Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 15 de junho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Sai o diretor de Tecnologia da Informação do TJRS



 A força da reclamação coesa dos advogados

A ´rádio-corredor´ do TJRS não fez segredo ontem: saiu (ou seria "caiu"?) o diretor de TI do TJ gaúcho Luis Felipe Schneider, que estava no cargo havia oito anos; em seguida assume Frederico Henrique Goldschmidt Neto, que era o supervisor de Informática do Tribunal de Contas do RS.

O demissionário (ou demitido) Schneider é servidor de carreira do TJRS, tendo assumido o comando do setor em 2008, substituindo Eduardo Arruda.

O agora novel Goldschmidt foi, antes, também gerente de redes na Universidade de Passo Fundo e analista de tecnologia do Banco do Brasil. Ele chega nesta terça-feira e se depara com um "tsunami advocatício" por enfrentar. É que na terça passada (11), mais de uma centena de advogados ao vivo e quase outros 10 mil, via Internet, "desancaram o pau", no tribunal.

Uma enquete publicada pelo Espaço Vital quatro dias antes da audiência pública revelou detalhes da bagunça informatizada. E hoje (18), neste mesmo saite, um artigo do advogado Carlos Thomas Albornoz - que tem proeminência na Ordem gaúcha e entende muito bem de processo eletrônico - desenha com cavalheirismo, mas com firmeza, o quadro caótico que leva os advogados ao estresse habitual.

Nessa audiência pública do dia 11, o desembargador Carlos Alberto Etcheverry, que representava o TJRS, admitiu que ele e seus colegas de Corte "não tínhamos a menor ideia do tamanho do grau da insatisfação dos advogados, que são nossos clientes".

Nessa conjunção, a ´rádio-corredor´ do TJRS complementou ontem que "Schneider deixou o cargo, porque a administração da Casa não era informada sobre a rotina dos problemas e só ficou sabendo da conjunção após a grita advocatícia".

No detalhe, a ´rádio-corredor´ da OAB-RS contrapõe: na data da audiência pública já estava alinhavada a unção de Goldschmidt para substituir Schneider. Tanto que aquele estava, como anônimo visitante, sentado na plateia da OAB, de olho vivo e ouvido ligado nas reclamações e críticas.

 O contraponto que não houve

O Espaço Vital pediu ontem (17) ao TJRS a manifestação sobre a saída, ou a queda, de Schneider, bem como uma manifestação escrita do desembargador Etcheverry sobre os planos da Corte estadual - mas não houve respostas.

Vai ficando, assim, incontestada a afirmativa feita pelo advogado Albornoz de que, em certos casos, o encaminhamento de uma petição eletrônica inicial chega a consumir meia dúzia de horas de espera.

E que a “instabilidade do sistema” é uma rotina. Oficial e consentida.

 Ficha delinquencial da política brasileira

A avassaladora “lista do Fachin” expõe delações de crimes cometidos por quantitativo contingente dos donos da política nacional. Levando-se em conta o “universo” total de cada grupo, e usando-se percentuais, chega-se às taxas setoriais de delinquentes políticos.

Elas correspondem a 29,6% de senadores (24 nomes), 44% de governadores (12 nomes), 28,5% de ministros (8 nomes), 7,6% de deputados federais (513 nomes), 100% dos ex-presidentes vivos (5 nomes) e 100% do presidente em exercício (1 nome).

Está confirmado, segundo a mesma lista que, na gestão do propinoduto, a Odebrecht não levava em consideração as ideologias conflitantes. A essência era direcionar a dinheirama conforme a avaliação da capacidade de os políticos a serem favorecidos ajudarem nos negócios.

Somente nos 76 inquéritos que ficaram no STF, há o envolvimento de 98 pessoas: 21 vinculadas ao PT; 17 ao PMDB; e 14 ao PSDB. Para esse grupo coeso na argentarismo foram destinados R$ 451.049.000,00. Embora se saiba que “caciques” recebem mais do que “índios”, a matemática é exata ao apontar que a média individual das “ajudas” foi de R$ 4.602.540,81. É grana para corrupto nenhum botar defeito.

 

 Com ou sem antecedentes?

Um julgamento no Tribunal Superior do Trabalho, na próxima quinta (20), vai definir se as empresas podem pedir negativa de antecedentes criminais antes de admitir uma pessoa. A decisão será dada por 17 ministros que compõem a Subseção de Dissídios Individuais do TST.

A rotina trabalhista atual admite a exigência da certidão em situações especiais, como na contratação de agentes de segurança.

