Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

Condenado por morte de secretário da Saúde é preso quase um ano depois



Foto: Polícia Civil/Divulgação

Imagem da Matéria

Fernando fugiu durante uma interrupção (almoço) no júri popular.

Fernando Junior Treib Krol, 28 anos, um dos condenados pela morte do médico Eliseu Santos, secretário de Saúde de Porto Alegre, em 2010, foi capturado na madrugada de ontem (1). Ele foi encontrado em uma festa de música eletrônica na Arena do Grêmio, usando documentos falsos. O outro condenado (pena igual) foi Eliseu Pompeu Gomes, que continua preso.

O crime aconteceu em fevereiro de 2010. Eliseu saía de um culto religioso quando foi abordado por homens armados. Ele reagiu ao assalto, mas morreu após a troca de tiros com os bandidos. O caso foi julgado em 21 de maio do ano passado.

A promotora de justiça Lúcia Callegaro falou por 2h30min e defendeu a tese de que Eliseu Santos foi morto por motivo torpe, pois era testemunha de um esquema de corrupção que estava acontecendo dentro da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre.

Fernando estava em liberdade, compareceu ao júri, foi condenado a 27 anos e 11 meses de prisão (por homicídio qualificado, receptação, adulteração e bando armado), mas durante o intervalo para o almoço ele fugiu. O mandado de prisão contra ele foi expedido no mesmo dia, mas desde então não era localizado.

Foi-lhe aplicada ainda a pena acessória de além de 1 ano, em regime aberto, por fraude processual. O júri durou 22 horas – além dos períodos de interrupção para refeições - e foi presidido pelo juiz pelo juiz André Vorraber Costa.

Após um dos intervalos, como o réu Fernando não voltou para o salão onde estava ocorrendo o julgamento, o juiz informou que uma mulher - dizendo ser a mãe do réu - se apresentou e disse que o filho havia passado mal e que por isso não tinha retornado.

Apesar da ausência, o defensor de Fernando Krol foi o primeiro a falar. Criticou o ato do cliente, considerando-o como "um soco no fígado", mas ressaltou aos jurados que a ausência não poderia ser utilizada como prova de conduta no processo.

A polícia descobriu que, durante o período em que esteve foragido, Fernando transitava com frequência, mudando de residência, entre as cidades de Balneário Camboriú (SC), Esteio, Gravataí e Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre.

A Delegacia de Capturas do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) levantou ainda a informação de que Fernando costumava frequentar eventos de música eletrônica, e que estaria na noite de domingo (30) em uma festa em Porto Alegre.

Fernando foi localizado em meio a outros frequentadores; portava carteira de identidade e a carteira de motorista falsas, ambas produzidas em Balneário Camboriú. Tinha cartão de conta poupança em nome de outra pessoa, e o carro conduzido por ele, um Kia Sportage, estava registrado em nome de um terceiro.

Segundo a polícia, o foragido usava disfarces: ora usava barba, ora não; deixava crescer os cabelos e mudava sua cor.

Além da condenação, Fernando Treib Krol Júnior possui uma extensa ficha criminal por crimes como homicídios, roubo de veículo, roubo a residência, clonagem de veículo, tráfico de drogas, porte ilegal de arma de uso restrito, entre outros.

Além do cumprimento do mandado de prisão, Fernando foi autuado em flagrante pelo crime de falsificação e pelo uso de documento falso, além de tráfico de drogas, já que no carro apreendido com ele havia tabletes de maconha embalados para venda, e que, segundo a polícia, possivelmente eram comercializados na festa. (Proc. nº 21000316495).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Uma morte, três anos de internação

O adolescente (17 de idade) confesso de matar a tiros o juiz do Trabalho Cláudio Roberto Ost cumprirá medida socioeducativa de internação.

STF mantém condenação de advogado por extorsão

Ele e o dono de uma emissora de rádio foram flagrados recebendo dinheiro para não divulgar matéria sobre o envolvimento de vigilantes de uma empresa no assassinato de um estudante. Pena pela extorsão é de 13 anos e 4 meses.

Prisão de advogado gaúcho condenado por corrupção passiva

Ele já sofrera quatro condenações anteriores, sendo agora recolhido ao presídio.  O caso que, agora, resultou em execução provisória da pena envolve a cobrança de honorários advocatícios quando o acusado exercia as funções de defensor dativo.