Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 de Dezembro de 2017

Xô neura, xô petições absurdas!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A empresa fabricante de detergentes tinha lançado um novo comercial com o título “Neuras da Semana”, mostrando, de forma humorada, dois produtos que exterminam o desânimo, quando a faxina doméstica é uma das tarefas obrigatórias.

O filme mostra uma moça chegando em casa e se deparando com versões dela mesma sentadas no sofá. Ao indagar “quem são vocês?”, uma das mulheres diz ser a “neura da segunda-feira”, enquanto as outras correspondem aos demais dias da semana.

De repente surge a versão musculosa de “a neura da faxina pesada”.

Por causa desse contexto publicitário, a Neura Felippina, uma competente professora de primeiro grau, ingressou com ação reparatória por dano moral “porque passou a sofrer chacotas devido à campanha publicitária de jargão era Xô, Neura!". Disse “ter sofrido abalo no desempenho profissional pois ao entrar na sala de aulas, era sempre alvo de piadas criadas por alunos que repetiam o jargão da propaganda”.

Uma testemunha confirmou (!) sobre a “deprê” que acometeu Neura Felippina.

A sentença julgou improcedente a ação, “porque os problemas enfrentados devem-se mais a esta conjunção: a) falta de respeito para com a professora; b) ausência de providências pela direção da escola; c) inexistência de acompanhamento dos pais em relação às condutas de seus filhos; d) generalizada falta de educação em todos os setores da sociedade brasileira, agravada pela omissão de governos incompetentes”.

Neura Felippina insistiu e apelou ao tribunal. A câmara fulminou o recurso: “Não houve conduta ilícita da empresa ré-apelada que, por evidente, nenhuma intenção teve de vincular o nome próprio Neura à expressão neura”.

O relator lecionou que “´Xô neura' nada mais significa do que a intenção de expulsar a neurose por limpeza”.

Quando os autos voltaram à comarca de origem, a “rádio-corredor” dali veiculou críticos comentários ao escritório advocatício que patrocinou a ação: “Xô petições absurdas”!


Comentários

Tania Machado De Satania Sa - Advogada 02.05.17 | 13:11:14
Estamos no momento agora dos "direitos". Esquecemos, cada mais, dos deveres. Tudo é motivo para as pessoas sentirem-se ofendidas. Estamos na era da "lingua de madeira".A ditadura do politicamente correto!...
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Predileção por lâmpadas vermelhas

 

Predileção por lâmpadas vermelhas

O equívoco cometido por um juiz que se preparava para assumir a jurisdição. Era meados de dezembro. Ao, pela primeira vez, subir a Serra Gaúcha, “encantou-se” com insinuantes luzes vermelhas que adornavam a fachada da casa de uma tradicional família italiana.

Charge de Gerson Kauer

O que (também) se faz no casamento?

 

O que (também) se faz no casamento?

Era o julgamento de uma apelação que buscava a anulação de um casamento, porque o homem se recusava ao relacionamento sexual. Até que o desembargador vogal descontraiu a discussão jurídica: “Dentre as finalidades do casamento está o relacionamento sexual - embora ninguém case só para isso, mas case também para isso”.

Charge de Gerson Kauer

Audiência de acareação

 

Audiência de acareação

Defronte ao juiz, no foro e perante os habituais personagens da cena forense, quase um engano atroz da idosa vítima de um crime sexual. Ela não identifica o preso como o autor da violência. E, espantosamente, ela passa a desconfiar do advogado de defesa!...

Charge de Gerson Kauer

O advogado, a juíza e o galo eficaz

 

O advogado, a juíza e o galo eficaz

É época de grande feira de tecnologia agropecuária e agroindustrial. Um profissional da advocacia (também exitoso fazendeiro e ágil criador e exportador de galinhas) está junto ao balcão do bar do hotel cinco estrelas, empunhando uma taça de champanhe. De repente, aproxima-se uma magistrada – conhecida dele - que denotava felicidade.

Charge de Gerson Kauer

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

 

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

De repente, bateu o telefone no quartel da Brigada, numa cidade da fronteira gaúcha. A voz reclamante denotava irritação: “Tem um casal tarado, fazendo sexo de tal jeito, na casa aqui ao lado, que está escandalizando as crianças que vieram ao aniversário do meu filho”.

Charge de Gerson Kauer

A banheira do Foro Central

 

A banheira do Foro Central

Em meio às obras de reforma do prédio antigo, a descoberta no subsolo: uma banheira! Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava especulações de que se tratasse de uma extravagância nova de algum ordenador de despesas. Então surgiram as brincadeiras compreensíveis que se misturaram a boatos absurdos.