Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Honorários advocatícios de 50 reais para o presidente de seccional da OAB



Um escritório de São Paulo entrou em contato com o advogado amapaense Paulo Campelo e ofereceu-lhe R$ 50 para que ele fizesse uma diligência no Estado. Os paulistas não contavam que Campelo fosse o presidente da seccional da OAB local.

“Pedi que me enviassem um e-mail e fiz duas representações: uma para o Conselho Federal, a outra para a OAB-SP” - conta Campelo. “Não sei como o caso está, mas como faz um ano mais ou menos, certamente ainda está em tramitação” – complementa o advogado. As informações são do saite Jota, em matéria assinada pelo jornalista Kalleo Coura.

O presidente da OAB amapaense diz que hoje são 3.181 advogados no Estado. E assegura que o mercado não está saturado.

Ainda não. Nós vivemos em um Estado com 800 mil habitantes e não temos ainda um mercado completamente preenchido, em que pese tenhamos uma característica com uma concentração muito grande de advogados no capital. Nove em cada dez advogados residem na capital. Isso quer dizer que outras regiões ainda não estão assistidas por advogados. Quando precisa fazer uma defesa, uma audiência ou participar de um tribunal do júri, o advogado tem que se deslocar para o interior”.

Campelo revela detalhes de uma conjunção estadual: “Nem todas as nossas estradas são asfaltadas e isso acaba sendo uma dificuldade muito grande. E tem mercado no interior. No extremo norte, no Oiapoque, temos uns 40 mil habitantes e apenas 15 advogados, contados no dedo. É distante, mas é uma área de fronteira, onde ocorrem muitos conflitos de terra, tem garimpo clandestino e tudo mais então precisa da presença de advogados, do Ministério Público e das forças de segurança”.

Leia a matéria completa e a íntegra da entrevista, no saite Jota, clicando aqui.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advocacia não é atividade de risco

O TRF-4 nega mandado de segurança a advogado gaúcho que – por trabalhar com empresas de factoring e pessoas físicas que devem a agiotas – pretendia o direito a porte de arma de fogo.

As muitas estultices do promotor Sérgio Harris

O Colégio de Presidentes das 106 Subseções da OAB gaúcha divulga nota para demonstrar indignação contra o presidente da Associação do Ministério Público do RS.

Associação de Advogados Trabalhistas também desagrava a OAB

Repudiando o artigo do promotor Sérgio Hiane Harris, a SATERGS alerta que “os ataques ao direito de defesa e à livre atuação dos advogados jamais podem ser tolerados, sob pena de instauração de um Estado ditatorial”.