Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 21 Julho de 2017

Assédio no quartel



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A simpática, e recém recrutada, aluna da Brigada Militar concluiu o curso de soldado e foi engajada para servir em média cidade gaúcha. Já nas primeiras jornadas – tanto pela afeição ao trabalho, como por seu rostinho angelical - ela chamou a atenção do seu superior hierárquico.

Nessa conjunção, o tenente começou a favorecer a soldado nas melhores escalas: tinha horário aliviado, ficava no conforto da sala de monitoramento, ficava distante do enfrentamento com bandidos e raramente atuava em uma viatura com ar condicionado.

Não demorou e vieram elogios repetitivos: “Tu estás cada vez mais querida, bonita e gostosa”.

E não faltaram insinuações do tipo “se tu quiseres, podes te transformar no meu anjinho celestial”.

A soldado avisou os colegas mais próximos e o namorado; todos ficaram de olho no tenente. Este, culminou os despropósitos enviando insistentes achegas via celular.

Um dia, o comando do quartel foi informado, abriu-se sindicância interna e o tenente assediador teve formal repressão anotada em seus assentamentos.

Veio então a mudança de atitude. O tenente esqueceu a admiração que tinha pela soldado; mas ela continuou como subordinada dele. Porém, passou a ser escalada para patrulhamentos a pé, principalmente nos dias caniculares. E por aí se foram os despropósitos, até que uma ação por dano moral aportou no fórum.

Ouviram-se testemunhas que, entre outras coisas, afirmaram que “ele é um carrasco”, “já tinha assediado outras”. E assim o juiz sentenciou condenando o tenente e o Estado do RS, solidariamente, ao pagamento de indenização (R$ 15 mil).

Há poucos dias transitou em julgado o acórdão da apelação, que admitiu “demonstrado o assédio moral/sexual perpetrado pelo superior hierárquico da autora, tanto que punido na carreira por comentários indecorosos e descabidos contra a subordinada”.

Na semana passada, começou a fase de cumprimento da sentença. No recinto forense, o militar assediador ganhou um codinome pinçado de um dos adjetivos da prova testemunhal: “o tenente tarado”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge do Kauer

A rifa íntima

 

A rifa íntima

 Ao atender uma possível nova cliente para uma “causa de família”, o advogado porto-alegrense – bem instalado em prédio classe A - se surpreende com a pretensão da chamativa visitante. Ex-gerente de vendas, desempregada, ela agora dedica-se a serviços prestados de cama...

Gerson Kauer

Impasse conjugal

 

Impasse conjugal

O cidadão sofreu grave acidente de trânsito e sua masculinidade foi danificada. O médico assegurou-lhe que a ciência moderna poderia devolver a virilidade, mas que o seguro-saúde não cobriria o procedimento. A esposa teve decisiva participação na decisão.

Gerson Kauer

Primorosa carreira na televisão

 

Primorosa carreira na televisão

Atores e principalmente atrizes que buscavam trabalhos em novelas e programas de tevê passavam por um constrangimento: aceitar, ou não, “fazer nu”. É que “a emissora não aceitava tatuagens, nem marcas na pele”. Depois, vinha um outro tipo de assédio. Antonieta, uma das vítimas, já foi indenizada: R$ 30 mil.

Gerson Kauer

O ilustre e ignorante magistrado

 

O ilustre e ignorante magistrado

O que significam as palavras reproduzidas na charge acima, que o advogado – velha ´raposa´ das lides jurídicas – desfechou, repetidas vezes, contra o juiz que presidia o tribunal do júri?...

Charge de Gerson Kauer

O amor em segredo de justiça

 

O amor em segredo de justiça

Ontem (12), cedo, metade da manhã do Dia dos Namorados, vazou – com coloração gaúcha - nas redes sociais a petição em versos em que um jovem advogado teria declarado o seu amor à nova juíza da comarca.