Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Afinal, mudanças na escolha dos ministros do STF



  Um STF menos político!

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou na quarta-feira (5), proposta de emenda à Constituição que modifica o processo de escolha dos ministros do STF. Entre outras mudanças, está a fixação de mandato de dez anos e a proibição de recondução ao cargo.

A PEC segue para votação no plenário da Casa. O texto aprovado é um substitutivo da senadora Ana Amélia (PP/RS) à PEC nº 44/12, do senador Cristovam Buarque (PPS/DF), que tramita com outras 11 propostas.

Assim como previsto na PEC nº 44/12, o substitutivo mantém o processo de nomeação dos ministros do STF pelo presidente da República, a partir de uma lista tríplice; a elaboração desta será de iniciativa de um colegiado composto pelos presidentes do STF, do STJ, do TST, do STM, do Conselho Federal da OAB e ainda pelo procurador-Geral da República e pelo defensor público-geral federal.

Esse colegiado terá a missão de elaborar a lista tríplice no prazo de um mês a partir da abertura de vaga no STF. Fica de fora dessa indicação quem, nos quatro anos anteriores, exerceu mandato eletivo federal ou cargo de procurador-geral da República, advogado-geral da União e ministro do Governo Federal. O substitutivo também criou um novo pré-requisito para a indicação: comprovação de 15 anos de atividade jurídica.

Afinal, um feixe de luz clara desponta no fim do túnel da politicagem.

 Cunha perde mais uma

A 2ª Câmara Cível do TJ do Rio negou provimento à apelação e confirmou sentença de improcedência de uma ação por dano moral, ajuizada, em 2013, pelo então ainda deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), contra o jornal O Globo.

O político – atualmente preso em Curitiba - à época dos fatos todo-poderoso, sentiu-se ofendido por uma cirúrgica frase escrita pelo colunista Jorge Bastos Moreno: “Os interesses de Cunha sempre falaram mais alto do que os interesses públicos”.

Lástima que o intimorato jornalista Moreno não tenha ficado sabendo do desfecho. Ele morreu no último dia 14 de junho. (Proc. nº 0307193-34.2013.8.19.0001).

 Jeitinho para aliviar corruptos

Deputados federais preparam mudanças no Código de Processo Penal que vão interferir no trâmite dos acordos de delação premiada. O primeiro objetivo é tirar do MPF o poder de negociar benefícios com os colaboradores, como acontece com sucesso na Laja-Jato.

Os políticos querem que a tarefa fique para o... congestionado Judiciário, onde é possível embaralhar recursos e empurrar para a prescrição.

Atualmente são os membros do Ministério Público que negociam todos os acordos com os investigados. Cabe a juízes, desembargadores e ministros – conforme o caso – apenas homologar, ou não, as delações. Em outra frente, os deputados também querem restringir o uso da condução coercitiva.

O deputado federal Danilo Forte (PSB-CE), presidente da Comissão Especial do Código de Processo Penal, saiu-se com uma explicação perolar, sobre as mudanças da delação premiada: “Vamos fazer modificações para não ter duplicidade de encaminhamento sobre o papel do juízo e do Ministério Público. Promotor tem de fazer a observância da defesa dos interesses do Estado”.

Já! Mais um fora!...

No folclore brasiliense, mais um espirituoso potim, por conta da “rádio-corredor” da OAB de Brasília.

Conta-se que já tem gente pensando no futuro pós-Temer.

O mote será, então, "Fora, Rodrigo Maia!"


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 07.07.17 | 10:58:57
Esta alteração na forma de escolha dos ministro do STF é ótima, que venha com urgência. Vamos acabar com esta indicações políticas e o "aparelhamento" do STF segundo uma corrente ideológica. Reformas já!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Depois de 17 anos, o nocaute de Paulo Maluf

 Entre o início da investigação (1990) sobre o desvio de recursos da obra da Avenida Roberto Marinho, em São Paulo (SP) - e a ordem de prisão expedida na última terça-feira (19) pelo Supremo - passaram-se 6.200 dias.
 Duas ações penais para atravancar (ainda mais) o STF: uma sobre virgindade; a outra sobre vagabundagem.
 PT instrui militantes sobre “maneira educada” de entupir as caixas de e-mails do TRF-4.
 Um reencontro em fevereiro: equipe do Espaço Vital entra em férias.

“Extras” garantem a 71% dos juízes ganhos habituais acima do teto

• O Estado gaúcho é o oitavo melhor pagador da magistratura, na relação de 26 Estados pesquisados.
• As benesses começaram com a Loman, assegurando uma “ajuda de custo, para moradia, nas comarcas em que não houver residência oficial para juiz, exceto nas capitais”.
• Ex-presidente do STF, Carlos Ayres Britto, diz que há uma “claraboia” nesse teto.
• Direito de pergunta: por que professores e PMs não recebem “auxílio-moradia”?

Brasileira estudante de Direito faz aborto na Colômbia

• O dilema da mãe de dois meninos – e com nova gestação avançando – enquanto a Justiça brasileira não decidia.
Rebeca Mendes Silva (foto) teve apoio da ONG Consórcio Latinoamericano contra o Aborto Inseguro.
• A próxima decisão do STF sobre a prisão, ou não, logo após a condenação de segunda instância.
• Sérgio Cabral: pastor de igreja, ou ladrão? Qual os leitores preferem?
• Procuram-se políticos honestos para uma festa do amigo secreto, em Brasília.

Natal generoso para várias dezenas de magistrados gaúchos

•TJRS está pagando novas “diferenças residuais da transição da URV”, cuja conta já custou ao Estado mais de R$ 1,4 bilhão.
• Decisão da Justiça de SC mantém o pagamento do imposto sindical.
• Universitários (as) e estagiários (as) cuidem-se! Entre eles, 12% nunca usam, nem exigem, a camisinha.
• Dois desembargadores do TRT-RS habilitados à vaga de ministro do TST.

Março ou abril: as datas em que Lula poderá ser condenado ou absolvido pelo TRF-4

• Voto pronto já saiu do gabinete de Gebran Neto e agora está, criptografado, no notebook de Leandro Paulsen.
• Lembram daquela história do “usufruto financeiro” de Eduardo Cunha? Vai custar a ele R$ 3,8 milhões de multa.
• O silêncio domina, dez meses e meio de depois da morte de Teori Zawascki.
• Mudança na jurisprudência da ação de cobrança de quotas condominiais.