Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 23 de Junho de 2017
http://espacovital.com.br/images/direito & avesso.jpg

Onde começa a independência



A alteração da composição do mais alto Tribunal do País, mediante transferência de um Ministro de Estado para uma das cátedras do Supremo Tribunal Federal, desperta inevitável reflexão sobre o significado institucional do fato e de suas particulares circunstâncias em momento especialmente delicado da vida nacional. Se o problema dos critérios de recrutamento da magistratura é sempre relevante e inquietante, maior importância assume quando se cuida da mais alta investidura judiciária e de instante histórico marcado pela fragilização das instituições democráticas não apenas em nosso país, mas em todo o chamado terceiro mundo.

A notícia, que a não ser tão triste seria pitoresca, põe a nu a fragilidade intrínseca do nosso Poder Judiciário e sua extrema debilidade diante do imperialismo presidencialista. Nosso sistema constitucional – mesmo desconsideradas as deformações que sofre na prática, sobejamente conhecidas – concentra o controle de toda a atividade jurisdicional em tribunais que, sediados na Capital da República, têm a sua composição direta e incontrastavelmente determinada pelo Chefe do Poder Executivo Federal, e seu funcionamento inevitavelmente influenciado pela proximidade do trono.

Essas Cortes, notadamente a mais alta delas, têm seus membros nomeados pelo Presidente da República. Mesmo nos casos em que algumas formalidades prévias ou ulteriores devem ser cumpridas, o fator determinante da escolha é o apadrinhamento político, quando não a amizade pessoal ou o parentesco. Em regra, o exercício de um cargo de confiança no Poder Executivo é estágio indispensável para o acesso às cátedras do mais alto pretório.Raramente se abre oportunidade a um juiz profissional, formado e curtido na dura escola das instâncias inferiores. Valha anotar que um só dos onze Ministros do Supremo é juiz concursado.

A todo momento, reaviva-se a discussão sobre a necessidade de repensar essa instituição, reformulá-la e revitalizá-la, mas nunca para questionar esse lastimável vinculo de dependência em face de outro Poder, ou a quebra do princípio federativo que a ele se associa indissoluvelmente. Em todas as esferas do Judiciário, os reformadores identificam mazelas, deficiências e vícios, mas a nenhum deles tem ocorrido discutir essa questão vital, pertinente à primeira condição de existência do Poder, que é a sua real autonomia.

Neste especialíssimo flagrante institucional; neste momento decisivo para a definição dos caminhos da República, essa questão sempre escamoteada assume relevo excepcional. Com efeito, esta é uma quadra histórica em que se vê ensombrecido o horizonte pelo fantasma da fujimorização, ameaçada a sobrevivência do Estado de Direito pelo agigantamento desmedido do Poder Executivo, intranquilizada a cidadania pela crescente fusão entre governo e poder econômico. Em ambiente tão propício à quebra da normalidade constitucional, quando já entra pelos olhos de todos que das casas legislativas nenhuma reação ou resistência se pode mais esperar, é o Poder Judiciário, mais do que em qualquer outra circunstância, o refúgio derradeiro com o qual talvez ainda possa contar o cidadão. Mas, por maior que seja sua disposição de luta e de preservação da própria independência, por muito que tenha ganho em credibilidade, em democratização e em aproximação ao jurisdicionado, o Judiciário só poderá sobreviver e continuar cumprindo seu papel se aquela independência tiver o primeiro e maior defensor na Corte Suprema. E, para que ela não apenas seja, mas também pareça a campeã dessa causa, é imprescindível que se reformulem os critérios de provimento de cargos.

O texto acima parece atual? Foi publicado em 11 de abril de 1997 (isto é, há quase exatos vinte anos), agora omitidos apenas dois parágrafos datados.


Comentários

Carlos Alberto Stimamilio - Aposentado 08.04.17 | 20:35:58
Interessante o texto. Ainda atual apesar do decurso do tempo, especialmente quando comprovadamente os poderes do Brasil nunca estiveram tão vergonhosamente DEPENDENTES e harmônicos entre si. Pais sem um Poder Judiciário independente não passa de uma republiqueta, e de última categoria.
Alceu Molinari Dall Agnol - Advogado 07.04.17 | 15:21:21
Independente dos quase exatos 20 anos de publicação, o texto mostra, a meu ver, o lógico confronto entre duas ditaduras sedimentadas com o passar do tempo.
Sérgio Araújo - Aposentado 07.04.17 | 12:13:19
O artigo é vetusto, mas tem plena aplicabilidade nos dias atuais. Ouso afirmar que decorridos mais vinte anos nada terá se modificado. A meu ver, o melhor sistema de escolha de magistrados para compor a mais alta corte do País é o de eleição pública e com prazo de validade de no máximo 10 anos. Será que esta é uma ideia utópica?
Maria Lucia Haas Cardon - Advogada 07.04.17 | 10:08:53
E o texto antigo é o mais atual possível.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

A permanência do atual presidente acarreta instabilidade perigosíssima das instituições. Ninguém é de ninguém, e o chefe do governo arrastar-se-á até o término do mandato, ou até que o destituam, com apoio popular próximo a zero e caindo sempre”.

El padre loco

O leitor me há de perdoar que hoje, ao invés de cuidar de togas, processos e honorários (assuntos que se vão tornando indigestos), fale de um livro inspirador, que me encantou e comoveu. É ´Entre meu filho e eu, a lua’”.

Nossos comerciais

“Tenho especial aversão à publicidade governamental, sustentáculo maior das agências especializadas. E sei bem por quê: nunca logrei compreender a necessidade que possa ter um governo, entidade sem competidores, de apregoar suas virtudes”.

Ciumeira judicial

“É ruim que alguns magistrados se deem ao uso de meios outros para divulgar opiniões, posições e preferências indicativas de suas inclinações quanto a assuntos que deverão ser, ou já estão, submetidos ao juízo de outros colegas ou dos próprios boquirrotos”.

Os dejetos da democracia

“Emenda-se a Carta Magna, na maior parte dos casos, para resolver apertos momentâneos ou para ajustar o seu texto a programas ou interesses de governo – na contramão da normalidade, pois o esperado seria que os projetos governamentais, em todas as esferas de poder, se ajustassem à Constituição”.