Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Celso de Mello começa a sair do STF



Jornal Estado de Minas (Reprodução)

Imagem da Matéria

O ministro Celso de Mello está começando a sair do STF, onde é juiz há quase 28 anos. É o mais antigo dos 11 ministros. “Pode ser que este seja o meu último ano aqui”, disse ele ao jornal O Estado de S. Paulo, em seu gabinete.

Se for, significa que o presidente Michel Temer poderá indicar seu segundo ministro em 2018. “De todo modo, se não for neste ano, eu certamente não pretendo ficar até os 75”, afirmou Celso de Mello É a idade limite para o cargo, que, aos 71 anos de idade atual, só atingirá em 2021.

O acervo do decano registra 3.298 processos aguardando julgamento, em quarto lugar no ranking dos 11 ministros (o primeiro é Ricardo Lewandowski, com 3.020; o último, Marco Aurélio Mello, com 7.639).

Celso tem um visível problema no quadril, com o desgaste do osso do fêmur, que o obriga a andar de bengala, se a distância é curta; ou de cadeira de rodas, se é maior, como tem feito em shoppings de São Paulo, que frequenta eventualmente com as duas filhas, ambas publicitárias.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Como deve ser a promoção dos juízes?

Em caso oriundo do RS, o Supremo reconhece a repercussão geral relativa aos critérios para seguimento na carreira. Juízes gaúchos Cíntia Teresinha Burhalde Mua, Sandro Antonio da Silva, Ana Lúcia Haertel Miglioranza e Cristiane Hoppe sustentam posições divergentes.

Arte de Camila Adamoli sobre foto Up Imagens

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

 

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

Conselheiro do CNJ Henrique Ávila diz que “tribunais são ilhas de poder”. Propõe que a OAB seja chamada “para levar a visão do jurisdicionado e da sociedade como um todo”. Sustenta que “a Loman precisa ser revista com brevidade”. E conclama “a redistribuição de servidores da segunda instância e as respectivas dotações orçamentárias para priorizar a força de trabalho da primeira instância”.