Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.

Xô neura, xô petições absurdas!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A empresa fabricante de detergentes tinha lançado um novo comercial com o título “Neuras da Semana”, mostrando, de forma humorada, dois produtos que exterminam o desânimo, quando a faxina doméstica é uma das tarefas obrigatórias.

O filme mostra uma moça chegando em casa e se deparando com versões dela mesma sentadas no sofá. Ao indagar “quem são vocês?”, uma das mulheres diz ser a “neura da segunda-feira”, enquanto as outras correspondem aos demais dias da semana.

De repente surge a versão musculosa de “a neura da faxina pesada”.

Por causa desse contexto publicitário, a Neura Felippina, uma competente professora de primeiro grau, ingressou com ação reparatória por dano moral “porque passou a sofrer chacotas devido à campanha publicitária de jargão era Xô, Neura!". Disse “ter sofrido abalo no desempenho profissional pois ao entrar na sala de aulas, era sempre alvo de piadas criadas por alunos que repetiam o jargão da propaganda”.

Uma testemunha confirmou (!) sobre a “deprê” que acometeu Neura Felippina.

A sentença julgou improcedente a ação, “porque os problemas enfrentados devem-se mais a esta conjunção: a) falta de respeito para com a professora; b) ausência de providências pela direção da escola; c) inexistência de acompanhamento dos pais em relação às condutas de seus filhos; d) generalizada falta de educação em todos os setores da sociedade brasileira, agravada pela omissão de governos incompetentes”.

Neura Felippina insistiu e apelou ao tribunal. A câmara fulminou o recurso: “Não houve conduta ilícita da empresa ré-apelada que, por evidente, nenhuma intenção teve de vincular o nome próprio Neura à expressão neura”.

O relator lecionou que “´Xô neura' nada mais significa do que a intenção de expulsar a neurose por limpeza”.

Quando os autos voltaram à comarca de origem, a “rádio-corredor” dali veiculou críticos comentários ao escritório advocatício que patrocinou a ação: “Xô petições absurdas”!


Comentários

Tania Machado De Sa Tania Sa - Advogada 02.05.17 | 13:11:14

Estamos no momento agora dos "direitos". Esquecemos, cada mais, dos deveres. Tudo é motivo para as pessoas sentirem-se ofendidas. Estamos na era da "lingua de madeira".A ditadura do politicamente correto!...

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

“O seu nome é Fátima, doutor?”

 

“O seu nome é Fátima, doutor?”

Há alguns nomes próprios que se prestam a confusões de gênero, como Darcy, Abigail e Nadir. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima. Só que a jovem juíza faz uma pergunta típica à estultícia...

Charge de Gerson Kauer

Um motel na própria casa

 

Um motel na própria casa

O juiz lê a minuta de decisão - feita pela estagiária - em uma ação de interdição de Dona Amélia, 80 de idade. Na documentação, um detalhe chama a atenção: a assistente social relata que os vizinhos da idosa senhora informaram que, antes de a casa dela pegar fogo, ela – ali no próprio lar - alugava quartos para casais enamorados desfrutarem de momentos de prazer. 

Charge de Gerson Kauer

O perdão judicial

 

O perdão judicial

O que acontece, em média comarca gaúcha, quando o rígido e formal juiz descobre que ele e a esposa estão sendo espionados por um voyeur - cuja “arma” é uma verruma. O interrogatório sumário, a decisão de prender o abelhudo e a remissão de culpa – com a ordem de que o acusado sumisse imediatamente. O texto é do desembargador aposentado (TJRS) Vasco Della Giustina.