Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 18 de Abril de 2017
http://espacovital.com.br/images/unnamed.jpg

Sai o diretor de Tecnologia da Informação do TJRS



 A força da reclamação coesa dos advogados

A ´rádio-corredor´ do TJRS não fez segredo ontem: saiu (ou seria "caiu"?) o diretor de TI do TJ gaúcho Luis Felipe Schneider, que estava no cargo havia oito anos; em seguida assume Frederico Henrique Goldschmidt Neto, que era o supervisor de Informática do Tribunal de Contas do RS.

O demissionário (ou demitido) Schneider é servidor de carreira do TJRS, tendo assumido o comando do setor em 2008, substituindo Eduardo Arruda.

O agora novel Goldschmidt foi, antes, também gerente de redes na Universidade de Passo Fundo e analista de tecnologia do Banco do Brasil. Ele chega nesta terça-feira e se depara com um "tsunami advocatício" por enfrentar. É que na terça passada (11), mais de uma centena de advogados ao vivo e quase outros 10 mil, via Internet, "desancaram o pau", no tribunal.

Uma enquete publicada pelo Espaço Vital quatro dias antes da audiência pública revelou detalhes da bagunça informatizada. E hoje (18), neste mesmo saite, um artigo do advogado Carlos Thomas Albornoz - que tem proeminência na Ordem gaúcha e entende muito bem de processo eletrônico - desenha com cavalheirismo, mas com firmeza, o quadro caótico que leva os advogados ao estresse habitual.

Nessa audiência pública do dia 11, o desembargador Carlos Alberto Etcheverry, que representava o TJRS, admitiu que ele e seus colegas de Corte "não tínhamos a menor ideia do tamanho do grau da insatisfação dos advogados, que são nossos clientes".

Nessa conjunção, a ´rádio-corredor´ do TJRS complementou ontem que "Schneider deixou o cargo, porque a administração da Casa não era informada sobre a rotina dos problemas e só ficou sabendo da conjunção após a grita advocatícia".

No detalhe, a ´rádio-corredor´ da OAB-RS contrapõe: na data da audiência pública já estava alinhavada a unção de Goldschmidt para substituir Schneider. Tanto que aquele estava, como anônimo visitante, sentado na plateia da OAB, de olho vivo e ouvido ligado nas reclamações e críticas.

 O contraponto que não houve

O Espaço Vital pediu ontem (17) ao TJRS a manifestação sobre a saída, ou a queda, de Schneider, bem como uma manifestação escrita do desembargador Etcheverry sobre os planos da Corte estadual - mas não houve respostas.

Vai ficando, assim, incontestada a afirmativa feita pelo advogado Albornoz de que, em certos casos, o encaminhamento de uma petição eletrônica inicial chega a consumir meia dúzia de horas de espera.

E que a “instabilidade do sistema” é uma rotina. Oficial e consentida.

 Ficha delinquencial da política brasileira

A avassaladora “lista do Fachin” expõe delações de crimes cometidos por quantitativo contingente dos donos da política nacional. Levando-se em conta o “universo” total de cada grupo, e usando-se percentuais, chega-se às taxas setoriais de delinquentes políticos.

Elas correspondem a 29,6% de senadores (24 nomes), 44% de governadores (12 nomes), 28,5% de ministros (8 nomes), 7,6% de deputados federais (513 nomes), 100% dos ex-presidentes vivos (5 nomes) e 100% do presidente em exercício (1 nome).

Está confirmado, segundo a mesma lista que, na gestão do propinoduto, a Odebrecht não levava em consideração as ideologias conflitantes. A essência era direcionar a dinheirama conforme a avaliação da capacidade de os políticos a serem favorecidos ajudarem nos negócios.

Somente nos 76 inquéritos que ficaram no STF, há o envolvimento de 98 pessoas: 21 vinculadas ao PT; 17 ao PMDB; e 14 ao PSDB. Para esse grupo coeso na argentarismo foram destinados R$ 451.049.000,00. Embora se saiba que “caciques” recebem mais do que “índios”, a matemática é exata ao apontar que a média individual das “ajudas” foi de R$ 4.602.540,81. É grana para corrupto nenhum botar defeito.

 

 Com ou sem antecedentes?

Um julgamento no Tribunal Superior do Trabalho, na próxima quinta (20), vai definir se as empresas podem pedir negativa de antecedentes criminais antes de admitir uma pessoa. A decisão será dada por 17 ministros que compõem a Subseção de Dissídios Individuais do TST.

