Ir para o conteúdo principal

Edição de Terça-feira, 24 de abril de 2018.

Homem que alegava "namorico moderno" será julgado por feminicídio



A 1ª Câmara Criminal do TJRS manteve, por unanimidade, a qualificadora de feminicídio em processo no qual um homem é acusado de matar a ex-namorada. A decisão transitou em julgado.

O crime ocorreu em Santo Ângelo (RS). Segundo a denúncia o réu Maurício Schneider, em 8 de maio de 2015, usando uma arma de fogo com numeração raspada, disparou contra a ex-namorada (Carmela Almiron Nunes), no meio da rua. Eles saíram de carro para conversar e se envolveram em um acidente.

O casal discutiu e ela saiu do veículo, correndo em direção à casa de outra vítima. Neste momento, Maurício fez os disparos e fugiu. Três mulheres foram atingidas, mas a ex-namorada foi levada ao hospital e morreu 13 dias depois. A motivação do crime seria porque o homem não aceitava o fim do relacionamento.

Em sua defesa, o denunciado alega que “não houve feminicídio, já que a vítima e ele não teriam convivido em união estável” e pediu que esta qualificadora fosse afastada.

No interrogatório, o acusado havia afirmado que “mantínhamos aquele namorico moderno, um pouco na casa de um, um pouco na casa do outro”.

O relator do recurso, desembargador Honório Gonçalves da Silva Neto, afirmou em seu voto que o próprio recorrente esclareceu que, logo após o início do namoro, já foram morar juntos. Os filhos da vítima também confirmaram o relacionamento.

De acordo com o relatório, o homem não se conformou que a vítima iria a um casamento sozinha. Esta foi a razão para o início da discussão que terminou na morte da mulher.

Segundo o julgado, o crime de feminicídio ficou caracterizado. Conforme a Lei Maria da Penha, “configura violência doméstica familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial em qualquer relação íntima de afeto, na qual o agressor conviva ou tenha convivido com a ofendida, independentemente de coabitação” – menciona o acórdão. (Proc. nº 70072173396 – com informações do TJRS e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Condenação de advogada pelo crime de estelionato

Ela já tem, contra si, duas sentenças de procedência de ações penais, embora sem trânsito em julgado. É ré de 12 ações, todas na mesma comarca. Para obstar a sequência do “modus operandi”, juiz aplicou a pena de suspensão do exercício profissional, a ser fiscalizada pela OAB.

Embargos infringentes só quando há dois votos a favor do réu

Plenário do STF definiu, por 6 votos a 5, que esse tipo de recurso só é cabível se dois dos cinco ministros de cada turma julgarem a favor do acusado em ação penal. Mas Paulo Maluf teve assegurada sua prisão domiciliar em função da idade avançada e de sua alegada “saúde precária”.