Seara”. Mas uma cláusula de confidencialidade proíbe que ela dê detalhes.

  Números assustadores: 29 mil pessoas estão “enroladas” no Brasil.

  A constatação de provável cura de doença grave não autoriza a revogação de isenção de Imposto de Renda de aposentado.