Ir para o conteúdo principal

Edição de Terça-feira, 24 de abril de 2018.

Liminar do STF suspende execução da pena contra ex-prefeito gaúcho



O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, concedeu liminar em habeas corpus, suspendendo a execução provisória da pena restritiva de direitos do ex-prefeito de Dois Irmãos das Missões (RS) Edison de Alencar Hermel, determinada por decisão monocrática do STJ. O relator verificou a presença dos requisitos para a concessão da medida cautelar: plausibilidade jurídica das alegações (fumus boni iuris) e perigo de demora da decisão (periculum in mora).

Hermel foi condenado pelo juízo da Vara Criminal de Seberi (RS) a dois anos e oito meses de reclusão, substituída pelo pagamento de cinco salários mínimos e prestação de serviços à comunidade, pela prática do crime de falsidade ideológica, juntamente com outros corréus, em razão de fraudes em resultados de concursos públicos realizados para o preenchimento de cargos da administração municipal.

Ao rejeitar recurso especial do ex-prefeito, o STJ - acolhendo pedido do Ministério Público Federal - determinou a remessa da cópia dos autos ao juízo de primeira instância, a fim de que procedesse à execução provisória da pena imposta.

Segundo o ministro Ricardo Lewandowski, o artigo 147 da Lei de Execuções Penais (Lei nº 7.210/1984) determina que a pena restritiva de direitos será aplicada somente após o trânsito em julgado da sentença penal condenatória. Além disso, Lewandowski observou que o magistrado de primeira instância garantiu, expressamente, na sentença, o direito de o condenado apelar em liberdade.

O relator verificou ainda que o Ministério Público do RS não apelou ao TJ gaúcho contra tal determinação. Ressaltou que, ao analisar o recurso de apelação da defesa, a Corte estadual também não determinou o início do cumprimento da condenação.

“Dessa forma, entendo, em tese, que não cabe ao STJ, analisando recurso interposto pela defesa, prejudicar a situação do réu e determinando o início do cumprimento da pena, antes de transitar em julgado estando, notadamente, ausentes os requisitos do artigo 312 do Código de Processo Penal” – salientou Lewandowski.

O ministro também pontuou que a decisão do STF (recurso extraordinário com agravo nº 964246), com repercussão geral, no sentido de que “é possível a execução provisória do acórdão penal condenatório proferido em grau recursal, mesmo que estejam pendentes recursos aos tribunais superiores, não tratou especificamente de execução provisória de pena restritiva de direito, mas sim de pena privativa de liberdade”.

O habeas foi impetrado pela advogada Anamaria Prates Barroso. (HC nº 144908 – com informações do STF e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Condenação de advogada pelo crime de estelionato

Ela já tem, contra si, duas sentenças de procedência de ações penais, embora sem trânsito em julgado. É ré de 12 ações, todas na mesma comarca. Para obstar a sequência do “modus operandi”, juiz aplicou a pena de suspensão do exercício profissional, a ser fiscalizada pela OAB.

Embargos infringentes só quando há dois votos a favor do réu

Plenário do STF definiu, por 6 votos a 5, que esse tipo de recurso só é cabível se dois dos cinco ministros de cada turma julgarem a favor do acusado em ação penal. Mas Paulo Maluf teve assegurada sua prisão domiciliar em função da idade avançada e de sua alegada “saúde precária”.