Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 20 Outubro de 2017

Aventuras de um juiz aposentado



Por João Baptista Herkenhoff, juiz de Direito aposentado (ES), palestrante e escritor.
E-mail: jbpherkenhoff@gmail.com

Quando, depois de aposentado como juiz, também como professor me aposentei, fui tomado por uma crise de identidade.

O vazio manifestou-se forte quando tive de preencher a ficha de entrada num hotel.

Que profissão vou colocar aqui? Pensei alto. Se estava aposentado na magistratura e no magistério, nem como juiz, nem como professor poderia me definir.

"Ser ou não ser", eis a questão. Shakespeare, pela boca de Hamlet, percebeu a tragédia humana antes de Freud.

Ah, sim. Já sei. E escrevi na ficha do hotel, resolutamente: “Professor itinerante”.

Não que já fosse um verdadeiro professor itinerante. Estava mal e mal começando a jornada. Entretanto, essa autodefinição marcou no meu espírito uma mudança radical e fixei ali um itinerário de vida pós-aposentadoria.

Fiel a este projeto, tenho andado por aí a semear ideias. Não importa muito o valor real dessas ideias. Relevante é que a semeadura seja feita com alegria, espírito reto e boa vontade.

As pessoas idosas não têm o direito de guardar para si a experiência que a vida proporcionou. Segundo o filósofo inglês Alfred Whitehead, a experiência não é para guardar. É preciso que alguma coisa façamos com ela.

A aposentadoria pode não implicar em encerramento de atividades, mas apenas na redução de compromissos exigentes. São múltiplas as novas experiências possíveis. Que cada um encontre seu caminho. Que a sociedade não cometa o desatino de desprezar a sabedoria dos mais velhos.

De minha parte, falando aqui e ali, em congressos, seminários e cursos, vou sorvendo a aposentadoria. Sigo o conselho de Guimarães Rosa: "Viver é perigoso. A aventura é obrigatória".

>>>>>>>>>>
Saite: www.palestrantededireito.com.br


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A nova lei da terceirização e a reforma trabalhista

Não há que se confundir a intermediação de mão de obra com a legítima e efetiva terceirização de serviços, viabilizada por uma pessoa jurídica de direito privado a terceiros”. Artigo de Ricardo Souza Calcini.

A tartaruga forense que morde

Demoras em processos na Justiça do Trabalho. “Entre uma sentença boa e uma sentença rápida, a maioria dos cidadãos e advogados, na qual me incluo, escolheria a primeira. Intolerável não é a espera: é o Estado-juiz usar sua própria morosidade para negar à parte o exercício de um direito”. Artigo do advogado Henrique Júdice Magalhães.

Os juízes aplicarão a lei da reforma trabalhista?

Em artigo - que intitulou como “De papagaio e juízes” - o presidente da Anamatra, magistrado Guilherme Feliciano, esclarece sobre a futura aplicação e interpretação da lei que entra em vigor em 11.11.2017. “Ela é indiscutivelmente polêmica, repleta de preceitos que contrariam a Constituição e as convenções e tratados internacionais vigentes no território brasileiro”.

Anderson C. Porto

O aprisionamento de ladrões de galinha

 

O aprisionamento de ladrões de galinha

Jamais me deixei impressionar pela jurisprudência de tribunais constituídos politicamente, na alcova da vida de tanta gente que simplesmente não presta”. Artigo de Roberto Wanderley Nogueira, juiz federal em Recife (PE).

A fábula da leitoa

“Economicamente, o outrora terceiro Estado do país se assemelha a uma leitoa recém parida, que agoniza devido uma zoonose fatal”. O jornalista aposentado Sérgio Becker faz, em sucinto texto, análise sobre a crise que assola o Estado do RS. E alerta sobre a garfada nos depósitos judiciais.