Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 19 de Maio de 2017

O Judiciário é o poder mais podre deste país



A Associação dos Juízes do RS (Ajuris) ingressará com representação contra o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) no Conselho de Ética da Câmara Federal, em decorrência de graves acusações feitas por ele ao Poder Judiciário, aos magistrados em geral e ao juiz federal Sérgio Moro. A manifestação foi gravada em vídeo pelo parlamentar e postada nas redes sociais.

Para a entidade que congrega os magistrados gaúchos, “a manifestação atinge a independência de qualquer juiz brasileiro e demonstra o desequilíbrio do deputado ao dizer que o Judiciário é o poder mais podre deste país”.

Pimenta também flechou no juiz Sérgio Moro, qualificando-o de “irresponsável e insano”. O deputado arrematou que não tem medo “de bandido, de bandido de toga, de bandido procurador, promotor”.

Na nota que distribuiu à imprensa, a Ajuris identifica “a intenção que está por trás do projeto de abuso de autoridade, que pretende cercear a atuação de magistrados e promotores no combate à corrupção no país e que está prestes a ser votado no Senado”.

O presidente da Ajuris, Gilberto Schäfer arremata “não poder aceitar que um deputado, membro do Congresso Nacional, do Poder Legislativo, perca totalmente a razão e assaque contra outro poder, no caso o Judiciário, com tamanha ferocidade e irresponsabilidade”.

Carreira de Pimenta

O santa-mariense Paulo Roberto Severo Pimenta, 52 de idade, é um jornalista, técnico agrícola e político. Em sua trajetória política exerceu dois mandatos de vereador pelo PT em Santa Maria; em 1998 foi eleito deputado estadual pelo RS e em 2000, foi eleito vice-prefeito de Santa Maria, na chapa de Valdeci Oliveira.

No ano de 2003 foi eleito deputado federal, reelegendo-se para mais três mandatos. Em 2010 foi o deputado mais votado pelo Partido dos Trabalhadores no RS, com 153.172 votos.

“Uma montagem”

O deputado Paulo Pimenta ofereceu ontem (24) rápido e sintético contraponto. Disse que “o vídeo divulgado nas redes sociais foi montado a partir de um discurso que teve uma hora de duração” e que “as frases foram tiradas do contexto”.

Mas Pimenta confirma que “chamou o Judiciário de podre e o juiz Moro de insano”.


Comentários

Sidnei Andrade Dos Santos - Eng. Mecanico 26.04.17 | 11:25:36
E lamentável ter que ouvir um parlamentar dizer o que disse. Que falta de preparo, de equilíbrio; acredito que nas próximas eleições queira Deus que tal deputado não se reeleja. Deve ser processado pois ofensas graves feitas ao JUDICIARIO.
Gilnei Luis Damiani - Rep. Comercial 26.04.17 | 01:56:50
Não se trata de acreditar que o Judiciário e o MP tenham todos seus integrantes honestos e que agem corretamente. No entanto, neste momento em que o Brasil se encontra, só nos restam o Judiciário e o MP para trabalhar por nós, pobres mortais. Ademais, o deputado Paulo Pimenta não serve com exemplo de honestidade para os brasileiros.
Pedro Lagomarcino - Advogado 25.04.17 | 18:47:36
Quem é Paulo Pimenta para resolver "diagnosticar", vejam bem, um magistrado, como insano e promover uma generalização estapafúrdia, pedestre e criminosa, chamando todo o Poder Judiciário de podre? Trata-se, a bem da verdade, de um político de 5ª categoria, do mesmo porte dos que integram esta Organização Criminosa travestida de ParTido PolíTico. Desejo que a ESMAFE tome a mesma providência que a AJURIS tomou, para que este deputado seja cassado e colocado no lugar que merece: a cadeia.
Iolanda Ramos Noble - Advogada 25.04.17 | 16:45:46
Tudo se fala do Legislativo e absolutamente tudo se fala do Executivo. Já do Judiciário nada se pode falar, porque quando alguém se atreve a tamanha façanha, logo aparece um ´cala-te boca´ e execram a criatura, como se tivesse cometido uma heresia. Mais ou menos como no tempo da santa inquisição. A pergunta que não quer calar? Vivemos mesmo em uma democracia?
Paulo Bento Bandarra - Médico 25.04.17 | 12:18:01
Paulo Pimenta de corrupção entende. Na CPI dos correios ele deu carona para Marcos Valério na garagem da Câmara.
Nedson Culau - Advogado 25.04.17 | 12:06:36
Só se sustentará a "opinião" ou a afirmativa do deputado acaso traga provas de suas alegações na imprensa ou que, comprove que o ministro Fachin, omitiu em depoimentos dos acusados os nomes de possíveis integrantes do Judiciário (juízes, desembargadores, ministros)
Enio Roberto Gonçalves Ferreira - Advogado 25.04.17 | 11:21:20
O deputado Pimenta é aquele mesmo que foi flagrado saindo de carona com Marcos Valério após uma sessão da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, na qual atuava como vice-presidente e que tinha como objetivo apurar o escândalo do Mensalão. Marcos Valério era um misto de investigado e delator. Portanto, se alguém entende de podridão no poder é esse deputado. Seu dia há de chegar.
Rafael De Faria Corrêa - Advogado 25.04.17 | 10:00:32
O deputado está enganado, o Poder Judiciário é o poder que está nos salvando das falcatruas dos desgovernos do PT. O deputado está agindo assim porque perdeu a "TETA" em que mamava...
Edson Francisco Rocha Filho - Advogado 25.04.17 | 09:59:51
Integrante do PT, que continua apoiando seus líderes Lula e Dilma, mesmo depois de tudo que já foi descoberto, Pimenta não tem moral para apontar "podridão" de quem quer que seja! Quanto às referências a Moro, não me surpreendem, pois nunca vi bandido gostar de quem o julga...
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Mantida abertura de processo disciplinar contra desembargadora

O caso envolve liberação indevida de parcelas do Fundo de Participação dos Municípios retidas pelo INSS. A magistrada foi favorecida por liminar concedida em dezembro de 2010 por Gilmar Mendes. Agora, seis anos e meio depois, o próprio ministro revogou sua decisão anterior.

Celso de Mello começa a sair do STF

Ele tem um visível problema no quadril, com o desgaste do osso do fêmur, que o obriga a andar de bengala, se a distância é curta; ou de cadeira de rodas, se é maior.

Tribunal afasta juiz federal acusado de fraude

Ele é acusado da conduta prevista no artigo 343 do Código Penal (“dar, oferecer ou prometer dinheiro ou qualquer outra vantagem a testemunha, perito, contador, tradutor ou intérprete, para fazer afirmação falsa, negar ou calar a verdade em depoimento, perícia, cálculos, tradução ou interpretação”).