Um dos polos da ação vê a exigência da certidão como “barreira à ressocialização do preso”.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

· Para relembrar a enquete do Espaço Vital sobre os problemas do processo eletrônico do TJRS, clique aqui.

· Seis horas de demora para conseguir protocolar uma petição eletrônica. Leia detalhes.


Comentários

Nedson Culau - Advogado 19.04.17 | 23:45:41

É impressionante o grau de ingenuidade  na declaração do desembargador de que "não tínhamos a menor ideia do tamanho do grau da insatisfação dos advogados, que são nossos clientes". Pareceme que a Exa. e seus colegas não possuem filhos, netos ou amigos labutando como advogados neste Estado.

Eliel Valesio Karkles - Advogado 18.04.17 | 12:28:45

Decididamente, o sistema de peticionamento eletrônico (se é que dá para se chamar assim) do TJRS é uma lástima. Não é de se estranhar quando alguns locais (Fórum de Porto Alegre) ainda aceita (ou exige..?) o envio de petição por "fax" (alguns nem sabem o que é isso...). Enquanto isso o TJRS se faz de desentendido e completamente omisso em resolver os problemas. Haja paciência!

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Político exitoso de sete mandatos, Pompeo de Mattos tem ação trabalhista contra o Banco do Brasil

  Na Justiça do Trabalho de Porto Alegre, o deputado federal (PDT-RS) busca até indenização pela perda de uma chance. E chegou a pedir gratuidade da justiça.

 A maldição do impeachment de Dilma segue “tarrafeando” políticos de vários partidos.

  Parabéns mulheres! Pesquisa revela que o tempo médio gasto, por elas, com afazeres domésticos e/ou cuidando de pessoas da família, totaliza 92 horas por mês.

  Ministério Público oferece denúncia contra cinco diretores da Net. E o que é que Embratel, Claro e Globo tem a ver com isso?

Uma ação de pequena entidade gaúcha contra a poderosa General Motors

 Propaganda dita “enganosa” da picape S10 General Motors estaria atingindo os ambientalistas, exibindo “uma carga pejorativa a quem cumpre o papel de suma importância, que é a defesa do meio ambiente”.

 O que pode estar embutido na campanha “Agro é Pop, Agro é Tech, Agro é Tudo, Está Aqui, Está na Globo”.

  Em outra frente um pedido ao CONAR – Conselho Nacional de Auto Regulamentação Publicitária para que suspenda a veiculação do comercial.

FEPAM festeja proteção ambiental com ´banner´ de aves e mamífero que não são da fauna gaúcha

 O desmanche no RS das instituições ligadas à proteção do meio ambiente, ciência e tecnologia.

 “O Brasil que eu quero/ É um país com todos os corruptos presos /E sem liminar do Gilmar /Que os possa soltar”...

 Projeto de lei federal com gratuidade judicial para advogados cobrarem seus honorários.

  Que ciúme! Salário inicial de advogado em grande escritório dos EUA: piso de US$ 190 mil por ano (US$ 15.833 por mês, cerca de R$ 60 mil), a partir de 1º de julho

A grande vitória jurídica do Grêmio no STJ

 O clube vence demanda ajuizada pelo filho de Lupicínio Rodrigues e pelo instituto que leva o nome do falecido compositor.

 A questão envolve direitos autorais sobre o Hino do Grêmio e a expressão “Imortal Tricolor”. Relator esclarece que a expressão foi uma loa a Eurico Lara (acima, a foto do grupo que tinha o goleiro como expoente).

 Em Caxias do Sul, a tartaruga forense está na “mesa da Elenita”.

  Ex-procurador investigado quer ser juiz federal.

 OAB-RS exclui mais uma advogada: a lista tem 50 nomes.

Segredos que agradam baderneiros

  No regime democrático, por que cultuar o mistério em favor de uma minoria que vai aos estádios para delinquir?

  Lembrando Celso de Mello: “Não há no regime democrático possibilidade de se preservar ou de se cultuar o mistério”.

  Trânsito em julgado de condenação da Unimed: o pagamento do tratamento “home care” em caso de mal de Alzheimer.

  Padilha, Marun e um congestionamento causado por imprevisíveis leões de verdade...

A íntima prevaricação entre o então juiz e seu fiel assessor

 A apreensão de um Mercedes Benz horas antes do Natal.

 O magistrado de plantão no 24 de dezembro em confraternização familiar a 326 km de distância.

• Uma folha assinada em branco pelo juiz, que o servidor aproveitou em causa própria.

 E um arremate cômico: cobrança de autos da “advogada Corregedoria-Geral da Justiça”.