Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Se Deus colocou Temer na Presidência, por que diabos Ele fez isso com a gente?



Chargista Duke

Imagem da Matéria

 

 Coisa de Deus?

Michel Temer disse no seu pronunciamento, de seu orgulho de ser presidente: “Para mim é algo tocante, é algo que não sei como Deus me colocou aqui”.

A rádio-corredor da OAB nacional, em Brasília, não perdeu a oportunidade para repercutir uma imediata postagem do jornalista Tutty Vasques‏ nas redes sociais: “Se foi mesmo Deus que pôs Temer na Presidência, resta uma pergunta: por que diabos Ele fez isso com a gente, caramba?”

  Prova lícita ou ilícita

Gravado pelo dono da JBS, o presidente da República sustentou, em meio ao palavrório, que “o fruto dessa conversa é uma prova ilícita”.

E sugeriu: “Basta recomendar a leitura do artigo 5º, inciso 56, onde está dito expressamente como direito fundamental que não se pode admitir provas ilícitas”.

O dispositivo constitucional mencionado por Temer não afirma que uma gravação sem anuência do interlocutor é ilícita. A Constituição estabelece que provas obtidas por meios ilícitos são inadmissíveis.

Na denúncia, o procurador geral da República Rodrigo Janot lista sete decisões recentes do STF que admitem como prova “gravações ambientais realizadas por um dos interlocutores, sem o conhecimento do outro”.

  Manchetes brasileiras

Michel Temer foi o personagem da semana, nas capas de vários jornais brasileiros. Algumas delas:

* “Há provas do que houve no porão do Jaburu”;

* “Mesmo enredo de governos em queda”;

* “Temer se destrói pelas próprias lambanças”;

* "A volta da marca de outro presidente apeado do poder”;

* "Temer recorre a truques e foge de respostas”;

* “Moralmente o governo já acabou”;

* “O tudo ou nada de Temer”.

Alheio às manchetes, o presidente da República disse, em “manifestação esclarecedora” (?) que “sob o foco jurídico, a minha preocupação é mínima”. Admitiu também ter sido visitado, tarde da noite, fora da agenda oficial, pelo empresário Joesley Batista.

E pretendeu justificar: “Recebi o maior produtor de proteína animal do país, senão do mundo, do mundo”.

Detalhe: o notório deputado Paulo Maluf (PP-SP) foi o único que defendeu Temer na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

  Este é o nível

Retrato brasileiro: de dia deputado; à noite presidiário. Condenado a 6 anos de prisão por falsificação, o deputado federal carioca Celso Jacob (PMDB) – preso no início deste mês, após o trânsito em julgado no STF - cumpre pena no regime semiaberto.

O ilícito ocorreu em 2003, quando ele era prefeito de Três Rios (RJ), onde ao sancionar e publicar uma lei, acrescentou um artigo que não tinha sido aprovado pela Câmara de Vereadores.

Por decisão do juiz Valter André de Lima Bueno Araújo, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, anteontem (28), o deputado Celso continuará exercendo o mandato na Câmara Federal.

Esta se encarregará de “comprovar a efetiva presença do deputado no seu gabinete e sessões da Câmara”...

A propósito de padrão brasiliense, esta semana, enquanto aguardavam a chegada da denúncia de Janot à Câmara, os deputados federais se ocuparam de outras coisas. Entre elas, regulamentaram “os serviços de tosa e banho de cães e gatos realizados em estabelecimentos comerciais”.


Comentários

Gilberto Pereira - Multifuncional 30.06.17 | 11:25:23
Temer está mais enrolado que jacaré nas "argolas" da sucuri. Quer limpar a cara usando soda cáustica.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Dinheiro que ia para o bunker de Geddel era contado na casa da mãe dele

• Cédulas eram apresentadas, em regra, em envelopes pardos e as somas giravam de R$ 50 mil a 100 mil.
• “Rádio-corredor” da OAB baiana não perdeu o tempo para a piada: “Casa-de-Mãe Joana”.
• Enxaguante bucal como arma em briga de importante casal.
• Campanha para melhorar a imagem de Temer nos meios femininos.

Contas do Brasil têm gastos com larvas, aves marinhas e condimentos picantes

• O País tem dívidas vencidas no exterior de mais de R$ 1 bilhão.  Os credores são organismos globais – a ONU é a principal, com mais de 20% do total.
• “Feirão do Joesley” vende um apartamento de R$ 45 milhões em New York.
• Bunker de Geddel tinha cédulas de numeração recente.
• Uma ação do “sobrinho vagabundo” contra a tia que não foi convidada para o casamento.

O “João” que virou “Joana” e os novos conceitos sexuais e de gênero

• O caso do “homem grávido” do EUA é invocado em julgado gaúcho, ao deferir o pedido de cidadã (ão) porto-alegrense.
• Ex-presidente do Inter notifica conselheiros do clube contra “o agir temerário em afronta a direitos elementares”.
• Menos vereadores em município paulista: uma ideia para estimular a diminuição de políticos, Brasil afora.

O chumbo grosso que vai ganhando trânsito livre

• Populações que seriam atingidas pelas obras da Votorantim e da multinacional Iamgold obtêm apoio do comediante Guri de Uruguaiana. Em alerta, ele se declara “a favor do Pampa limpo, sem a mineração de metais pesados”.
• Pesquisa traça o perfil do “candidato ideal” (?) para suceder Temer.
• Empresa líder do mercado de comércio eletrônico na França perde ação no JEC Cível de Porto Alegre.
• Sérgio Moro vai palestrar na Petrobras.

Super Natal antecipado para os magistrados de... Natal (RN)

• Liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio, do STF, garante para cada um dos 218 integrantes da Justiça estadual potiguar, pelo menos R$ 194 mil. São “auxílios-moradia” retroativos a 2012.
• Só 9,2% dos brasileiros se sentem representados pelo atual governo.
• 2017: o ano da (in) segurança no RS.
• A máscara para o ´halloween´ comprada por Temer