Ir para o conteúdo principal

Terça -feira, 15 Agosto de 2017

Aventuras de um juiz aposentado



Por João Baptista Herkenhoff, juiz de Direito aposentado (ES), palestrante e escritor.
E-mail: jbpherkenhoff@gmail.com

Quando, depois de aposentado como juiz, também como professor me aposentei, fui tomado por uma crise de identidade.

O vazio manifestou-se forte quando tive de preencher a ficha de entrada num hotel.

Que profissão vou colocar aqui? Pensei alto. Se estava aposentado na magistratura e no magistério, nem como juiz, nem como professor poderia me definir.

"Ser ou não ser", eis a questão. Shakespeare, pela boca de Hamlet, percebeu a tragédia humana antes de Freud.

Ah, sim. Já sei. E escrevi na ficha do hotel, resolutamente: “Professor itinerante”.

Não que já fosse um verdadeiro professor itinerante. Estava mal e mal começando a jornada. Entretanto, essa autodefinição marcou no meu espírito uma mudança radical e fixei ali um itinerário de vida pós-aposentadoria.

Fiel a este projeto, tenho andado por aí a semear ideias. Não importa muito o valor real dessas ideias. Relevante é que a semeadura seja feita com alegria, espírito reto e boa vontade.

As pessoas idosas não têm o direito de guardar para si a experiência que a vida proporcionou. Segundo o filósofo inglês Alfred Whitehead, a experiência não é para guardar. É preciso que alguma coisa façamos com ela.

A aposentadoria pode não implicar em encerramento de atividades, mas apenas na redução de compromissos exigentes. São múltiplas as novas experiências possíveis. Que cada um encontre seu caminho. Que a sociedade não cometa o desatino de desprezar a sabedoria dos mais velhos.

De minha parte, falando aqui e ali, em congressos, seminários e cursos, vou sorvendo a aposentadoria. Sigo o conselho de Guimarães Rosa: "Viver é perigoso. A aventura é obrigatória".

>>>>>>>>>>
Saite: www.palestrantededireito.com.br


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

O “prazo dobrado” no Código de Processo Civil

 

O “prazo dobrado” no Código de Processo Civil

Nem todos os advogados se deram conta das alterações em relação ao CPC/73. Logo, infelizmente, muitos prazos estão sendo perdidos. O advogado e professor Daniel Ustárroz, interpretando o artigo 228 do NCPC observa: “É recomendável extrema cautela na utilização do prazo em dobro, porquanto é observada uma nítida tendência em direção à sua extinção no dia-a-dia forense”.

Mais de 1 milhão de advogados comprometidos com o futuro do país

Celebramos hoje mais um 11 de agosto. A representação da advocacia brasileira já proporcionou mais mudanças no combate à corrupção do que qualquer instituição civil brasileira”. Artigo de Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB

O novo preparo recursal na Justiça do Trabalho

A mais importante modificação é a flexibilidade no pagamento do preparo recursal pelas empresas”. Artigo de Ricardo Souza Calcini, assessor de desembargador e professor da Escola Judicial no TRT-SP.

Gerson Kauer

Da cabeça de juiz ninguém sabe o que vem

 

Da cabeça de juiz ninguém sabe o que vem

Advogado gaúcho faz levantamento sobre sentenças desconstituídas na Justiça Estadual do RS e tece considerações sobre “o ilimitado livre convencimento do magistrado”. E conclama a Corregedoria a que esteja de olho em casos de assessorcracia e estagiariocracia. “O processo já é lento por si só e não precisa de outras ´ajudas´ para demorar mais...” – escreve Carlos Andrades Kadziola (OAB-RS nº 97.100).