Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 21 Julho de 2017

O Código Civil de 2002 chegou atrasado



O STF concluiu na quarta-feira (10) o julgamento que discutiu a equiparação entre cônjuge e companheiro, para fins de sucessão, inclusive em uniões homoafetivas. A decisão foi proferida em duas ações - com repercussão geral reconhecida – uma das quais oriunda de Porto Alegre. Os ministros declararam inconstitucional o artigo 1.790 do Código Civil, que estabelece diferenças entre a participação do companheiro e do cônjuge na sucessão dos bens.

Um dos casos (RE nº 878694, Minas Gerais) trata de união de casal heteroafetivo; o outro (RE nº 646721, que é o caso gaúcho), aborda sucessão em uma relação homoafetiva.

A conclusão do Supremo foi de que não existe elemento de discriminação que justifique o tratamento diferenciado entre cônjuge e companheiro estabelecido pelo Código Civil, estendendo esses efeitos independentemente de orientação sexual.

Prevaleceram os votos do ministro Luís Roberto Barroso, que sustentou que o STF já equiparou as uniões homoafetivas às uniões convencionais. Após a Constituição de 1988 foram editadas duas leis (nºs 8.971/1994 e 9.278/1996), que equipararam os regimes jurídicos sucessórios do casamento e da união estável.

O Código Civil que entrou em vigor em 2003, porém alterou o quadro. Segundo Barroso, o CCB foi fruto de reiterados debates realizados nos anos 70 e 80, anterior a várias questões que se colocaram na sociedade posteriormente. “Portanto, o Código Civil é de 2002, mas ele chegou atrasado relativamente às questões de família” - afirmou

Para o ministro, “o Código Civil desequiparou o casamento e as uniões estáveis, promoveu um retrocesso e estabeleceu uma hierarquização entre as famílias - que a Constituição não admite”.

Segundo os dois votos de Barroso, “o artigo 1.790 do Código Civil pode ser considerado inconstitucional porque viola princípios como a igualdade, dignidade da pessoa humana, proporcionalidade e a vedação ao retrocesso”.

O artigo inconstitucional

A decisão do STF derrubou o seguinte texto do Código Civil Brasileiro:

Art. 1.790. A companheira ou o companheiro participará da sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, nas condições seguintes:

I - se concorrer com filhos comuns, terá direito a uma quota equivalente à que por lei for atribuída ao filho;

II - se concorrer com descendentes só do autor da herança, tocar-lhe-á a metade do que couber a cada um daqueles;

III - se concorrer com outros parentes sucessíveis, terá direito a um terço da herança”.

O que passa a valer

Para o fim de repercussão geral nas futuras decisões judiciais em casos semelhantes, foi aprovada a seguinte tese: “No sistema constitucional vigente é inconstitucional a diferenciação de regime sucessório entre cônjuges e companheiros devendo ser aplicado em ambos os casos o regime estabelecido no artigo 1829 do Código Civil”.

O mencionado artigo 1829 do Código Civil estabelece que a sucessão legítima defere-se na ordem seguinte:

I - aos descendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente, salvo se casado este com o falecido no regime da comunhão universal, ou no da separação obrigatória de bens (art. 1.640, parágrafo único); ou se, no regime da comunhão parcial, o autor da herança não houver deixado bens particulares;

II - aos ascendentes, em concorrência com o cônjuge;

III - ao cônjuge sobrevivente.


Comentários

Charles Reis - Serventuário 15.05.17 | 16:07:06
O STF já sujou no art. 226, § 3º; então tudo o quem vem após é de uma extrema "baboseira". Aquele pessoal que,não são juízes, mas sim ministros ou como sabemos, indicados políticos deve ser expurgado de lá.
Irani Leal Ferreirair - Advogada E Servidora Pública 12.05.17 | 10:57:24
Estou muito feliz com essa decisão! Finalmente, a Justiça foi aplicada. Parabéns, STF!
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Vaquejada constitucional!...

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, em segundo turno, a chamada PEC da Vaquejada, que acaba com os entraves jurídicos para a realização dessa atividade no Brasil.

Constitucionalidade, ou não, de honorários sucumbenciais a advogados públicos

A Corte Especial do TRF-4 decidirá se é constitucional o artigo 85, parágrafo 19º, do CPC. Segundo o julgado na ação que gerou a arguição de inconstitucionalidade, "o preceito legal contém vício formal, tendo em vista que só o chefe do Executivo de cada esfera de governo pode disciplinar a remuneração de seus agentes".

STF libera a remuneração acima do teto

Segundo a tese com repercussão geral aprovada por 10 x 1 votos, “nos casos autorizados, constitucionalmente, de acumulação de cargos, empregos e funções, a incidência do artigo 37, inciso XI, da Constituição Federal, pressupõe consideração de cada um dos vínculos formalizados, afastada a observância do teto remuneratório quanto ao somatório dos ganhos do agente público”.

Foro privilegiado no Brasil: provavelmente o maior do mundo

Comprovadamente, ele é mais amplo que em 20 países. Nos EUA, nem o presidente Donald Trump tem o benefício. No Judiciário e Ministério Público brasileiros, 34.600 pessoas também têm direito à benesse.