Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 21 Julho de 2017

Escritórios coligados registrarão advogados como empregados



Terminou em acordo assinado anteontem (21), na 3ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, a ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho contra os escritórios associados J.P. Leal Advogados Sociedade de Serviços e Leal Advogados Sociedade de Serviços.

Os pedidos do MPT eram dois: 1) que os todos os profissionais, inclusive advogados, que atuam nas duas bancas coligadas fossem registrados como empregados, sob pena de multa; 2) indenização por dano moral coletivo, no valor de R$ 200 mil.

Os escritórios advocatícios se comprometeram a “em caráter definitivo, registrar como empregados todos os profissionais, inclusive advogados, que lhes prestam serviços com subordinação, pessoalidade, onerosidade e não eventualidade”.

As duas bancas advocatícias pagarão como indenização pelo dano moral coletivo a cifra de R$ 10 mil.

Seguem tramitando individualmente diversas ações de advogados contra os dois escritórios. Outras demandas foram extintas em decorrência de acordos individuais com os advogados reclamantes que receberam, cada um, em média R$ 30 mil.

Leia a íntegra do acordo celebrado com o MPT

ATA DE AUDIÊNCIA

PROCESSO: 0020859-36.2016.5.04.0003

AUTOR: MPT4 - Ministério Público do Trabalho da 4ª Região

RÉU: J P LEAL ADVOGADOS S/S

Em 21 de junho de 2017, na sala de sessões da MM. 3ª VARA DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE/RS, sob a direção do Exmo. Juiz VINICIUS DANIEL PETRY, realizou-se audiência relativa ao processo identificado em epígrafe. Às 15h25min, aberta a audiência, foram, de ordem do Exmo. Juiz do Trabalho, apregoadas as partes.

Presente o autor, pela Procuradora, Dra. Juliana Horlle Pereira.

Presente o preposto do(a) réu(s) J P LEAL ADVOGADOS S/S, Dr. João Paulo Leal, acompanhado do advogado Dr.Flavio Rossignolo Londero, OAB nº 55221/RS.

Presente o réu LEAL ADVOGADOS S/S, pela Dra. Ângela Leal, acompanhado do advogado Dr. Flavio Rossignolo Londero, OAB nº 55221/RS.

CONCILIAÇÃO: mediante quitação geral da inicial , assumem as demandadas , a partir da homologação do presente acordo, e em caráter definitivo a seguinte obrigação: registrar como empregados todos os profissionais, inclusive advogados, que lhes prestam serviços com subordinação, pessoalidade, onerosidade e não eventualidade (CLT , art 2º e 3º).

Ajusta-se o prazo de 90 dias contados da homologação do acordo para adequação das sociedades aos seus termos.

DA MULTA COMINATÓRIA. O inadimplemento da obrigação fixada anteriormente sujeitará a infratora ao

pagamento de multa cominatória de R$ 5.000,00 por mês e por empregado em situação irregular. O valor da multa será corrigido pelos índices aplicáveis aos créditos trabalhistas em geral e em caso de incidência reverterá ao Fundo de Direitos Difusos.

DANO MORAL COLETIVO. Convenciona-se o pagamento pelas rés, solidariamente, de indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 10.000,00, no prazo de trinta dias da homologação do acordo, em favor do Fundo de Direitos Difusos, com comprovação nos autos.

O JUÍZO HOMOLOGA. Comprovado o pagamento referente ao dano moral, arquivem-se os autos. Informado o descumprimento, desarquive-se o feito e notifique-se a reclamada para comprovar o tempestivo pagamento da parcela vencida do acordo, no prazo de cinco dias.

Verificado o descumprimento ou no silêncio, a reclamada já se considera citada. Cientes os presentes. Ata juntada em audiência, que é encerrada às 15h41min.

Vinicius Daniel Petry, juiz do Trabalho.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nova contribuição sindical

Dentro e fora do governo a conversa sobre a regulamentação de um processo de votação dentro das empresas:  os trabalhadores aprovariam, ou rejeitariam, o pagamento de uma nova anuidade para a entidade que os representa.

Mudanças que Temer promete fazer na reforma trabalhista, depois de aprovada

Sete itens seriam alterados por meio de uma medida provisória. São eles: trabalho intermitente; jornada 12x36; presença dos sindicatos nas negociações coletivas; proteção para gestantes e lactantes; não limitação de valores nas indenizações por dano moral; regra de transição para o fim do imposto sindical; trabalho autônomo sem exclusividade.