Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

Juíza gritona, atuando com falta de urbanidade



O Órgão Especial do TJ de São Paulo afastou das atividades jurisdicionais a juíza Márcia Blanes, da 8ª Vara Cível de Guarulhos (SP), ao atender pedido da Subseção da OAB naquela cidade. A magistrada foi acusada, pela Ordem, de “gritar com advogados, recusar-se a atender advogados em seu gabinete, faltar ao trabalho e maquiar atrasos em julgamentos”.

Conforme publicação do saite Consultor Jurídico, em matéria assinada pelo jornalista Felipe Luchete, o corregedor-geral da Justiça, Manoel Pereira Calças, admitiu que “a falta de urbanidade ficou comprovada por testemunhas”.

O desembargador considerou “inusitada” a presença de mais de uma centena de advogados na vara, quando a unidade passou por correição, em outubro do ano passado.

Em minha gestão já tivemos outros casos de falta de urbanidade, mas sempre se encontramos quatro ou cinco advogados reclamando” - afirmou o corregedor, fazendo uma comparação.

Em sua defesa prévia, a juíza Márcia Blanes disse que “ficou perplexa com as alegações de que desrespeitou advogados”. Ela reconheceu não ser assídua ao fórum, mas sustentou que proferia sentenças em casa, na modalidade de tele trabalho. A magistrada também sustentou que “estava constantemente em conexão com o foro e com a vara em que é titular”.

O corregedor afirmou, em seu voto, que “o home office é vedado a juízes em primeiro grau, porque suas atribuições não se resumem a assinar sentenças e despachos”. O desembargador observou que “o cartório apresenta atrasos e falhas na rotina processual, sem fiscalização eficiente da titular da vara”.

Posição da OAB

O presidente da Subseção de Guarulhos, advogado Alexandre de Sá, ficou satisfeito com o afastamento da juíza. Ele disse ao saite Guarulhos Hoje que, “além de dificultar o trabalho dos advogados, a magistrada descumpria de forma indireta determinações do tribunal, atrapalhando o nosso direito de trabalhar”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli, sobre foto de Danilo Verpa (Folha de S. Paulo / Google Imagens).

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

 

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

Cármen Lúcia reconhece que o povo brasileiro está cansado. Por que? Eis algumas das razões: integrantes do Poder se consideram imunes à lei; magistrados corruptos são premiados por aposentadorias generosas; juízes e desembargadores têm férias de 60 dias, além do descanso extra no recesso; a prestação jurisdicional é lenta e favorece a prescrição; seu pessoal corporativo é campeão de penduricalhos; demasiado trânsito de estagiários e assessores dando sentenças. E por aí...

Auxílio-moradia no Judiciário custa R$ 75,9 milhões mensais

A cronologia e alguns números do absurdo. São 17.351 juízes, desembargadores e ministros, todos da ativa, que têm suas contas engordadas periodicamente, sem impostos: R$ 4.377 mensais; R$ 52.532 anuais. Um aporte que, três anos e quatro meses depois da liminar, já chega a mais de R$ 170 mil individualmente.