Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Guarda judicial dos animais de estimação



Arte de Camila Adamoli sobre foto Oleoo

Imagem da Matéria

Por Cristiana Garrastazu, advogada (OAB-RS nº 80.461).
cristiana@garrastazu.com.br

O vocábulo “família”, na atualidade, talvez seja um dos mais amplos e subjetivos, amoldando-se permanentemente às constantes evoluções sociais e multisignificados que passou a possuir.

Se o papel do direito é perfilar os fatos e o dinamismo da humanidade – notadamente quando se está a tratar da entidade familiar e sua real função nos dias de hoje -, não pode o Judiciário decepar do âmbito de sua apreciação demandas que tratam do bem-estar dos animais de estimação, atualmente tidos, por tantas famílias, como um genuíno membro seu.

E há não muito tempo, de forma exclusiva, os animais de estimação eram tutelados pelo “direito das coisas”, posto que assim vistos, o que gerava decisões insensíveis e desconexas à realidade fática que se salta aos olhos: animais inseridos e adaptados à família pós-moderna, dependentes do afeto conferido por todos os indivíduos que a compõem.

Ademais, já é deveras constatado que muitos casais têm testado o projeto parental com animais de estimação, intentando, assim, aprender a desenvolver habilidades de assunção de responsabilidades perante um ser vivo tão vulnerável.

Se o projeto conjugal ruiu, em muitos casos o plano de devoção e amor a um animal de estimação não possui o mesmo desfecho. Ao contrário, o animal pode ajudar – e muito – na superação de uma etapa tão difícil como o divórcio, ainda que este não seja o escopo do ex-casal ao desejar ter consigo a presença frequente do animal em suas vidas.

Nessa toada, felizmente, a tendência - já praticada por muitos operadores do direito - é agregar às ações de divórcio pedidos e decisões que contemplam a regulamentação da guarda dos “pets” e o respectivo equilíbrio do convívio com seus tutores.

Harmoniza-se, assim, com base na analogia ao instituto da guarda de humanos, o bem-estar dos animais – os quais são assegurados constitucionalmente – aos interesses daqueles que tanto amor ainda possuem para dar e receber.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Leia nesta mesma edição do Espaço Vital:

STJ nega habeas corpus a dois bois ameaçados de morte


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Anderson C. Porto

O aprisionamento de ladrões de galinha

 

O aprisionamento de ladrões de galinha

Jamais me deixei impressionar pela jurisprudência de tribunais constituídos politicamente, na alcova da vida de tanta gente que simplesmente não presta”. Artigo de Roberto Wanderley Nogueira, juiz federal em Recife (PE).

A fábula da leitoa

“Economicamente, o outrora terceiro Estado do país se assemelha a uma leitoa recém parida, que agoniza devido uma zoonose fatal”. O jornalista aposentado Sérgio Becker faz, em sucinto texto, análise sobre a crise que assola o Estado do RS. E alerta sobre a garfada nos depósitos judiciais.

Ética de advogados e juízes

Há deveres comuns aos dois encargos como, por exemplo, o amor ao trabalho, a pontualidade, a urbanidade, a honestidade. Quanto à pontualidade, os advogados são ciosos de que não podem dormir no ponto. Já relativamente aos juízes, nem sempre compreendem que devem ser atentos aos prazos”.
Artigo de João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado.

Em nome do equilíbrio

Em artigo sobre desdobramentos após o recente suicídio do reitor da UFSC, o desembargador Odson Cardoso Filho, presidente da Associação dos Magistrados Catarinenses escreve: “Nada mais perverso para a democracia do que tolher a independência do juiz”.

Honorários advocatícios na reforma trabalhista

“O artigo 791-A prevê ao advogado, ainda que atue em causa própria, o pagamento de honorários de sucumbência sobre o valor que resultar da liquidação da sentença, do proveito econômico obtido, ou, não sendo possível mensurá-lo, sobre o valor atualizado da causa”.  Artigo dos advogados Gabriel Cintra e Mylena Devezas Souza.