Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 20 de Junho de 2017

Jornal antecipa o resultado de licitação de publicidade bilionária do Banco do Brasil



Reprodução da Folha de S. Paulo.

Imagem da Matéria

O nome da primeira colocada na licitação para a conta de publicidade do Banco do Brasil foi antecipado à Folha de S. Paulo na última quinta-feira (20), quatro dias antes da abertura oficial dos envelopes que trariam o resultado, que só ocorreu na manhã de segunda (24) em Brasília. A concorrência é a de maior valor já realizada no governo Michel Temer.

A Multi Solution ficou com o primeiro lugar no certame que escolheu três empresas de propaganda para gerenciar a publicidade do banco pelos próximos 12 meses. Elas dividirão um contrato de até R$ 500 milhões por ano, prorrogável por até 60 meses, segundo o edital. Isso totalizaria R$ 2,5 bilhões, sem calcular eventuais reajustes – segundo texto da jornalista Daniela Lima.

A informação de que a Multi Solution estaria entre as vencedoras foi registrada pelo jornal paulista em cartório na própria quinta-feira (20) e publicada em anúncio cifrado na seção de classificados do caderno “Sobre Tudo” da Folha do último domingo (23). O informe trazia o nome da empresa e o número da concorrência que ela venceria nesta segunda-feira. Conforme a publicação jornalística no saite do jornal, hoje (25) pela manhã, a Folha tinha sido previamente informada de que “houve direcionamento dentro da estatal para garantir que a Multi Solution estivesse entre as contratadas pelo Banco do Brasil”.

Procurado, o BB afirmou "que o processo de licitação para escolha das novas agências de publicidade obedeceu rigorosamente a legislação, e a definição das vencedoras foi norteada por critérios técnicos". A seu turno, a agência Multi Solution negou qualquer favorecimento.

Outras duas agências de publicidade foram selecionadas na licitação, que foi pública e realizada na manhã desta segunda, em Brasília: a Nova/Sb e a Z+. A primeira tem tradição em negócios do setor público; a segunda integra um grupo francês. A agência Multi Solution alcançou 91,58 pontos, de um total de 100. Ela ficou cerca de seis pontos à frente das demais classificadas. A distância entre as outras duas agências que também venceram o certame foi de pouco mais de um ponto: 84,25 (Nova/Sb) e 85,26 (Z+).

Conforme a Folha, “essa modalidade de licitação exige das concorrentes o preenchimento de uma série de requisitos para que sejam habilitadas a participar da concorrência. Neste caso, além de propor o menor preço, as empresas enviaram ao BB planos de comunicação e capacidade de atendimento”. Tais informações foram avaliadas por uma subcomissão, composta por seis membros: dois sem vínculo com o BB (um do Ministério das Comunicações e outro da Petrobras) e quatro funcionários da instituição financeira.

A Multi Solution, presidida por Pedro Queirolo, nunca havia vencido licitação em órgãos públicos. Por e-mail, Queirolo afirmou à Folha que a vitória na licitação do BB "veio para coroar os 20 anos de trabalho da agência, que é reconhecida por grandes cases no setor privado".

Ela ganhou visibilidade no mercado ao abocanhar, anos atrás, a conta das marcas Itaipava e TNT. A Itaipava é citada na Lava Jato como uma das firmas usadas pela Odebrecht para distribuir propinas - o que ela nega.

Procurado pelos jornalistas, o Banco do Brasil defendeu o processo de licitação e disse que a "escolha das novas agências de publicidade obedeceu rigorosamente a legislação e a definição das vencedoras foi norteada por critérios técnicos".

A assessoria de imprensa da instituição disse ainda que, "amanhã (26), o Banco do Brasil, de forma transparente, irá publicar todas as propostas técnicas que foram apresentadas na licitação, junto com as respectivas notas atribuídas pela comissão responsável pela avaliação, o que possibilitará a verificação de todo o processo por qualquer interessado".

O Banco do Brasil negou também que tenha havido embate entre as agências que participaram da disputa, embora concorrentes tenham pedido, e conseguido, uma recontagem dos votos, que alterou a classificação das empresas que disputavam o segundo e o terceiro lugar.

Leia a matéria completa no saite da Folha de S. Paulo. Clique aqui.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Comparação publicitária permitida

Briga de gigantes. Sentença e acórdão confirmados pelo STJ. A ação de violação de marca foi proposta pelas associadas Gilette e Procter & Gamble. Elas buscavam fazer cessar o uso da marca Duracell nas pilhas Rayovac, fabricadas pela Microlite.

A política ainda é possível?

Painel a ser realizado pela Ajuris questionará dois ex-governadores do RS e um doutor em Ciência Política. Evento será aberto ao público.

Os “momentos difíceis” da família Batista

A jornalista Ticiana Villas Boas, esposa de Joesley Batista, diz que ela e a família passam “momentos difíceis”. Enquanto isso, os irmãos Batista compram um G-650, o jato executivo mais rápido e caro do mundo, vendido por US$ 74 milhões.

Bloqueio judicial de R$ 800 milhões de Joesley Batista

A decisão do juiz da 5ª Vara Federal de São Paulo alcança o suposto lucro do acionista da JBS com a venda de dólares, às vésperas da divulgação da gravação com o presidente Michel Temer.