Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Planos de saúde querem abocanhar ainda mais



Arte de Camila Adamoli sobre charge de Cicero Lopes

Imagem da Matéria

 Saúde só para as elites

Mais de 1,5 milhão de brasileiros deixaram de ter plano de saúde no ano passado. Mesmo assim, em sentido inverso à crise e ao desemprego, as operadoras aumentaram seus ganhos: a receita do setor subiu 12% e o lucro teve um salto de 66% no mesmo período.

Nos planos individuais – sujeitos ao Código de Defesa do Consumidor e que são regulados pela Agência Nacional da Saúde – a alta foi de 13,55%.

Para abocanhar ainda mais o “bom-bocado” - a pretexto de que enfrenta “uma escalada de custos médicos e hospitalares” – as operadoras atuam agora nos bastidores do Congresso com três objetivos: menor regulação do setor, desvinculação do CDC e redução dos itens de cobertura.

Vexado com o jeitinho que começa a ser dado para que as operadoras de planos de saúde cresçam ainda mais suas asas, o Instituto de Defesa do Consumidor divulga dados instigantes. É que a proximidade das operadoras com parlamentares pode ser vista também sob o seguinte aspecto flagrado pelo IDEC: “Os planos de saúde investiram oficialmente – conforme registro no Tribunal Superior Eleitoral – R$ 54,9 milhões, o que contribuiu para eleger 29 deputados federais e três senadores”.

A propósito, para Leandro Fonseca da Silva, diretor-presidente da ANS, “a tendência é que os planos de saúde se tornem serviços de elite”.

E segundo José Cecchin, diretor-executivo da Fenasaúde (que congrega 23 grandes empresas do setor), “o resultado positivo de 2016 (R$ 6 bilhões e 460 milhões) foi influenciado por ganhos obtidos com a aplicação financeira das reservas obrigatórias exigidas pela ANS”.

Detalhe: Cecchin é ex-ministro da Previdência. Atuou no segundo governo de FHC.

 

 Questão de isonomia

O Pleno do TJ do Espírito Santo definiu que, doravante, além dos advogados, também promotores e magistrados deverão cumprir a medida de submeterem-se à revista. Ficam excluídos da exigência os servidores públicos com crachá.

A decisão do Pleno altera a Resolução nº 14/2017 aprovada pelo próprio colegiado no dia 15 de maio. Desde então, todas as pessoas que ingressavam nos prédios da Justiça do Espírito Santo eram obrigadas a passar pelo detector de metais, além de ter seus pertences revistados pela segurança dos fóruns e tribunal.

Os critérios para revista foram imediatamente questionados pela Seccional da OAB, que criticou o artigo 4º da resolução, que estabelecia que não passariam pelo detector de metais os magistrados e servidores “que possuam lotação ou sede de seus cargos e funções na respectiva dependência do Poder Judiciário", assim como os agentes de segurança do local, integrantes de missão policial e escolta de presos.

A OAB-ES também questionou a permissão - dada a magistrados e membros do MP com porte de arma - de não serem revistados.

A nova medida agora adotada pelo TJ-ES segue as diretrizes impostas pela Resolução nº 176/2013 do CNJ que estabelece a instalação de detectores de metal e a obrigação de todos passarem pelo aparelho, “exceto os integrantes de missão policial, a escolta de presos e os agentes ou inspetores de segurança próprios".

 

 Quem vai para a cadeia?

Pelas denúncias que foram apuradas até agora, você acha que há motivos para Lula e Temer serem presos?

A empresa Instituto Paraná Pesquisas questionou, de tal forma, 2.192 brasileiros na semana passada.

Lula saiu-se menos mal: 1.360 querem que seu destino seja a carceragem em Curitiba; Temer cravou 1.753. E 1.556 acham que os dois devem ter o mesmo destino.

 Tributo diferenciado

Escritórios de advocacia devem recolher imposto sobre serviços (ISS) com base em valor fixo anual, estabelecido de acordo com o número de profissionais, e não sobre o faturamento bruto mensal.

Decisão do TRF da 3ª Região manteve sentença que proibiu o Município de Campo Grande (MS) de cobrar o imposto de 5% sobre o faturamento.

O caso teve início em 2009, quando a OAB de Mato Grosso do Sul criticou a forma de incidência do tributo que vinha sendo exigida pela prefeitura da capital, “contrariando as regras do Decreto-lei nº 406/68, sobre as normas gerais do ISS”.

O julgado afina com precedentes do STJ: “a sociedade civil prestadora de serviços e trabalhos advocatícios tem direito ao benefício fixado pelo artigo 9º, § 3º, do Decreto-Lei nº 406/68, por não ter caráter empresarial”. (Proc. nº 0008614-02.2009.4.03.6000).


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Depois de 17 anos, o nocaute de Paulo Maluf

 Entre o início da investigação (1990) sobre o desvio de recursos da obra da Avenida Roberto Marinho, em São Paulo (SP) - e a ordem de prisão expedida na última terça-feira (19) pelo Supremo - passaram-se 6.200 dias.
 Duas ações penais para atravancar (ainda mais) o STF: uma sobre virgindade; a outra sobre vagabundagem.
 PT instrui militantes sobre “maneira educada” de entupir as caixas de e-mails do TRF-4.
 Um reencontro em fevereiro: equipe do Espaço Vital entra em férias.

“Extras” garantem a 71% dos juízes ganhos habituais acima do teto

• O Estado gaúcho é o oitavo melhor pagador da magistratura, na relação de 26 Estados pesquisados.
• As benesses começaram com a Loman, assegurando uma “ajuda de custo, para moradia, nas comarcas em que não houver residência oficial para juiz, exceto nas capitais”.
• Ex-presidente do STF, Carlos Ayres Britto, diz que há uma “claraboia” nesse teto.
• Direito de pergunta: por que professores e PMs não recebem “auxílio-moradia”?

Brasileira estudante de Direito faz aborto na Colômbia

• O dilema da mãe de dois meninos – e com nova gestação avançando – enquanto a Justiça brasileira não decidia.
Rebeca Mendes Silva (foto) teve apoio da ONG Consórcio Latinoamericano contra o Aborto Inseguro.
• A próxima decisão do STF sobre a prisão, ou não, logo após a condenação de segunda instância.
• Sérgio Cabral: pastor de igreja, ou ladrão? Qual os leitores preferem?
• Procuram-se políticos honestos para uma festa do amigo secreto, em Brasília.

Natal generoso para várias dezenas de magistrados gaúchos

•TJRS está pagando novas “diferenças residuais da transição da URV”, cuja conta já custou ao Estado mais de R$ 1,4 bilhão.
• Decisão da Justiça de SC mantém o pagamento do imposto sindical.
• Universitários (as) e estagiários (as) cuidem-se! Entre eles, 12% nunca usam, nem exigem, a camisinha.
• Dois desembargadores do TRT-RS habilitados à vaga de ministro do TST.

Março ou abril: as datas em que Lula poderá ser condenado ou absolvido pelo TRF-4

• Voto pronto já saiu do gabinete de Gebran Neto e agora está, criptografado, no notebook de Leandro Paulsen.
• Lembram daquela história do “usufruto financeiro” de Eduardo Cunha? Vai custar a ele R$ 3,8 milhões de multa.
• O silêncio domina, dez meses e meio de depois da morte de Teori Zawascki.
• Mudança na jurisprudência da ação de cobrança de quotas condominiais.