Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 20 Outubro de 2017

A subversão da lógica do sistema legal consumerista



Arte de Camila Adamoli sobre ilustração do chargista BIER

Imagem da Matéria

Por Dionísio Renz Birnfeld, advogado (OAB-RS nº 48.200).
dionísio@benckesirangelo.com.br

A Lei nº 9.656/98 – a chamada Lei dos Planos de Saúde -, que está sob “ameaça” de ser alterada, quando entrou em vigor em 1998 ampliou significativamente as coberturas obrigatórias dos chamados planos de saúde individuais e familiares.

Essa lei passou a estabelecer critérios para entrada, funcionamento e saída de operação de empresas no setor; discriminou os padrões de cobertura e de qualidade da assistência; e transferiu para o Poder Executivo Federal a responsabilidade pela regulação da atividade econômica das operadoras de saúde e da assistência à saúde por elas prestada e o dever de fiscalização do cumprimento das normas vigentes.

Ainda, definiu os atributos essenciais e específicos dos planos de saúde que servem de referência para todos os contratos. Citado expressamente na Lei nº 9.656/98, o Plano Referência é o modelo mínimo de cobertura a ser oferecida pelos planos de saúde. Assim, existe uma cobertura mínima prevista no diploma legal, de acordo com o seu artigo 10.

Já o § 4º do artigo 10 remete à Medida Provisória nº 2.177-44/2001, que fixa a amplitude das coberturas, remetendo ao rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS.

Pode-se dizer que a atual Lei dos Planos de Saúde é bastante protetiva do consumidor/usuário e bastante abrangente no que se refere às coberturas.

Ao que parece, é esse quadro favorável ao consumidor que as operadoras e seguradoras querem desfazer, por meio de inegável lobby junto ao Poder Legislativo, forçando alterações na lei que retirem direitos dos consumidores dos planos e seguros de saúde e, obviamente, aumentando os ganhos financeiros das empresas.

Em boa hora veio o manifesto de entidades como a OAB nacional, o Idec e a Abrasco e a OAB nacional, denunciando que a reforma legal atenderia aos interesses somente das operadoras.

Retirar a aplicação do Código de Defesa do Consumidor dos contratos de planos e seguros de saúde seria subverter toda a lógica do sistema legal consumerista brasileiro, uma vez que não há fundamento jurídico algum para se apagar a primazia da realidade (o contratante é um consumidor, sim, e as operadoras e seguradoras são fornecedoras) por meio de uma manobra que só atende aos interesses da parte mais forte da relação.

Não se pode deixar de rebater, ainda, a alegação de que se os planos e seguros – após a alteração legal - não forem bons, não haverá demanda por eles. Ora, é inegável que os consumidores continuarão contratando os planos e seguros de saúde, mesmo os menos protetivos, pois não se há de aceitar que preferirão ficar à mercê do Sistema Único de Saúde – SUS.

Em adição, o argumento do desequilíbrio financeiro parece ser falacioso, pois são as operadoras e seguradoras que estabelecem os preços dos seus serviços e produtos e, inclusive, impõe, sabidamente, achatamento na remuneração de médicos, laboratórios, clínicas, hospitais e outros prestadores de serviços e fornecedores.

Enfim, é de todo recomendável que a sociedade fique alerta à tentativa de alteração da Lei dos Planos de Saúde. As mudanças poderão ser altamente prejudiciais ao consumidor.


Comentários

Virginia Barbagli - Advogada 04.07.17 | 11:59:27
Meu plano de saúde sobe mais de 19% ao ano e nada posso fazer. O que adianta estar alerta? Eles farão o que quiserem com esse legisladores venais que ai estão. É só os donos dos planos pagarem e terão a lei que os interessa!
Eliel Valesio Karkles - Advogado 04.07.17 | 11:01:49
A mudança pode ser ruim. Mas algo é necessário mudar. E deve mudar. Hoje, qualquer pessoa que tenha uma vida regrada, pratique exercício, tenha uma dieta saudável, um IMC (índice de massa corporal) dentro do razoável, faz o pagamento da mesma forma que aquele não está nem aí para a saúde. Enfim todos são prejudicados, já que encarece o plano. SUGESTÃO: Que o plano fosse caro... E pudesse dar descontos para aqueles que cuidassem da saúde com exame periódicos.
Carlos Thomaz ávila Albornoz - Advogado 04.07.17 | 10:57:29
Parabéns Dionísio, excelente a análise. Seria algo inconcebível outra capitulação que não a de "relação de consumo" à existente entre as Operadoras de Planos de Saúde e seus clientes, muitas transformados em vítimas. Mesmo com a incidência do CDC são a parte fraca da relação. Todavia, neste "país tropical", não é de se duvidar que possam as operadoras atingir seu objetivo, mormente porque as agências reguladoras quase sempre se comportam como um "alter ego" daqueles a quem favorecem.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A nova lei da terceirização e a reforma trabalhista

Não há que se confundir a intermediação de mão de obra com a legítima e efetiva terceirização de serviços, viabilizada por uma pessoa jurídica de direito privado a terceiros”. Artigo de Ricardo Souza Calcini.

A tartaruga forense que morde

Demoras em processos na Justiça do Trabalho. “Entre uma sentença boa e uma sentença rápida, a maioria dos cidadãos e advogados, na qual me incluo, escolheria a primeira. Intolerável não é a espera: é o Estado-juiz usar sua própria morosidade para negar à parte o exercício de um direito”. Artigo do advogado Henrique Júdice Magalhães.

Os juízes aplicarão a lei da reforma trabalhista?

Em artigo - que intitulou como “De papagaio e juízes” - o presidente da Anamatra, magistrado Guilherme Feliciano, esclarece sobre a futura aplicação e interpretação da lei que entra em vigor em 11.11.2017. “Ela é indiscutivelmente polêmica, repleta de preceitos que contrariam a Constituição e as convenções e tratados internacionais vigentes no território brasileiro”.

Anderson C. Porto

O aprisionamento de ladrões de galinha

 

O aprisionamento de ladrões de galinha

Jamais me deixei impressionar pela jurisprudência de tribunais constituídos politicamente, na alcova da vida de tanta gente que simplesmente não presta”. Artigo de Roberto Wanderley Nogueira, juiz federal em Recife (PE).

A fábula da leitoa

“Economicamente, o outrora terceiro Estado do país se assemelha a uma leitoa recém parida, que agoniza devido uma zoonose fatal”. O jornalista aposentado Sérgio Becker faz, em sucinto texto, análise sobre a crise que assola o Estado do RS. E alerta sobre a garfada nos depósitos judiciais.