Ir para o conteúdo principal

Edição de Sexta-feira, 20 de abril de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Afinal, mudanças na escolha dos ministros do STF



  Um STF menos político!

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou na quarta-feira (5), proposta de emenda à Constituição que modifica o processo de escolha dos ministros do STF. Entre outras mudanças, está a fixação de mandato de dez anos e a proibição de recondução ao cargo.

A PEC segue para votação no plenário da Casa. O texto aprovado é um substitutivo da senadora Ana Amélia (PP/RS) à PEC nº 44/12, do senador Cristovam Buarque (PPS/DF), que tramita com outras 11 propostas.

Assim como previsto na PEC nº 44/12, o substitutivo mantém o processo de nomeação dos ministros do STF pelo presidente da República, a partir de uma lista tríplice; a elaboração desta será de iniciativa de um colegiado composto pelos presidentes do STF, do STJ, do TST, do STM, do Conselho Federal da OAB e ainda pelo procurador-Geral da República e pelo defensor público-geral federal.

Esse colegiado terá a missão de elaborar a lista tríplice no prazo de um mês a partir da abertura de vaga no STF. Fica de fora dessa indicação quem, nos quatro anos anteriores, exerceu mandato eletivo federal ou cargo de procurador-geral da República, advogado-geral da União e ministro do Governo Federal. O substitutivo também criou um novo pré-requisito para a indicação: comprovação de 15 anos de atividade jurídica.

Afinal, um feixe de luz clara desponta no fim do túnel da politicagem.

 Cunha perde mais uma

A 2ª Câmara Cível do TJ do Rio negou provimento à apelação e confirmou sentença de improcedência de uma ação por dano moral, ajuizada, em 2013, pelo então ainda deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), contra o jornal O Globo.

O político – atualmente preso em Curitiba - à época dos fatos todo-poderoso, sentiu-se ofendido por uma cirúrgica frase escrita pelo colunista Jorge Bastos Moreno: “Os interesses de Cunha sempre falaram mais alto do que os interesses públicos”.

Lástima que o intimorato jornalista Moreno não tenha ficado sabendo do desfecho. Ele morreu no último dia 14 de junho. (Proc. nº 0307193-34.2013.8.19.0001).

 Jeitinho para aliviar corruptos

Deputados federais preparam mudanças no Código de Processo Penal que vão interferir no trâmite dos acordos de delação premiada. O primeiro objetivo é tirar do MPF o poder de negociar benefícios com os colaboradores, como acontece com sucesso na Laja-Jato.

Os políticos querem que a tarefa fique para o... congestionado Judiciário, onde é possível embaralhar recursos e empurrar para a prescrição.

Atualmente são os membros do Ministério Público que negociam todos os acordos com os investigados. Cabe a juízes, desembargadores e ministros – conforme o caso – apenas homologar, ou não, as delações. Em outra frente, os deputados também querem restringir o uso da condução coercitiva.

O deputado federal Danilo Forte (PSB-CE), presidente da Comissão Especial do Código de Processo Penal, saiu-se com uma explicação perolar, sobre as mudanças da delação premiada: “Vamos fazer modificações para não ter duplicidade de encaminhamento sobre o papel do juízo e do Ministério Público. Promotor tem de fazer a observância da defesa dos interesses do Estado”.

Já! Mais um fora!...

No folclore brasiliense, mais um espirituoso potim, por conta da “rádio-corredor” da OAB de Brasília.

Conta-se que já tem gente pensando no futuro pós-Temer.

O mote será, então, "Fora, Rodrigo Maia!"


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 07.07.17 | 10:58:57

Esta alteração na forma de escolha dos ministro do STF é ótima, que venha com urgência. Vamos acabar com esta indicações políticas e o "aparelhamento" do STF segundo uma corrente ideológica. Reformas já!

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Administradora de condomínios condenada por cobrar juros abusivos

 Condomínio do Edifício Érico Veríssimo receberá, de volta, os valores que lhe foram cobrados a mais. Repetição do indébito envolve rubricas indevidas de COFINS/CSLL/PIS/IR/ISS sobre os serviços auxiliares de administração.

 Uma tentativa de fraude bancária, via WhatsApp alcança colegas do advogado Lenio Streck.

• O cacoete de honorários advocatícios sucumbenciais no percentual mínimo.

 Novas banheiras de hidromassagem para Suas Excelências, os senhores deputados federais.

Espaço especial para a mala do juiz...

•  O que aconteceu quarta, às 10h55, no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, pouco antes da decolagem do voo nº 4156.

•  Porto Alegre é demais: o império dos flanelinhas, nas laterais do Palácio da Justiça.

•  Senador Lasier Martins protocola projeto de lei que autoriza a prisão após a condenação em segunda instância.

• Mais de 44 mil mortos no trânsito brasileiro em 2017

Depois da bagunça de Lula, como seria a prisão de Aécio?

• Tem gente apostando que o julgamento do senador do PSDB, no Supremo, será no dia 1º de abril...

• Como o jornalista gaúcho Fernando Albrecht se recupera da cirurgia de câncer no reto.

• Publicada a norma que estabelece o Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

• Advogado de Lula fica distante de Curitiba na primeira semana de prisão.

Folgas no Supremo são de 88 dias por ano – além dos fins-de-semana

• O acúmulo das pausas dos ministros – incluindo o feriado (!) pela passagem do Dia do Advogado – resulta, afinal, em 196 dias úteis de trabalho anual.

• Em 2017, além das férias regulamentares, 10 ministros protagonizaram 136 faltas justificadas e/ou saídas antecipadas e/ou chegadas com atraso. Rosa Weber, a única que não faltou a qualquer sessão no ano passado.

• Mais um penduricalho chegando: um terço do salário básico para a realização de audiências de custódia.