Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 setembro de 2017

O professor pervertido



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na escola de segundo grau, o professor costumava galantear muitas de suas alunas adolescentes. E sempre que possível, lascava um ´selinho´ - que, na prática, era uma tentativa de ´test-drive´ para lances mais profundos. Algumas alunas reagiam com empurrões. Outras atingiam os ´países baixos´ do assediador. Mas nenhuma se declarou como vítima.

Um dia, certo ´selinho´ foi mais candente, tangenciando o forçado beijo lascivo. A aluna, então, informou seus pais, que foram ao Ministério Público. Abriu-se inquérito, no qual o delegado concluiu – que “além do contato labial, o acusado tentara o tráfego de mãos em zonas mais íntimas do corpo da vítima".

Então, o promotor ofereceu denúncia por "constrangimento, mediante violência ou grave ameaça, a praticar ou permitir que com ele se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal".

A juíza determinou segredo de justiça. O professor negou tudo minudentemente, mas a vítima reiterou a versão ministerial: “Quando o professor tarado tentava me dar um selinho, já vinha com a mão em direção aos meus seios, tentando enfiar os dedos entre os botões da minha blusa".

Ante a surpreso da magistrada, a aluna ainda complementou que, sempre que isso acontecia, o professor assobiava e cantarolava trecho de uma música de Roberto Carlos: "Os botões da blusa, que você usava...e meio confusa desabotoava...iam me deixando ver, no meio de tudo, um pouco de você!..."

Mesmo sem prova testemunhal a ratificar os fatos, a juíza condenou o acusado a cinco anos de prisão, em regime inicial fechado, "levando em consideração a tradição do professor em ´selar´ a alunas e extensivamente usar a língua e as mãos como instrumentos do prazer".

Houve recurso da defesa. A Câmara destinou uma crítica ao professor, "cuja conduta é reprovável, pelo ângulo da ascendência que ele exerce, e da diferença de idades entre a vítima e ele que, ademais, é casado”.

Mas livrou-o, “por faltar a comprovação de que ele tenha agido com a lascívia caracterizadora do delito". A relatora resumiu que “é a palavra da sedizente vítima, contra a negativa do suposto pervertido”.

O julgado definiu que "o enquadramento legal seria o da contravenção penal prevista no art. 65 da Lei n.º 3.688/41: perturbação da tranquilidade". Reconhecida a prescrição, ficou um sermão com ares religiosos: “talvez o acusado possa recolher-se a pensar sobre a sua aparente tendência à perversão e, ante os riscos futuros, assim, emendar-se.”

Na cidade interiorana, o professor devasso foi deslocado das salas de aulas para a secretaria da escola. Ali, até mesmo as experimentadas colegas afastam qualquer movimento que ele faça em tentar distribuir “selinhos”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

A fortuna do “Padre Eros”

 

A fortuna do “Padre Eros”

Na cidade de 150 mil habitantes, o padre -  filho único - herdara todo o patrimônio deixado por seus pais. Era um homem rico - todos sabiam. Liberal, o religioso não obedecia ao celibato.  Metade dos paroquianos sabia que ele mantinha uma união “semi-estável” com uma mulher de meia idade, com quem tinha encontros matinais.

Charge de Gerson Kauer

O juiz papador

 

O juiz papador

Era uma ação trabalhista em que o porteiro de um motel reclamava horas extras. A petição inicial juntou fotos com as placas de automóveis que eram ´habituês´ nas incursões românticas.  E requereu que o Detran informasse os nomes dos proprietários dos clientes assíduos...

Gerson Kauer

Iniciativa sexual feminina proibida

 

Iniciativa sexual feminina proibida

Foi um divórcio complicado do casal de japoneses. No depoimento, a esposa contou seu desconforto “porque o cônjuge não permitia que ela tomasse a iniciativa das relações sexuais”. Mas a câmara julgadora preferiu reconhecer o “choque de culturas”.

Charge de Gerson Kauer

Prato do dia: pizza judicial

 

Prato do dia: pizza judicial

No formal ambiente forense, chamou a atenção o mal trajar da consumidora. Ela era ré de um termo circunstanciado por ofensas ao dono de uma pizzaria. Os personagens da cena forense se olharam e admitiram, depois, terem lembrado do caso do juiz do Trabalho que mandara para casa o reclamante que comparecera calçando chinelos.

Gerson Kauer

O seguro de sorte

 

O seguro de sorte

Na ação de um futebolista de média notoriedade, contra seu ex-clube, o pedido inusitado de indenização por perdas e danos, ante a não contratação de um seguro de... sorte.  A incorreta interpretação, por um dos advogados, diante de uma vírgula colocada no meio de palavras da cláusula oitava... O juiz aproveitou para dar sábias aulas de vernáculo.

Gerson Kauer

Chiclete cor de rosa

 

Chiclete cor de rosa

A sala está lotada de advogados, que esperam o início da sessão de julgamentos e os respectivos pregões de seus interesses. Na primeira fila, um profissional da advocacia aguarda a sua vez. No canto da boca, masca uma goma de mascar, que expele bolhas...