Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

Eleita a nova direção do TRF-4 para o biênio 2017/2019



TRF-4 - Divulgação

Imagem da Matéria

Desembargadores Maria de Fátima, Lenz e Pereira

O desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz foi eleito ontem (6), pelo Pleno do TRF da 4ª Região, para presidir a corte no biênio 2017-2019. Para os cargos de vice-presidente e corregedor regional foram escolhidos, respectivamente, os desembargadores Maria de Fátima Freitas Labarrère e Ricardo Teixeira do Valle Pereira. A posse da nova gestão será em junho.

Durante a sessão plenária, também foram eleitos os desembargadores federais Jorge Antonio Maurique, como vice-corregedor, e Roger Raupp Rios como ouvidor do TRF-4.

A Coordenadoria dos Juizados Especiais Federais (Cojef) da 4ª Região ficará a cargo do desembargador federal Fernando Quadros da Silva, tendo como vice-coordenadora a desembargadora Vivian Josete Pantaleão Caminha. E o Sistema de Conciliação (Sistcon) será dirigido pelo desembargador federal Rogerio Favreto.

O desembargador federal Victor Luiz dos Santos Laus vai assumir a direção da Escola da Magistratura (Emagis) do TRF4, tendo como vice-diretor o desembargador João Batista Pinto Silveira.

O futuro presidente Thompson Flores Lenz é natural de Porto Alegre e tem 53 anos. Graduou-se em Direito pela Unisinos, de São Leopoldo, em 1985. Quatro anos depois, tomou posse como procurador da República, sendo promovido a procurador-chefe da Procuradoria Regional da República da 4ª Região em 1996.

Ele tornou-se desembargador federal em 2001, assumindo vaga do quinto constitucional destinada ao Ministério Público.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli, sobre foto de Danilo Verpa (Folha de S. Paulo / Google Imagens).

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

 

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

Cármen Lúcia reconhece que o povo brasileiro está cansado. Por que? Eis algumas das razões: integrantes do Poder se consideram imunes à lei; magistrados corruptos são premiados por aposentadorias generosas; juízes e desembargadores têm férias de 60 dias, além do descanso extra no recesso; a prestação jurisdicional é lenta e favorece a prescrição; seu pessoal corporativo é campeão de penduricalhos; demasiado trânsito de estagiários e assessores dando sentenças. E por aí...

Auxílio-moradia no Judiciário custa R$ 75,9 milhões mensais

A cronologia e alguns números do absurdo. São 17.351 juízes, desembargadores e ministros, todos da ativa, que têm suas contas engordadas periodicamente, sem impostos: R$ 4.377 mensais; R$ 52.532 anuais. Um aporte que, três anos e quatro meses depois da liminar, já chega a mais de R$ 170 mil individualmente.