A rotina trabalhista atual admite a exigência da certidão em situações especiais, como na contratação de agentes de segurança.

Um dos polos da ação vê a exigência da certidão como “barreira à ressocialização do preso”.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

· Para relembrar a enquete do Espaço Vital sobre os problemas do processo eletrônico do TJRS, clique aqui.

· Seis horas de demora para conseguir protocolar uma petição eletrônica. Leia detalhes.


Envie seu Comentário

Comentário
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Espaço Vital.
Mensagem (Máximo 500 caracteres)
Código de segurança

Comentários

Nedson Culau - Advogado 19.04.17 | 23:45:41
É impressionante o grau de ingenuidade  na declaração do desembargador de que "não tínhamos a menor ideia do tamanho do grau da insatisfação dos advogados, que são nossos clientes". Pareceme que a Exa. e seus colegas não possuem filhos, netos ou amigos labutando como advogados neste Estado.
Eliel Valesio Karkles - Advogado 18.04.17 | 12:28:45
Decididamente, o sistema de peticionamento eletrônico (se é que dá para se chamar assim) do TJRS é uma lástima. Não é de se estranhar quando alguns locais (Fórum de Porto Alegre) ainda aceita (ou exige..?) o envio de petição por "fax" (alguns nem sabem o que é isso...). Enquanto isso o TJRS se faz de desentendido e completamente omisso em resolver os problemas. Haja paciência!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Honorários de sucumbência são prioridade e podem ser pagos por RPV; mas os contratuais não!

  Decisão do STF estabelece que a Súmula Vinculante n° 47 - que permite priorizar o pagamento de honorários sucumbenciais - não se aplica a honorários contratuais; estes devem ser incluídos no valor total da causa.

  Botox aplicado por dentistas, na face de clientes, vira caso judicial.

 Financiadores do filme “Polícia Federal: a lei é para todos” temem represálias políticas a curto, médio ou longo prazos.

 Licença remunerada de 180 dias a um funcionário que se tornou pai ao adotar, com o companheiro, um bebê de cinco meses.

Delação da OAS alcançaria também magistrados envolvidos em corrupção

 Parte das acusações guardam conexão com uma das frentes de investigação da Operação Calicute, que levou o ex-governador Sérgio Cabral e ex-auxiliares à prisão.

 Deflagrada sucessão no TJRS: Carlos Eduardo Zietlow Duro será o candidato da situação.

 Apreensão de passaporte de empresário que não paga dívida.

  Polêmica na indicação de advogado indicado para integrar o CNJ

Uma nova ferramenta virtual para ajudar a contar os prazos em todos os tribunais

• Aplicativo gratuito é da Legal Cloud, por meio da qual advogados e estagiários indicam o total de dias a serem contabilizados, o código legislativo correspondente (CPC ou CPP) e o tribunal onde o processo tramita.
• Decisão judicial libera R$ 15 mil para “desapertar” bovinos que passavam fome.
• Pérola forense: as diferenças entre uma testemunha “arrolada” e uma vítima “rolada”.

Cem minutos sem falar em Temer, Dilma, Lava-Jato e tartarugas judiciais

  Como fazer chimarrão em 30 segundos! Detalhes sobre o excelente show do “Guri de Uruguaiana”, que convence gaúchos que é possível, temporariamente, esquecer a corrupção e a crise brasileira.

  Processo disciplinar contra juíza que chega atrasada às audiências.

  Penduricalhos para a magistratura, garantidos por lei estadual.

  Combate a ratos, baratas e pragas no ambiente político.

Aberta a seleção para Voluntário no Projeto Sentença Zero do Foro Central!

  Redes sociais debatem se “chegou-se ao cúmulo de publicamente terceirizar a prestação jurisdicional?”.

  Cônjuge não precisa autorizar aval dado como garantia em título de crédito nos moldes previstos no artigo 1.647 do Código Civil.

  Como a Justiça seria mais rápida se magistrados fossem assíduos aos fóruns e tribunais.

 Juízas gaúchas debatem o empoderamento feminino.

Juiz aborda encontro forense entre três pessoas combinando alguma coisa

  Um tititi na sala da OAB, na JT de Porto Alegre: todos queriam ver, rever, copiar e comentar uma postagem feita no Facebook e no Twitter pelo magistrado Jorge Alberto Araújo.

 O esconderijo de dólares e de pesos argentinos nas meias do homem que não era político.

 Meditação advocatícia sobre "cama de pregos" no Fórum de Gravataí (RS).