Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Sicofanta, leviano, inescrupuloso e irresponsável



Na nota à imprensa em que criticou a “cavilosa arguição de impedimento” do ministro Gilmar Mendes na soltura de Eike Batista – feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot – o advogado Sergio Bermudes chama o PGR de “sicofanta” (mentiroso), “leviano”, “inescrupuloso” e “irresponsável”.

Na mesma manifestação, o advogado Bermudes informa: “Sem nunca ter tido procuração de Eike Batista, no processo penal, compareci, com ele, sem praticar qualquer ato, a uma audiência na 3ª Vara Federal Criminal do Rio com o consentimento dos criminalistas Ary Bergher e Raphael Mattos, a cujo convite assinei petição elaborada por esses advogados, apenas para prestigiar o cliente, sem qualquer outra atuação no processo”.

A nota foi publicada no saite Consultor Jurídico, que também acolheu o seguinte comentário do procurador da República Helio Telho, de Goiás: “Na nota, Bermudes confessa uma infração disciplinar, que foi a de assinar uma petição que não redigiu ou para a qual colaborou, mas o teria feito apenas para ´prestigiar´ o colega”.

A propósito

O Estatuto da Advocacia dispõe, em seu artigo 34, inciso V, que “constitui infração disciplinar assinar qualquer escrito destinado a processo judicial ou para fim extrajudicial que não tenha feito, ou em que não tenha colaborado”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advocacia não é atividade de risco

O TRF-4 nega mandado de segurança a advogado gaúcho que – por trabalhar com empresas de factoring e pessoas físicas que devem a agiotas – pretendia o direito a porte de arma de fogo.

As muitas estultices do promotor Sérgio Harris

O Colégio de Presidentes das 106 Subseções da OAB gaúcha divulga nota para demonstrar indignação contra o presidente da Associação do Ministério Público do RS.

Associação de Advogados Trabalhistas também desagrava a OAB

Repudiando o artigo do promotor Sérgio Hiane Harris, a SATERGS alerta que “os ataques ao direito de defesa e à livre atuação dos advogados jamais podem ser tolerados, sob pena de instauração de um Estado ditatorial”.