Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 20 de Junho de 2017

O que os advogados gostam (e não gostam) da Justiça gaúcha



Numa iniciativa que integra o Plano de Valorização da Advocacia, a OAB-RS expediu via e-mails, nesta semana, a aproximadamente 75 mil advogados, os formulários de uma enquete para avaliação das varas forenses de todo o Estado, nas esferas estadual, federal e trabalhista.

Para o presidente da Ordem gaúcha, Ricardo Breier, “a advocacia e a sociedade são os principais usuários do Poder Judiciário e os colegas são aqueles que estão, diariamente, em contato, por suas presenças constantes nos balcões e salas dos fóruns”.

A realização da enquete – que é uma realização chancelada pelo Conselho Seccional – objetiva ser “a primeira radiografia construída exclusivamente com os apontamentos dos profissionais da advocacia, sendo importantes para as futuras interações da Ordem com o TJRS, o TRF-4 e o TRT-4”.

O formulário é composto de quatro páginas. Detalhe: sem que a página aberta seja preenchida, não será possível passar para a etapa seguinte.

É necessária a identificação do profissional participante da enquete, pela aposição de seu número de inscrição e fornecimento de seu e-mail. “No ponto, a OAB-RS se compromete publicamente que os dados dos advogados não serão divulgados” – garante Breier.

Pela aposição de um dispositivo de segurança, não será possível a um mesmo advogado participar mais de uma vez. O levantamento será feito até o dia 12 de maio, às 18h, com possibilidade de divulgação das primeiras tabulações na terça-feira seguinte (16).

O Espaço Vital desde a última terça-feira (3) até o dia 11 de maio (às 12h) está realizando uma enquete compacta, procurando saber a opinião dos advogados e estagiários sobre as melhores e as piores varas cíveis, varas federais e varas do trabalho.

PARA RESPONDER A ENQUETE DO ESPAÇO VITAL, clique aqui

PARA RESPONDER A ENQUETE DA OAB-RS, clique aqui


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A existência (necessária) de metal no sutiã

Advogada só foi autorizada a uma visita profissional em presídio se retirasse o sutiã. A peça continha ganchinhos de metal, imprescindíveis para o fechamento... OAB do Acre repudia que a profissional da advocacia “foi grandiosamente constrangida pelo servidor responsável”.

Negado habeas a advogado acusado de comprar liminares

A denúncia da PGR acusou o advogado de corrupção ativa, tendo por base os diálogos interceptados que captaram as tratativas entre ele e o filho de desembargador plantonista negociando decisões.