Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Reforma da Previdência, nos olhos dos outros, é refresco.



Artigo de Rodrigo Puggina, advogado (OAB-RS).
rpuggina@terra.com.br

“Reformas, reformas e reformas”! Tais palavras, que deveriam ser proferidas pela população brasileira em razão do descalabro da política nacional e da falta de moralidade pública, são palavras de primeira ordem do Governo Federal e Congresso Nacional. Sequer é necessário discorrer sobre a ilegitimidade de “alguns” políticos.

Ao menos, o que nos conforta, é que pessoas como o deputado Carlos Marun, aquele que defendia fervorosamente o deputado Eduardo Cunha (condenado recentemente a 15 anos de prisão), é o escolhido para presidir a Comissão da Reforma da Presidência.

A grande tristeza neste processo de reformas é que algumas injustiças não serão revistas ou modificadas. Alguns absurdos sequer entram nas pautas das reformas.

Como aceitar, por exemplo, situações como a de algum aposentado do serviço público e idoso, que já tenha superado a expectativa de vida no Brasil - digamos, com uns 76 anos de idade - que se apaixone perdidamente por uma mulher que teria idade para ser sua neta (sei lá, alguma ex-miss ou ex-modelo - se é que isto serve para adjetivar alguma pessoa), que tenha por volta de trinta e poucos anos?...

É aceitável e justo que, posteriormente, com o falecimento deste idoso, esta viúva possa receber pensão vitalícia – muitas vezes sequer precisando se preocupar, assim, em trabalhar? Não tenho dúvida da resposta. Porém, isto é pauta da reforma sugerida? Nem pensar! E este é somente um dos tantos exemplos aleatórios.

A reforma da Previdência não vai atingir com tanta intensidade aquele que possui família de poder aquisitivo, a qual poderá sustentar o indivíduo até que complete a faculdade e se firme em uma profissão, talvez lá pelos trinta e poucos anos de idade.

E, se atingir de alguma forma, não será de maneira tão significativa como aquele que é obrigado a trabalhar desde os 14 anos de idade (ou antes), em empregos extremamente desgastantes, sequer alcançando, na imensa maioria, a expectativa de vida daquele senhor idoso pelo qual as meninas jovens se apaixonam perdidamente.

Como escrevi no título, reforma da Previdência, nos olhos dos outros, é refresco...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Base de dados do blog Corneta do RW

1968: a redenção de uma geração tricolor

 

1968: a redenção de uma geração tricolor

“A conquista, pelo Grêmio, de 12 campeonatos em 13. E a conclamação, 50 anos depois, a que gremistas de fibra homenageiem Juarez, João Severiano, Milton Kuelle, Volmir, Raul Kneman, Flecha, Helio Pires, Paíca, Zeca Rodrigues e Loivo, no próximo dia 2 de junho”. Artigo de Pedro Hübner Wortmann, advogado e historiador.

Errar é humano; ter o direito de progredir também

O advogado suspenso preventivamente pela OAB-RS envia artigo ao Espaço Vital. “Em tempos de internet e auge dos buscadores, quem demarca o poder social, político e individual dos cidadãos não é a Justiça, mas sim o ´deus´ Google” – escreve o bacharel Faustino da Rosa Júnior.

O assédio moral na relação de trabalho

“É uma exposição prolongada e repetitiva do trabalhador a situações humilhantes e vexatórias no trabalho. Atenta diretamente contra a dignidade física e psíquica, trazendo consequências terríveis para o empregado, a empresa e a sociedade”. Artigo da advogada Verônica Bettin Scaglioni. 

Exterminemos os jabutis antes que eles acabem com o Brasil!

Se o mais importante tribunal do país mantém sem solução milhares de habeas corpus, parece ter razão quem disse que o único supremo confiável é o de frango”. Artigo de Raul Haidar, jornalista, advogado, ex-presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-SP e membro do Conselho Editorial do Consultor Jurídico.