Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017

Aventuras de um juiz aposentado



Por João Baptista Herkenhoff, juiz de Direito aposentado (ES), palestrante e escritor.
E-mail: jbpherkenhoff@gmail.com

Quando, depois de aposentado como juiz, também como professor me aposentei, fui tomado por uma crise de identidade.

O vazio manifestou-se forte quando tive de preencher a ficha de entrada num hotel.

Que profissão vou colocar aqui? Pensei alto. Se estava aposentado na magistratura e no magistério, nem como juiz, nem como professor poderia me definir.

"Ser ou não ser", eis a questão. Shakespeare, pela boca de Hamlet, percebeu a tragédia humana antes de Freud.

Ah, sim. Já sei. E escrevi na ficha do hotel, resolutamente: “Professor itinerante”.

Não que já fosse um verdadeiro professor itinerante. Estava mal e mal começando a jornada. Entretanto, essa autodefinição marcou no meu espírito uma mudança radical e fixei ali um itinerário de vida pós-aposentadoria.

Fiel a este projeto, tenho andado por aí a semear ideias. Não importa muito o valor real dessas ideias. Relevante é que a semeadura seja feita com alegria, espírito reto e boa vontade.

As pessoas idosas não têm o direito de guardar para si a experiência que a vida proporcionou. Segundo o filósofo inglês Alfred Whitehead, a experiência não é para guardar. É preciso que alguma coisa façamos com ela.

A aposentadoria pode não implicar em encerramento de atividades, mas apenas na redução de compromissos exigentes. São múltiplas as novas experiências possíveis. Que cada um encontre seu caminho. Que a sociedade não cometa o desatino de desprezar a sabedoria dos mais velhos.

De minha parte, falando aqui e ali, em congressos, seminários e cursos, vou sorvendo a aposentadoria. Sigo o conselho de Guimarães Rosa: "Viver é perigoso. A aventura é obrigatória".

>>>>>>>>>>
Saite: www.palestrantededireito.com.br


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O obscuro teto salarial dos servidores

Editorial do jornal O Globo

O fato de mais de 70% dos juízes e desembargadores terem recebido salários acima do limite chama a atenção para a falta de clareza na remuneração do funcionalismo”

Isenção de custas na execução de honorários é lei

Artigo de Ricardo Breier, presidente da OAB-RS. 

“Não é demasiado frisar que a lei estadual (RS) está em vigor há mais de dois meses. Ela é uma conquista para todos os advogados. E lei é para ser cumprida”. Artigo de Ricardo Breier, presidente da OAB-RS.

Charge publicada originalmente no saite Humor Político

Celso de Mello, o fofo

 

Celso de Mello, o fofo

Em artigo na revista Ela, encartada pelo jornal O Globo no domingo (17), a jornalista Danuza Leão discorre sobre os 11 ministros do STF. Menciona um empate com cinco e meio votos para cada lado. “Há um muito bom, mas vaidoso” (...) “duas são mulheres mas demonstram certa fragilidade” (...) “um é modesto, fechado e tímido”. Leia para identificar cada um deles.

Charge de Gerson Kauer

A greve dos estagiários: a justiça nunca mais será a mesma!

 

A greve dos estagiários: a justiça nunca mais será a mesma!

“Sonhem, por um minuto, e visualizem um país com uma paralisação ampla e geral dos estagiários. Seria o caos. Não haveria sentenças, acórdãos, pareceres, contratos de licitação. Quantas senhas se perderiam? Quantos documentos públicos não seriam assinados? Os escritórios de advocacia também seriam duramente atingidos”. Artigo de Lenio Luiz Streck, professor e advogado,  ex-procurador de justiça (RS).

O processo eletrônico e a transferência de serviços ao advogado

“No ´pacote´ que se oferece aos profissionais da advocacia vem embutido um autêntico ´presente de grego”.  São tarefas que seriam atribuições de um já existente contingente de servidores devidamente habilitados - e remunerados - para exercê-las." Artigo de Edmar Luiz de Oliveira Fabrício.