Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 15 de junho de 2018.

Vício em jogos eletrônicos passará a ser tratado como distúrbio psiquiátrico



Atividades de lazer favoritas de boa parte dos jovens do Brasil e do mundo, os videogames e demais jogos eletrônicos estão agora na mira das autoridades sanitárias internacionais. Pressionada por médicos e acadêmicos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) deverá passar a classificar o vício em games como um transtorno psiquiátrico.

A proposta está em discussão nos comitês que cuidam da revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID), manual publicado pela OMS que traz a definição e os códigos das patologias e que serve de parâmetro para o trabalho de médicos de todo o mundo.

A 11ª edição do documento já está sendo elaborada e deverá ser lançada no próximo ano. Sua versão preliminar lista o transtorno do jogo (ou “gaming disorder”, em inglês) como distúrbio psiquiátrico. Hoje, por não ser reconhecido como doença, esse tipo de comportamento é classificado no grupo de “outros transtornos de hábitos e impulsos”.

O tema começou a ser discutido em 2014 após centros da OMS, médicos e acadêmicos expressarem preocupação sobre possíveis implicações à saúde associadas à prática excessiva de jogos

O distúrbio dos jogos eletrônicos tem características diferentes do transtorno conhecido como jogo patológico, doença já incluída na versão atual da CID caracterizada pelo vício em jogos de azar com apostas em dinheiro, como bingos, cassinos e caça-níqueis.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

As novas formas de censura à imprensa

O jeito que a Igreja Universal para tentar condenar jornalistas que escreveram sobre o patrimônio da congregação religiosa. A advogada Taís Gasparian posicionou-se contra o chamado ‘direito ao esquecimento’, justificativa para que se retirem da internet notícias já publicadas. “É importante para a história e para o futuro que se preservem até os erros”.