Ir para o conteúdo principal

Sexta -feira, 18 Agosto de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_12.jpg

Sai o diretor de Tecnologia da Informação do TJRS



 A força da reclamação coesa dos advogados

A ´rádio-corredor´ do TJRS não fez segredo ontem: saiu (ou seria "caiu"?) o diretor de TI do TJ gaúcho Luis Felipe Schneider, que estava no cargo havia oito anos; em seguida assume Frederico Henrique Goldschmidt Neto, que era o supervisor de Informática do Tribunal de Contas do RS.

O demissionário (ou demitido) Schneider é servidor de carreira do TJRS, tendo assumido o comando do setor em 2008, substituindo Eduardo Arruda.

O agora novel Goldschmidt foi, antes, também gerente de redes na Universidade de Passo Fundo e analista de tecnologia do Banco do Brasil. Ele chega nesta terça-feira e se depara com um "tsunami advocatício" por enfrentar. É que na terça passada (11), mais de uma centena de advogados ao vivo e quase outros 10 mil, via Internet, "desancaram o pau", no tribunal.

Uma enquete publicada pelo Espaço Vital quatro dias antes da audiência pública revelou detalhes da bagunça informatizada. E hoje (18), neste mesmo saite, um artigo do advogado Carlos Thomas Albornoz - que tem proeminência na Ordem gaúcha e entende muito bem de processo eletrônico - desenha com cavalheirismo, mas com firmeza, o quadro caótico que leva os advogados ao estresse habitual.

Nessa audiência pública do dia 11, o desembargador Carlos Alberto Etcheverry, que representava o TJRS, admitiu que ele e seus colegas de Corte "não tínhamos a menor ideia do tamanho do grau da insatisfação dos advogados, que são nossos clientes".

Nessa conjunção, a ´rádio-corredor´ do TJRS complementou ontem que "Schneider deixou o cargo, porque a administração da Casa não era informada sobre a rotina dos problemas e só ficou sabendo da conjunção após a grita advocatícia".

No detalhe, a ´rádio-corredor´ da OAB-RS contrapõe: na data da audiência pública já estava alinhavada a unção de Goldschmidt para substituir Schneider. Tanto que aquele estava, como anônimo visitante, sentado na plateia da OAB, de olho vivo e ouvido ligado nas reclamações e críticas.

 O contraponto que não houve

O Espaço Vital pediu ontem (17) ao TJRS a manifestação sobre a saída, ou a queda, de Schneider, bem como uma manifestação escrita do desembargador Etcheverry sobre os planos da Corte estadual - mas não houve respostas.

Vai ficando, assim, incontestada a afirmativa feita pelo advogado Albornoz de que, em certos casos, o encaminhamento de uma petição eletrônica inicial chega a consumir meia dúzia de horas de espera.

E que a “instabilidade do sistema” é uma rotina. Oficial e consentida.

 Ficha delinquencial da política brasileira

A avassaladora “lista do Fachin” expõe delações de crimes cometidos por quantitativo contingente dos donos da política nacional. Levando-se em conta o “universo” total de cada grupo, e usando-se percentuais, chega-se às taxas setoriais de delinquentes políticos.

Elas correspondem a 29,6% de senadores (24 nomes), 44% de governadores (12 nomes), 28,5% de ministros (8 nomes), 7,6% de deputados federais (513 nomes), 100% dos ex-presidentes vivos (5 nomes) e 100% do presidente em exercício (1 nome).

Está confirmado, segundo a mesma lista que, na gestão do propinoduto, a Odebrecht não levava em consideração as ideologias conflitantes. A essência era direcionar a dinheirama conforme a avaliação da capacidade de os políticos a serem favorecidos ajudarem nos negócios.

Somente nos 76 inquéritos que ficaram no STF, há o envolvimento de 98 pessoas: 21 vinculadas ao PT; 17 ao PMDB; e 14 ao PSDB. Para esse grupo coeso na argentarismo foram destinados R$ 451.049.000,00. Embora se saiba que “caciques” recebem mais do que “índios”, a matemática é exata ao apontar que a média individual das “ajudas” foi de R$ 4.602.540,81. É grana para corrupto nenhum botar defeito.

 

 Com ou sem antecedentes?

Um julgamento no Tribunal Superior do Trabalho, na próxima quinta (20), vai definir se as empresas podem pedir negativa de antecedentes criminais antes de admitir uma pessoa. A decisão será dada por 17 ministros que compõem a Subseção de Dissídios Individuais do TST.

A rotina trabalhista atual admite a exigência da certidão em situações especiais, como na contratação de agentes de segurança.

