Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Eleita a nova direção do TRF-4 para o biênio 2017/2019



TRF-4 - Divulgação

Imagem da Matéria

Desembargadores Maria de Fátima, Lenz e Pereira

O desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz foi eleito ontem (6), pelo Pleno do TRF da 4ª Região, para presidir a corte no biênio 2017-2019. Para os cargos de vice-presidente e corregedor regional foram escolhidos, respectivamente, os desembargadores Maria de Fátima Freitas Labarrère e Ricardo Teixeira do Valle Pereira. A posse da nova gestão será em junho.

Durante a sessão plenária, também foram eleitos os desembargadores federais Jorge Antonio Maurique, como vice-corregedor, e Roger Raupp Rios como ouvidor do TRF-4.

A Coordenadoria dos Juizados Especiais Federais (Cojef) da 4ª Região ficará a cargo do desembargador federal Fernando Quadros da Silva, tendo como vice-coordenadora a desembargadora Vivian Josete Pantaleão Caminha. E o Sistema de Conciliação (Sistcon) será dirigido pelo desembargador federal Rogerio Favreto.

O desembargador federal Victor Luiz dos Santos Laus vai assumir a direção da Escola da Magistratura (Emagis) do TRF4, tendo como vice-diretor o desembargador João Batista Pinto Silveira.

O futuro presidente Thompson Flores Lenz é natural de Porto Alegre e tem 53 anos. Graduou-se em Direito pela Unisinos, de São Leopoldo, em 1985. Quatro anos depois, tomou posse como procurador da República, sendo promovido a procurador-chefe da Procuradoria Regional da República da 4ª Região em 1996.

Ele tornou-se desembargador federal em 2001, assumindo vaga do quinto constitucional destinada ao Ministério Público.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto Up Imagens

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

 

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

Conselheiro do CNJ Henrique Ávila diz que “tribunais são ilhas de poder”. Propõe que a OAB seja chamada “para levar a visão do jurisdicionado e da sociedade como um todo”. Sustenta que “a Loman precisa ser revista com brevidade”. E conclama “a redistribuição de servidores da segunda instância e as respectivas dotações orçamentárias para priorizar a força de trabalho da primeira instância”.