Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Xô neura, xô petições absurdas!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A empresa fabricante de detergentes tinha lançado um novo comercial com o título “Neuras da Semana”, mostrando, de forma humorada, dois produtos que exterminam o desânimo, quando a faxina doméstica é uma das tarefas obrigatórias.

O filme mostra uma moça chegando em casa e se deparando com versões dela mesma sentadas no sofá. Ao indagar “quem são vocês?”, uma das mulheres diz ser a “neura da segunda-feira”, enquanto as outras correspondem aos demais dias da semana.

De repente surge a versão musculosa de “a neura da faxina pesada”.

Por causa desse contexto publicitário, a Neura Felippina, uma competente professora de primeiro grau, ingressou com ação reparatória por dano moral “porque passou a sofrer chacotas devido à campanha publicitária de jargão era Xô, Neura!". Disse “ter sofrido abalo no desempenho profissional pois ao entrar na sala de aulas, era sempre alvo de piadas criadas por alunos que repetiam o jargão da propaganda”.

Uma testemunha confirmou (!) sobre a “deprê” que acometeu Neura Felippina.

A sentença julgou improcedente a ação, “porque os problemas enfrentados devem-se mais a esta conjunção: a) falta de respeito para com a professora; b) ausência de providências pela direção da escola; c) inexistência de acompanhamento dos pais em relação às condutas de seus filhos; d) generalizada falta de educação em todos os setores da sociedade brasileira, agravada pela omissão de governos incompetentes”.

Neura Felippina insistiu e apelou ao tribunal. A câmara fulminou o recurso: “Não houve conduta ilícita da empresa ré-apelada que, por evidente, nenhuma intenção teve de vincular o nome próprio Neura à expressão neura”.

O relator lecionou que “´Xô neura' nada mais significa do que a intenção de expulsar a neurose por limpeza”.

Quando os autos voltaram à comarca de origem, a “rádio-corredor” dali veiculou críticos comentários ao escritório advocatício que patrocinou a ação: “Xô petições absurdas”!


Comentários

Tania Machado De Satania Sa - Advogada 02.05.17 | 13:11:14
Estamos no momento agora dos "direitos". Esquecemos, cada mais, dos deveres. Tudo é motivo para as pessoas sentirem-se ofendidas. Estamos na era da "lingua de madeira".A ditadura do politicamente correto!...
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Pernas maravilhosas

 

Pernas maravilhosas

A fábrica brasileira de calçados deu asas a um italiano. Ele era representante de empresa estrangeira que adquiria produtos fabricados na região calçadista. Mas passou a ter interesse paralelo nas pernas das empregadas da indústria...

Gerson Kauer

“Você não está filmando, né?...”

 

“Você não está filmando, né?...”

Cenas íntimas - de um casal que se formou na balada - pulularam na Internet. Depois virou caso judicial, com ações penal e cível. No julgamento desta, o juiz registrou que “mesmo que ela tivesse consentido com as gravações, jamais estava o parceiro sexual autorizado à divulgação posterior.

Gerson Kauer

O “Doutor Encoxador”

 

O “Doutor Encoxador”

Segundo a denúncia na ação penal, “o médico ordenava que as pacientes mantivessem respiração ofegante, também encoxando-as, enquanto introduzia sobre seus seios uma de suas mãos, alegando ser necessário para o perfeito exame de toque aferidor dos pulmões”.

Gerson Kauer

Dona Merca, com ´c´. Ou com ´d ´ ?

 

Dona Merca, com ´c´. Ou com ´d ´ ?

Tarde escaldante, juiz, advogados, partes e serventuário tomam fôlego e levam adiante uma audiência conciliatória. O magistrado logo pergunta à autora da ação: “O seu nome está correto?...”

Gerson Kauer

A fortuna do “Padre Eros”

 

A fortuna do “Padre Eros”

Na cidade de 150 mil habitantes, o padre -  filho único - herdara todo o patrimônio deixado por seus pais. Era um homem rico - todos sabiam. Liberal, o religioso não obedecia ao celibato.  Metade dos paroquianos sabia que ele mantinha uma união “semi-estável” com uma mulher de meia idade, com quem tinha encontros matinais.

Charge de Gerson Kauer

O juiz papador

 

O juiz papador

Era uma ação trabalhista em que o porteiro de um motel reclamava horas extras. A petição inicial juntou fotos com as placas de automóveis que eram ´habituês´ nas incursões românticas.  E requereu que o Detran informasse os nomes dos proprietários dos clientes assíduos...