Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 21 Julho de 2017

Morte de advogado por afogamento no rio Guaíba



O corpo encontrado submerso no rio Guaíba, em Porto Alegre, foi identificado pelo Corpo de Bombeiros como sendo do advogado Sebastião Maurique (OAB-RS nº 16.526), 67 de idade, associado do Clube dos Jangadeiros. Sebastião era irmão do desembargador do TRF da 4ª Região, Jorge Maurique.

Sebastião era viúvo desde 2014 de Clarice Maurique e pai da procuradora do município de Gravataí, Carolina, e do médico e professor em Florianópolis, João Guilherme. O advogado morava sozinho na Vila Conceição, zona sul de Porto Alegre. Tinha escritório na Vila Assunção.

Dono de um veleiro, tinha participado de um tradicional jantar no clube, no bairro Tristeza, última quarta-feira (26). Na ocasião informou a amigos e familiares que dormiria na sua embarcação, hábito comum entre os proprietários. Na quinta-feira (27), a ausência dele em compromissos profissionais e o veículo estacionado no clube chamaram a atenção e desencadearam as buscas.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e encontrou o corpo do advogado sob a embarcação, que estava amarrada a um trapiche flutuante. A desconfiança da direção do clube é de que Maurique tenha se desequilibrado ao subir do barco, caído na água e se afogado.

O caso é tratado pelo Jangadeiros como uma “fatalidade que causa profunda tristeza”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os gastos dos deputados federais gaúchos com refeições

O valor reembolsado é 62% superior à média. O jeitinho para faturar um pouco mais, além do salário mensal  de R$ 33.763,00. Entre as guloseimas ingeridas, uma entrada de R$ 42 e um prato principal de R$ 192 num restaurante português em Porto Alegre.

Ferran

O Brasil das mamatas

 

O Brasil das mamatas

Em périplo internacional para, alegadamente, contestar o impeachment, Dilma Rousseff gastou, do erário, no primeiro semestre de 2017, em passagens e diárias – para a sua equipe – três vezes mais do que todos os ex-presidentes juntos. Foram R$ 522.697. É conveniente saber que um decreto de 2008 autoriza isso!

Milhões de reais disponíveis

Agilizem-se, antes que a União raspe o dinheiro! Justiça Federal do RS convoca credores, e seus advogados, que deixaram de requerer o levantamento de verbas depositadas. São R$ 87,4 milhões relativos a RPVs e precatórios.