Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

Eleita a nova direção do TRF-4 para o biênio 2017/2019



TRF-4 - Divulgação

Imagem da Matéria

Desembargadores Maria de Fátima, Lenz e Pereira

O desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz foi eleito ontem (6), pelo Pleno do TRF da 4ª Região, para presidir a corte no biênio 2017-2019. Para os cargos de vice-presidente e corregedor regional foram escolhidos, respectivamente, os desembargadores Maria de Fátima Freitas Labarrère e Ricardo Teixeira do Valle Pereira. A posse da nova gestão será em junho.

Durante a sessão plenária, também foram eleitos os desembargadores federais Jorge Antonio Maurique, como vice-corregedor, e Roger Raupp Rios como ouvidor do TRF-4.

A Coordenadoria dos Juizados Especiais Federais (Cojef) da 4ª Região ficará a cargo do desembargador federal Fernando Quadros da Silva, tendo como vice-coordenadora a desembargadora Vivian Josete Pantaleão Caminha. E o Sistema de Conciliação (Sistcon) será dirigido pelo desembargador federal Rogerio Favreto.

O desembargador federal Victor Luiz dos Santos Laus vai assumir a direção da Escola da Magistratura (Emagis) do TRF4, tendo como vice-diretor o desembargador João Batista Pinto Silveira.

O futuro presidente Thompson Flores Lenz é natural de Porto Alegre e tem 53 anos. Graduou-se em Direito pela Unisinos, de São Leopoldo, em 1985. Quatro anos depois, tomou posse como procurador da República, sendo promovido a procurador-chefe da Procuradoria Regional da República da 4ª Região em 1996.

Ele tornou-se desembargador federal em 2001, assumindo vaga do quinto constitucional destinada ao Ministério Público.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Roupa suja se lava em casa, ou no tribunal...

Depois do enfrentamento verbal Barroso x Gilmar no STF, agora as farpas são trocadas, por escrito, no TST entre o presidente Ives Gandra Martins Filho e o vice Emmanuel Pereira.

Dois magistrados do Trabalho aposentados compulsoriamente

Decisão do CNJ alcança o ex-corregedor-geral do TRT-14 (RO) Vulmar de Araújo Coêlho Júnior e o juiz Domingos Sávio Gomes dos Santos. Mas por uma aberração legal brasileira, eles continuarão recebendo seus salários.

Um “agrado” para 37 mil autoridades

Sobe o índice de congestionamento do Judiciário brasileiro. Entrementes, o julgamento do fim do foro privilegiado perde espaço no STF e pode ficar para 2018. Ou para 2019...