Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 21 Julho de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_12.jpg

Leilão judicial de duas galinhas avaliadas em R$ 65



 

 Leilão de galinhas

Acredite, se quiser! Não houve licitantes na alienação judicial de duas galinhas, em Gurupi (TO). Ambas as aves, “de penas pretas, mas com penagem vermelha no pescoço”, foram a leilão forense, sem êxito, duas vezes, para saldar uma dívida. A juíza do caso, que corre no Juizado Especial, definiu então que a melhor solução para o caso será a adjudicação ou a execução particular, prevista no novo Código de Processo Civil.

A dívida restante é de R$ 51,94 e está sendo cobrada desde outubro de 2013, decorrente de um anterior empréstimo de R$ 146.

Celebrado acordo, a devedora só conseguiu pagar R$ 94,30. A executada apresentou os dois galináceos à penhora, avaliados judicialmente em R$ 65,00. (Proc. nº 5010078-69.2013.827.2722).

  O pé do Pezão

O secretário da Fazenda do RS e deputado federal Giovani Batista Feltes (PMDB) foi absolvido, pela 1ª Turma do STF, da acusação de prática de crime de responsabilidade quando exercia o cargo de prefeito de Campo Bom (RS). Na acusação penal, consta que o então prefeito mandou construir, às expensas do erário, em 2004, uma escultura metálica na praça central da cidade intitulada “O pé”.

Custo, à época: R$ 45 mil.

O político Feltes sempre foi conhecido na região pelo apelido de “Pezão”.

O Ministério Público apontou uso de recursos públicos para promoção pessoal, enquadrando-o no Decreto Lei nº 201/1967, relativo ao crime de responsabilidade de prefeitos e vereadores. Na norma é prevista o crime de apropriação de bens ou rendas públicas em proveito próprio, com pena de dois a doze anos de reclusão.

O relator Luiz Fux acolheu o posicionamento do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pela absolvição, entendendo não se configurar a ocorrência de crime: “O emprego da verba pública, embora constitua ato vedado pelo Direito Administrativo, não se enquadra no tipo penal que exige a apropriação privada de bens ou verbas públicas, implicando enriquecimento financeiro ilícito do agente ou de terceiros”.

Janot sustentou que “a conduta de Feltes maculou os princípios da moralidade e impessoalidade administrativa, mas a lesividade do ato não se deu em grau suficiente para atrair a atuação do direito penal. São suficientes ao caso as sanções cíveis já alcançadas em ação popular e aquelas perseguidas em ação de improbidade administrativa ainda em curso”.(AP nº 921).

  O “direito” de bater...

Pesquisa feita com operários de canteiros de obras do Estado do Rio de Janeiro, pelo Seconci-Rio, teve resultado impactante, revelado esta semana pelo jornalista Ancelmo Gois: “40% deles acham justificável agredir fisicamente uma mulher quando ela trai; 22% quando ela não se veste adequadamente; e 15% quando ela não cuida bem dos filhos”. E 60% conhecem um homem que foi violento com a parceira.

Tem mais: 70% dos trabalhadores entrevistados acham que a Lei Maria da Penha “é geralmente injusta e não pegou”!...

 Fraude trabalhista

A empresa de transportes e logística Gafor S.A. não conseguiu, em recurso para o Tribunal Superior do Trabalho, comprovar que mantinha, com um motorista, relação apenas comercial, e não de emprego. A companhia tentava reverter decisão do TRT gaúcho que a condenou ao pagamento de verbas trabalhistas, por entender que havia vínculo de emprego.

A defesa da Gafor se baseou na Lei nº 11.442/2007, afirmando que a relação jurídica entre a empresa e o motorista era de natureza comercial e que a competência para julgar ações relativas a contratos desse tipo é da Justiça Comum.

A prova revelou que o motorista trabalhou como empregado durante dois anos na empresa e, um dia após sua dispensa sem justa causa, adquiriu da empresa um caminhão, financiado pela própria Gafor. Após a aquisição, assinou contrato de prestação de serviços com a transportadora que o dispensara recentemente.

Foi confirmado do TRT da 4ª Região (RS) que entendeu que “a relação existente entre a Gafor e o motorista era de emprego”, e que “a existência de contrato de trabalho anterior e a aquisição do caminhão na mesma data da extinção do contrato evidenciam a fraude aos direitos trabalhistas, já que o motorista continuou exercendo as mesmas funções”. (Proc. nº 1364-73.2012.5.04.0802).


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Projeto de lei institui no RS o Dia Estadual do Frango e do Ovo

• Deputado gaúcho conclama que “a carne de frango e os ovos são alimentos de alto valor proteico e nutricional, essenciais no combate à desnutrição”. A comemoração seria na segunda sexta-feira de agosto, todos os anos.

 Parlamentares brasileiros negociam, em causa própria, a aprovação de um novo Refis, com perdão de até 99% das dívidas tributárias e previdenciárias.

 Pérola financeira do deputado Vicente Cândido (PT-SP): a criação de um fundo público para financiamento de campanhas eleitorais correspondente a 0,5% da receita líquida da União. Uma torneira de R$ 5,9 bilhões.

Vergonhoso projeto de lei: a abertura aos partidos políticos da venda de vagas para a imunidade

·      Deputado federal Vicente Cândido (PT-SP) quer um adendo na reforma política: impedir a prisão de presumíveis candidatos até oito meses antes das eleições.

·      Receita Federal estuda abocanhar parte dos R$ 4.377 do “auxílio-moradia”.

·      OAB não poderá interferir em núcleos universitários de práticas jurídicas.

·      O crescente mercado das tornozeleiras eletrônicas.

·      Não cabe à OAB regulamentar regras sobre o funcionamento de núcleos de prática jurídica para estagiários.

Lula: o “chefe da quadrilha”, ou “o cara”?...

• Depois dos elogios de Obama em abril de 2009, agora o afago é de Evo Morales: “Ao irmão Lula da Silva, o nosso apoio”.

• Quinze anos após chegar à Presidência pelo voto dos mais pobres, a condenação por se corromper pelo dinheiro dos ricos.

• Dependendo de quem for o próximo presidente, não haverá passagem de faixa presidencial; a troca será de tornozeleira eletrônica.

O Congresso que rouba, investiga e absolve!

 Uma frase de Millor Fernandes, dita em 2011, continua atualizadíssima, seis anos depois.

  55.402 brasileiros abandonaram oficialmente o País em três anos.

 Ibope afere a força da Chapecoense: mais seguidores do que Fluminense e Botafogo somados.

Afinal, mudanças na escolha dos ministros do STF

• Mandato de dez anos, proibida a recondução. Lista tríplice a ser enviada ao presidente da República será formada por um colegiado de sete pessoas (sem políticos), do qual fará parte o presidente do CF-OAB.

•  Eduardo Cunha perde ação contra O Globo.

 Jeitinho na Câmara para mexer na delação premiada.

 Depois do “Fora Temer”, uma novidade: “Fora, Rodrigo Maia”.

Planos de saúde querem abocanhar ainda mais

 Depois de elegerem 29 deputados federais e três senadores - e terem lucro com salto de 66% em 2016 - operadoras atuam no Congresso com três objetivos: menor regulação do setor, desvinculação do CDC e redução dos itens de cobertura.

 Membros do MP e magistrados também passarão por detector de metais.

 Quem deve ir para a cadeia: Lula ou Temer? Veja o que uma pesquisa apurou.

 Escritórios de advocacia devem recolher imposto sobre serviços (ISS) com base em valor fixo anual, estabelecido de acordo com o número de profissionais, e não sobre o faturamento bruto mensal