Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 19 de Maio de 2017

O que fazer quando o INSS não defere benefício para trabalhador incapaz



Por Vinícius Ongaratto, advogado (OAB-RS nº 84.626)
vinicius@mzadvocacia.com.br

Situação bastante embaraçosa para os empregadores ocorre quando um colaborador alega estar doente, ou machucado, e não pode trabalhar normalmente. Porém o maior problema não se dá apenas pela incapacidade do trabalhador; o pior ocorre quando há o INSS não a constata, indeferindo eventual benefício pleiteado pelo trabalhador.

Melhor explicando, atualmente o INSS tem sido bastante criterioso em suas perícias, em muitas oportunidades, não deferindo benefícios para trabalhadores que realmente não têm condições de trabalhar. Fato bastante recorrente tem sido quando o médico do trabalho da empresa constata a incapacidade laboral do colaborador e o direciona para o INSS para que passe a receber o auxílio que tem direito.

Entretanto, em muitos casos o INSS tem indeferido o benefício, sob o fundamento de não ter verificado a incapacidade.

Em casos como este, a empresa acaba ficando em situação complicada, pois se o trabalhador tem capacidade laboral, deveria trabalhar normalmente. Porém, o médico do trabalho da empresa não libera o colaborador para as suas atividades, de forma que o operário acaba ficando em um “limbo”, sem receber o auxílio do INSS e sem poder trabalhar.

Ocorre que ainda assim, sem trabalhar, o entendimento judicial é no sentido de que o empregador é responsável pelo empregado, devendo manter a sua remuneração, pois situações como esta fazem parte do chamado “risco empresarial”, característica inerente a qualquer atividade empresária.

Entretanto, acaba sendo uma injustiça com o empregador; afinal o contrato de trabalho é uma avença bilateral, em que o contratante paga um salário em contraprestação a um trabalho.

A solução para este caso, ainda que não imediata, costuma ser uma ação judicial do colaborador contra o INSS, perante a Justiça Federal, com o objetivo de que seja devidamente reconhecido o direito do trabalhador à percepção do auxílio a que tem direito -, afinal realmente está incapaz para o trabalho.

Por óbvio, para mover uma ação deste tipo, é necessário que haja um considerável grau de certeza sobre a doença ou ferimento que impossibilita ao trabalhador o exercício normal de seu trabalho.

Enfim, quando a situação acima descrita ocorre, é muito provável que o empregador venha a experimentar algum prejuízo. Porém pode buscar o ressarcimento dos valores mediante uma ação do trabalhador contra o INSS.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quando o imposto vira crime

Empresários estão sendo convocados em delegacias da Polícia Civil e da Polícia Federal para prestar contas de seus débitos fiscais, notadamente quando se entende que estes estão atrelados a alguma prática delitiva fiscal”. Artigo do advogado Carlos Eduardo Delmondi.

Duas categorias de juízes

Magistrada Ludmila Lins Grilo, da Justiça Estadual de Minas Gerais, observa que existem duas Justiças no Brasil, que não se misturam. Uma é a dos juízes por indicação política; a outra é a dos juízes concursados. "Sem constrangimento algum, rogo-lhes: não me coloquem no mesmo balaio do STF. Faço parte da outra Justiça: a de verdade".

E quem protege o empresário?

“Bem-vinda reforma trabalhista! O que houve, nas últimas décadas, foi o abandono da classe empresarial e a vitimização dos proprietários da mão de obra”. Artigo de Eduardo Berndt, especialista em gestão de empresas.

A aposentadoria e os “privilégios” dos servidores

Temos que fazer alguns ajustes, em razão da evolução demográfica, mas não pode ser com rupturas, nem com demagogia e ataques gratuitos à dignidade dos que, independentemente de governo, seguem servindo à sociedade com seriedade e eficiência”. Artigo de Vilson Antonio Romero, jornalista e auditor fiscal.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem Google Earth (Skyscraper City)

Olho vivo para evitar tragédia ambiental

 

Olho vivo para evitar tragédia ambiental

“Está em tramitação, no Estado do RS, processo de licenciamento ambiental de empreendimento de mineração de zinco, chumbo e cobre, a ser implantado no Bioma Pampa, nas Minas do Camaquã, em Caçapava do Sul. A extração mineral gera impactos negativos significativos”. Artigo da advogada Marília Longo, presidente da Comissão de Direito Ambiental da OAB-RS