Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

Ajuris elogia Herman Benjamin e critica Gilmar Mendes



A Ajuris - Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul divulgou ontem (8) nota assinada por seu presidente, Gilberto Schäfer, em que elogia o desempenho do ministro Herman Benjamin no TSE e critica a atuação do presidente da corte, ministro Gilmar Mendes.

O comunicado refere que Benjamin tem agido de forma independente e respeitosa. E compara que Mendes atenta contra os deveres do cargo.

O paraibano Benjamin, de 1982 a 2006 foi membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Promotor de justiça de 1983 a 1994, quando foi promovido ao cargo de procurador de justiça.

Integrou, de 1988 a 1990, a comissão de juristas que redigiu o Código de Defesa do Consumidor; e de 1996 a 1998 foi relator-geral da comissão de juristas no Ministério da Justiça responsável pelo projeto da Lei dos Crimes contra o Meio Ambiente. Foi nomeado ministro do STJ em 2006.

O mato-grossense Gilmar Ferreira Mendes é um jurista, magistrado, professor e ex-advogado brasileiro. É ministro do STF, desde 20 de junho de 2002, tendo presidido a corte entre 2008 e 2010. Foi indicado pelo então Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, em cujo governo exercera o cargo de advogado-geral da União desde janeiro de 2000.

Foi considerado pela Revista Época “um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009”.

Nota pública da Ajuris

Herman Benjamin enobrece a magistratura

A atuação do ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Herman Benjamin enobrece a magistratura e o Poder Judiciário. No julgamento da chapa Dilma/Temer, o ministro tem agido de forma independente, respeitosa, demonstrando apurada capacidade técnica e ética.

Essa postura deve servir de exemplo também ao presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, que de modo desrespeitoso com os demais ministros atenta contra os deveres do cargo.

No atual cenário de insegurança política e de ausência de confiança da nação brasileira nos governantes, esperamos que a forma de atuação do ministro Benjamin sirva de exemplo a todos os membros das instituições, seja no Judiciário, Legislativo ou Executivo. A postura do ministro condiz com o que se espera dos membros dos Tribunais Superiores e representa a magistratura brasileira”.


Comentários

Pedro Lagomarcino - Advogado 09.06.17 | 12:56:34
Meus parabéns ao Presidente da AJURIS, Dr. Gilberto Schäfer, pela coragem, em tempos, deveras difíceis, senão sombrios, no TSE e no STF, por publicar esta nota. Como estudioso do Direito, atesto que leio e acompanho há anos os posicionamentos e a carreira do ministro Herman Benjamin. Trata-se de um jurista e de um ministro de escol, que não apenas enobrece, mas que é verdadeiro exemplo à magistratura, em seu total exercício.
Joao Jeronimo Rego Das Neves - Advogado 09.06.17 | 10:45:48
Ao meu ver, as interferências de Gilmar, embora constituam importantes momentos para a defesa de Michel Temer, além de amiúdes, são inoportunas e deseducadas.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Roupa suja se lava em casa, ou no tribunal...

Depois do enfrentamento verbal Barroso x Gilmar no STF, agora as farpas são trocadas, por escrito, no TST entre o presidente Ives Gandra Martins Filho e o vice Emmanuel Pereira.

Dois magistrados do Trabalho aposentados compulsoriamente

Decisão do CNJ alcança o ex-corregedor-geral do TRT-14 (RO) Vulmar de Araújo Coêlho Júnior e o juiz Domingos Sávio Gomes dos Santos. Mas por uma aberração legal brasileira, eles continuarão recebendo seus salários.

Um “agrado” para 37 mil autoridades

Sobe o índice de congestionamento do Judiciário brasileiro. Entrementes, o julgamento do fim do foro privilegiado perde espaço no STF e pode ficar para 2018. Ou para 2019...