Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 26 de Maio de 2017

Eleita a nova direção do TRF-4 para o biênio 2017/2019



TRF-4 - Divulgação

Imagem da Matéria

Desembargadores Maria de Fátima, Lenz e Pereira

O desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz foi eleito ontem (6), pelo Pleno do TRF da 4ª Região, para presidir a corte no biênio 2017-2019. Para os cargos de vice-presidente e corregedor regional foram escolhidos, respectivamente, os desembargadores Maria de Fátima Freitas Labarrère e Ricardo Teixeira do Valle Pereira. A posse da nova gestão será em junho.

Durante a sessão plenária, também foram eleitos os desembargadores federais Jorge Antonio Maurique, como vice-corregedor, e Roger Raupp Rios como ouvidor do TRF-4.

A Coordenadoria dos Juizados Especiais Federais (Cojef) da 4ª Região ficará a cargo do desembargador federal Fernando Quadros da Silva, tendo como vice-coordenadora a desembargadora Vivian Josete Pantaleão Caminha. E o Sistema de Conciliação (Sistcon) será dirigido pelo desembargador federal Rogerio Favreto.

O desembargador federal Victor Luiz dos Santos Laus vai assumir a direção da Escola da Magistratura (Emagis) do TRF4, tendo como vice-diretor o desembargador João Batista Pinto Silveira.

O futuro presidente Thompson Flores Lenz é natural de Porto Alegre e tem 53 anos. Graduou-se em Direito pela Unisinos, de São Leopoldo, em 1985. Quatro anos depois, tomou posse como procurador da República, sendo promovido a procurador-chefe da Procuradoria Regional da República da 4ª Região em 1996.

Ele tornou-se desembargador federal em 2001, assumindo vaga do quinto constitucional destinada ao Ministério Público.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Mantida abertura de processo disciplinar contra desembargadora

O caso envolve liberação indevida de parcelas do Fundo de Participação dos Municípios retidas pelo INSS. A magistrada foi favorecida por liminar concedida em dezembro de 2010 por Gilmar Mendes. Agora, seis anos e meio depois, o próprio ministro revogou sua decisão anterior.

Celso de Mello começa a sair do STF

Ele tem um visível problema no quadril, com o desgaste do osso do fêmur, que o obriga a andar de bengala, se a distância é curta; ou de cadeira de rodas, se é maior.

Tribunal afasta juiz federal acusado de fraude

Ele é acusado da conduta prevista no artigo 343 do Código Penal (“dar, oferecer ou prometer dinheiro ou qualquer outra vantagem a testemunha, perito, contador, tradutor ou intérprete, para fazer afirmação falsa, negar ou calar a verdade em depoimento, perícia, cálculos, tradução ou interpretação”).