Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Reforma da Previdência, nos olhos dos outros, é refresco.



Artigo de Rodrigo Puggina, advogado (OAB-RS).
rpuggina@terra.com.br

“Reformas, reformas e reformas”! Tais palavras, que deveriam ser proferidas pela população brasileira em razão do descalabro da política nacional e da falta de moralidade pública, são palavras de primeira ordem do Governo Federal e Congresso Nacional. Sequer é necessário discorrer sobre a ilegitimidade de “alguns” políticos.

Ao menos, o que nos conforta, é que pessoas como o deputado Carlos Marun, aquele que defendia fervorosamente o deputado Eduardo Cunha (condenado recentemente a 15 anos de prisão), é o escolhido para presidir a Comissão da Reforma da Presidência.

A grande tristeza neste processo de reformas é que algumas injustiças não serão revistas ou modificadas. Alguns absurdos sequer entram nas pautas das reformas.

Como aceitar, por exemplo, situações como a de algum aposentado do serviço público e idoso, que já tenha superado a expectativa de vida no Brasil - digamos, com uns 76 anos de idade - que se apaixone perdidamente por uma mulher que teria idade para ser sua neta (sei lá, alguma ex-miss ou ex-modelo - se é que isto serve para adjetivar alguma pessoa), que tenha por volta de trinta e poucos anos?...

É aceitável e justo que, posteriormente, com o falecimento deste idoso, esta viúva possa receber pensão vitalícia – muitas vezes sequer precisando se preocupar, assim, em trabalhar? Não tenho dúvida da resposta. Porém, isto é pauta da reforma sugerida? Nem pensar! E este é somente um dos tantos exemplos aleatórios.

A reforma da Previdência não vai atingir com tanta intensidade aquele que possui família de poder aquisitivo, a qual poderá sustentar o indivíduo até que complete a faculdade e se firme em uma profissão, talvez lá pelos trinta e poucos anos de idade.

E, se atingir de alguma forma, não será de maneira tão significativa como aquele que é obrigado a trabalhar desde os 14 anos de idade (ou antes), em empregos extremamente desgastantes, sequer alcançando, na imensa maioria, a expectativa de vida daquele senhor idoso pelo qual as meninas jovens se apaixonam perdidamente.

Como escrevi no título, reforma da Previdência, nos olhos dos outros, é refresco...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Anderson C. Porto

O aprisionamento de ladrões de galinha

 

O aprisionamento de ladrões de galinha

Jamais me deixei impressionar pela jurisprudência de tribunais constituídos politicamente, na alcova da vida de tanta gente que simplesmente não presta”. Artigo de Roberto Wanderley Nogueira, juiz federal em Recife (PE).

Em nome do equilíbrio

Em artigo sobre desdobramentos após o recente suicídio do reitor da UFSC, o desembargador Odson Cardoso Filho, presidente da Associação dos Magistrados Catarinenses escreve: “Nada mais perverso para a democracia do que tolher a independência do juiz”.

Ética de advogados e juízes

Há deveres comuns aos dois encargos como, por exemplo, o amor ao trabalho, a pontualidade, a urbanidade, a honestidade. Quanto à pontualidade, os advogados são ciosos de que não podem dormir no ponto. Já relativamente aos juízes, nem sempre compreendem que devem ser atentos aos prazos”.
Artigo de João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado.

A fábula da leitoa

“Economicamente, o outrora terceiro Estado do país se assemelha a uma leitoa recém parida, que agoniza devido uma zoonose fatal”. O jornalista aposentado Sérgio Becker faz, em sucinto texto, análise sobre a crise que assola o Estado do RS. E alerta sobre a garfada nos depósitos judiciais.

Honorários advocatícios na reforma trabalhista

“O artigo 791-A prevê ao advogado, ainda que atue em causa própria, o pagamento de honorários de sucumbência sobre o valor que resultar da liquidação da sentença, do proveito econômico obtido, ou, não sendo possível mensurá-lo, sobre o valor atualizado da causa”.  Artigo dos advogados Gabriel Cintra e Mylena Devezas Souza.