Um dos polos da ação vê a exigência da certidão como “barreira à ressocialização do preso”.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

· Para relembrar a enquete do Espaço Vital sobre os problemas do processo eletrônico do TJRS, clique aqui.

· Seis horas de demora para conseguir protocolar uma petição eletrônica. Leia detalhes.


Comentários

Nedson Culau - Advogado 19.04.17 | 23:45:41
É impressionante o grau de ingenuidade  na declaração do desembargador de que "não tínhamos a menor ideia do tamanho do grau da insatisfação dos advogados, que são nossos clientes". Pareceme que a Exa. e seus colegas não possuem filhos, netos ou amigos labutando como advogados neste Estado.
Eliel Valesio Karkles - Advogado 18.04.17 | 12:28:45
Decididamente, o sistema de peticionamento eletrônico (se é que dá para se chamar assim) do TJRS é uma lástima. Não é de se estranhar quando alguns locais (Fórum de Porto Alegre) ainda aceita (ou exige..?) o envio de petição por "fax" (alguns nem sabem o que é isso...). Enquanto isso o TJRS se faz de desentendido e completamente omisso em resolver os problemas. Haja paciência!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Me Engana Que Eu Gosto!

O “Fundo Especial de Financiamento da Democracia”, com o qual o Congresso quer bilhões de reais para os partidos, é de inspiração nos modelos da Líbia, Irã e Afeganistão.

PMDB vai “reprogramar o presente”: voltará a chamar-se MDB!...

Minha Casa, Minha Vida”: mais de 50% de todas as unidades estão com problemas.

 Presidente do BNDES quer ver soltos os empresários envolvidos com a Lava-Jato.

Homem pede proteção contra a ex-esposa, com base na Lei Maria da Penha invertida.

Por que o governo não conversa com Luiz Fux?

• Temendo rebeliões, Temer desistiu de acabar com o auxílio-reclusão.  O corte era desejo da equipe econômica: geraria economia de R$ 600 milhões em 2018.

• Enquanto isso, desde 15 de setembro de 2014, o “auxílio-moradia” sangra as contas da União em R$ 437 milhões anuais. E os Estados gastam R$ 2 bilhões e 970 milhões para cobrir o mesmo penduricalho.

• Exame de Ordem: 136 mil inscritos, só 32 mil aprovados (23,6%).

• Lá vem o golpe! Cidadãos brasileiros, preparemo-nos, cada um de nós, para doar R$ 17 aos políticos deste país.

Publicidade das Lojas Marisa não ofendeu a memória de Marisa Letícia

 O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) arquiva 18 queixas de cidadãos e cidadãs brasileiras contra a rede de lojas.

• STF declara inconstitucional artigo da Constituição Estadual do RS.

 Uma ação da PREVI contra a Construtora Odebrecht: causa de R$ 242 milhões.

• Cobrança de quota condominial contra Eduardo Cunha: o “bunker” inativo do ex-deputado.

Presidente do TRF-4 elogia sentença que condenou Lula a nove anos de prisão

 Segundo o dirigente da corte, o julgado vai entrar para a História do Brasil.

 Opinião de quatro operadores jurídicos gaúchos sobre o julgado proferido por Sérgio Moro. Relembrem o

teor dos artigos 155 e 239 do Código de Processo Penal.

 Os cartazes nas ruas, com rostos de criminosos, ofereciam recompensas. Agora, pedem votos.

 Delação vai detalhar a venda de sentenças e acórdão.

Os riscos de as crianças usarem roupas de sereia

• O Inmetro vai alertar pais e mães sobre cuidados especiais para meninas que querem imitar a personagem Ritinha – vivida por Ísis Valverde - na novela “A Força do Querer”.

• Trocadilho em frase publicitária que oferece, no Brasil, chances de investimentos nos EUA: “Não precisa temer; a gente ajuda você a sair do País”.

• Condenação do senador Romário: R$ 50 mil para o presidente da CBF.

• A elogiável sensibilidade das mulheres brasileiras.

Senado e Câmara Federal custam R$ 1,16 milhão por hora aos cidadãos brasileiros

O espantoso dispêndio que se repete 365 dias ao ano também inclui os salários. Todos os gastos com a nossa representação política tem um custo anual de R$ 1 bilhão e 16 milhões.

Uma competição brasiliense entre cinco cães muito espertos: o Escalímetro, o Cash Flow, o Óxido, o Megabyte e o Deputado. Adivinhem quem ganhou, inclusive afrontando um delegado e um juiz...