Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

Juíza gritona, atuando com falta de urbanidade



O Órgão Especial do TJ de São Paulo afastou das atividades jurisdicionais a juíza Márcia Blanes, da 8ª Vara Cível de Guarulhos (SP), ao atender pedido da Subseção da OAB naquela cidade. A magistrada foi acusada, pela Ordem, de “gritar com advogados, recusar-se a atender advogados em seu gabinete, faltar ao trabalho e maquiar atrasos em julgamentos”.

Conforme publicação do saite Consultor Jurídico, em matéria assinada pelo jornalista Felipe Luchete, o corregedor-geral da Justiça, Manoel Pereira Calças, admitiu que “a falta de urbanidade ficou comprovada por testemunhas”.

O desembargador considerou “inusitada” a presença de mais de uma centena de advogados na vara, quando a unidade passou por correição, em outubro do ano passado.

Em minha gestão já tivemos outros casos de falta de urbanidade, mas sempre se encontramos quatro ou cinco advogados reclamando” - afirmou o corregedor, fazendo uma comparação.

Em sua defesa prévia, a juíza Márcia Blanes disse que “ficou perplexa com as alegações de que desrespeitou advogados”. Ela reconheceu não ser assídua ao fórum, mas sustentou que proferia sentenças em casa, na modalidade de tele trabalho. A magistrada também sustentou que “estava constantemente em conexão com o foro e com a vara em que é titular”.

O corregedor afirmou, em seu voto, que “o home office é vedado a juízes em primeiro grau, porque suas atribuições não se resumem a assinar sentenças e despachos”. O desembargador observou que “o cartório apresenta atrasos e falhas na rotina processual, sem fiscalização eficiente da titular da vara”.

Posição da OAB

O presidente da Subseção de Guarulhos, advogado Alexandre de Sá, ficou satisfeito com o afastamento da juíza. Ele disse ao saite Guarulhos Hoje que, “além de dificultar o trabalho dos advogados, a magistrada descumpria de forma indireta determinações do tribunal, atrapalhando o nosso direito de trabalhar”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Roupa suja se lava em casa, ou no tribunal...

Depois do enfrentamento verbal Barroso x Gilmar no STF, agora as farpas são trocadas, por escrito, no TST entre o presidente Ives Gandra Martins Filho e o vice Emmanuel Pereira.

Dois magistrados do Trabalho aposentados compulsoriamente

Decisão do CNJ alcança o ex-corregedor-geral do TRT-14 (RO) Vulmar de Araújo Coêlho Júnior e o juiz Domingos Sávio Gomes dos Santos. Mas por uma aberração legal brasileira, eles continuarão recebendo seus salários.

Um “agrado” para 37 mil autoridades

Sobe o índice de congestionamento do Judiciário brasileiro. Entrementes, o julgamento do fim do foro privilegiado perde espaço no STF e pode ficar para 2018. Ou para 2019...