Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.

O Excelentíssimo Juiz Justimiano



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Texto do advogado Reginald Felker 
Reprodução da edição de 29.03.16

Empossado e designado para uma comarca interiorana, o doutor Justimiano tratou de concretizar seu matrimônio com Marietinha.

No segundo dia de trabalho no fórum, estabeleceu manter-se afastado de maior contato com advogados, os quais poderiam falar com ele, fora das audiências, apenas nas quintas-feiras, das 18 às 18h30, mediante prévia inscrição no cartório e manifestação sobre o assunto a ser tratado.

Já no início de suas atividades, o novel magistrado foi tomado por grande frustração decorrente do fato de não poder aplicar uma verdadeira justiça, de acordo com a tradição histórica e o ensinamento das Sagradas Escrituras, manifestados no Antigo Testamento, que ele dizia ser “o receptáculo dos desígnios divinos para a humanidade”.

A esposa Marietinha levava uma vida reclusa, pois o esposo não gostava que ela saísse sozinha. O augusto juiz não visitava ninguém, não aceitava convite algum para festa ou solenidade – a não ser a cerimônia cívica do 7 de Setembro.

Ouvindo, um dia, a queixa da cônjuge sobre a vida isolada que levavam, Justimiano acedeu em que ela convidasse algumas senhoras da “melhor estirpe na cidade”, para um chá em sua residência. Assim, após a chancela do marido, foram chamadas as esposas do promotor, do delegado de polícia, do exator e do prefeito.

Na tarde do chá, Justimiano - instalado em seu gabinete na residência - deixou a porta entreaberta, de modo a que, sem ser visto da sala, pudesse escutar qual era o papo feminino. Ficou embevecido, então, em saber que, repetidamente, a esposa – ao se referir a ele – usava a expressão ´Sua Excelência´.

Foi assim que Justimiano escutou frases ditas por Marietinha como “Não pus açúcar no chá por não saber como vocês preferem, pois Sua Excelência toma sem açúcar”..., “Sua Excelência sempre me ajuda nas compras do supermercado”...,“Sua Excelência é o primeiro sempre a chegar no fórum”...

E por aí...

Ao final do chá, a esposa do juiz e as quatro distintas damas combinaram repetir o encontro na última sexta-feira de cada mês. Passados vinte e poucos dias, após receber o telefonema lembrando o novo encontro, a mulher do delegado ligou para a mulher do promotor:

- Vais ao chá da Marieta?

- Deus me livre! Aguentar aquela chata que só fala nas proezas e manias de Sua Excelência, o seu marido...

Resultado: as quatro convidadas declinaram do convite, alegando afazeres diversos. Assim, Marietinha desolada cancelou o encontro, o que logo informou ao marido. Este a consolou com a remessa de um econômico ramalhete de três rosas – que nem vermelhas eram - acompanhadas de um formal cartão: “Não te amofines, amada Marieta. Essa gentinha não vai porque fica constrangida em conviver com pessoas da mais alta classe social”...


Comentários

Benedito Felipe Rauen Filho - Advogado Inativo 26.04.17 | 16:10:25

O blogueiro não tem fatos pitorescos ou piadas de outros lidadores do Direito para publicar? Tenho certeza de que não são só os juízes os personagens de "historinhas". Muitas devem haver de promotores, advogados, delegados de polícia, etc.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

“O seu nome é Fátima, doutor?”

 

“O seu nome é Fátima, doutor?”

Há alguns nomes próprios que se prestam a confusões de gênero, como Darcy, Abigail e Nadir. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima. Só que a jovem juíza faz uma pergunta típica à estultícia...

Charge de Gerson Kauer

Um motel na própria casa

 

Um motel na própria casa

O juiz lê a minuta de decisão - feita pela estagiária - em uma ação de interdição de Dona Amélia, 80 de idade. Na documentação, um detalhe chama a atenção: a assistente social relata que os vizinhos da idosa senhora informaram que, antes de a casa dela pegar fogo, ela – ali no próprio lar - alugava quartos para casais enamorados desfrutarem de momentos de prazer. 

Charge de Gerson Kauer

O perdão judicial

 

O perdão judicial

O que acontece, em média comarca gaúcha, quando o rígido e formal juiz descobre que ele e a esposa estão sendo espionados por um voyeur - cuja “arma” é uma verruma. O interrogatório sumário, a decisão de prender o abelhudo e a remissão de culpa – com a ordem de que o acusado sumisse imediatamente. O texto é do desembargador aposentado (TJRS) Vasco Della Giustina.