Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Falta combinar com o Judiciário



Artigo do advogado Marcus Vinicius Ramos Gonçalves (OAB-SP).

Comecemos pelo princípio: a tão anunciada lei que “liberou” a terceirização não fez nada disso. Explico.

A Câmara dos Deputados aprovou, em 8 de abril de 2015, o texto-base do Projeto de Lei n° 4330/2004, que tramita hoje no Senado (PL n° 300/2015), regulando os contratos de terceirização. Este projeto, ainda no Senado, regra um tema que, por ora, ainda está normatizado pela Súmula n° 331 do TST, que recepciona terceirização apenas nas atividades-meio.

Quem ler a nova lei, alardeada como de “liberação da terceirização”, de pronto perceberá que não houve qualquer liberação da terceirização. A lei recém-aprovada alterou a Lei n° 6.019/1974, que regulamentava o trabalho temporário. Para quem não conhece, a contratação de trabalhador temporário era permitida, diretamente pela empresa, nas situações em que fosse necessário atender uma necessidade transitória de substituição mão-de-obra permanente (por conta de férias, doenças, etc.) ou para suprir a necessidade de aumento do quadro por incremento da produção, causada por um fato extraordinário ou por demandas sazonais (como Natal, Páscoa). O prazo para contratação era de até três meses.

Tramitando por muitos anos no Congresso, a nova lei (n° 13.429/2017) alterou a n° 6.019/1974, ampliando o prazo de contratação para 180 dias, prorrogáveis por mais 90 dias, bem como, agregou a figura da empresa de trabalho temporário como intermediadora dessa contratação.

Todavia, as restrições para contratação temporária permanecem, ainda que agora um pouco alteradas: necessidade de substituição transitória de pessoal permanente ou para atender a uma demanda complementar de serviços; e limite de 180 dias, prorrogáveis por 90 dias.

Portanto, é um grande equívoco dizer que a “terceirização está liberada”. Como se percebe, só se pode usar o trabalho temporário observando-se os exatos termos dos limites legais.

Além disso, não há qualquer restrição ao uso da mão-de-obra temporária em atividades fim ou meio, devendo-se apenas cumprir as exigências da lei para seu uso. Convém ressaltar que a tomadora do trabalho temporário fica subsidiariamente responsável pelos haveres do empregado da empresa fornecedora de mão-de-obra.

Em verdade, o projeto não tratou exatamente da questão da terceirização. Somente manteve o uso de trabalhadores temporários, agora por mais tempo.

Continuamos no mesmo limbo jurídico de antes e com a mesma insegurança na terceirização que não observa as situações acima indicadas: se houver demanda judicial entre a contratada e seu empregado, a tomadora continua pagando a conta? O Judiciário vai mudar sua forma de se conduzir nesses casos?

Pelo jeito, permanecem os velhos critérios da Súmula n° 331, que joga a responsabilidade (subsidiária) nas costas da tomadora dos serviços. O risco da tomadora permanece: poderá ter que pagar uma conta que, ao optar pela terceirização, não queria ter.

O Judiciário continuará imputando à tomadora responsabilidade sobre empregados que não são seus. Será preciso que o projeto que caminha no Senado resolva de vez a terceirização. Infelizmente, a tão sonhada segurança jurídica da terceirização não veio.

E o pior: Judiciário não demonstra que “abraçará” a ideia da terceirização. Não adianta mudar as leis, será preciso combinar com o Judiciário Trabalhista.


Comentários

Paulo Tarso - Analista Judiciário Trt 11.04.17 | 12:43:27
E o art. 4º-A e seguintes? A lei trata, sim, da terceirização. Está equivocado o artigo. A suposta liberação da terceirização está justamente no artigo mencionado, que não faz nenhuma ressalva quanto à atividade-meio, referindo apenas "serviços determinados e específicos". Importante que nas versões anteriores do projeto, os artigos equivalentes traziam ressalva permitindo a terceirização em atividades que não a fim da empresa, o que não consta na versão final. Aguardamos a interpretação.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quando o imposto vira crime

Empresários estão sendo convocados em delegacias da Polícia Civil e da Polícia Federal para prestar contas de seus débitos fiscais, notadamente quando se entende que estes estão atrelados a alguma prática delitiva fiscal”. Artigo do advogado Carlos Eduardo Delmondi.

Duas categorias de juízes

Magistrada Ludmila Lins Grilo, da Justiça Estadual de Minas Gerais, observa que existem duas Justiças no Brasil, que não se misturam. Uma é a dos juízes por indicação política; a outra é a dos juízes concursados. "Sem constrangimento algum, rogo-lhes: não me coloquem no mesmo balaio do STF. Faço parte da outra Justiça: a de verdade".

E quem protege o empresário?

“Bem-vinda reforma trabalhista! O que houve, nas últimas décadas, foi o abandono da classe empresarial e a vitimização dos proprietários da mão de obra”. Artigo de Eduardo Berndt, especialista em gestão de empresas.

A aposentadoria e os “privilégios” dos servidores

Temos que fazer alguns ajustes, em razão da evolução demográfica, mas não pode ser com rupturas, nem com demagogia e ataques gratuitos à dignidade dos que, independentemente de governo, seguem servindo à sociedade com seriedade e eficiência”. Artigo de Vilson Antonio Romero, jornalista e auditor fiscal.