Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017

Lula e o preconceito



Arte de Camila Adamoli sobre foto Camera Press

Imagem da Matéria

Artigo de Adroaldo Furtado Fabrício, advogado, jurista, ex-presidente do TJRS

Lula, guerreiro do povo brasileiro, protetor dos pobres, amparo dos desassistidos e injustiçados, o melhor Presidente que o País já teve; querido das multidões, novo Getúlio Vargas. Fez tudo o que nenhum antecessor fizera: garantiu a soberania nacional, tornou-se ícone e guru mundial de governos, universidades, políticos, intelectuais e artistas, traçou o modelo de futuros líderes brasileiros e internacionais. Antes desses feitos, nascera e crescera em família paupérrima do mais áspero Nordeste, passara fome e fizera extraordinária escalada social, por meio de trabalho incansável e de uma liderança sindical carismática singular.


Na Presidência, dominara os trezentos picaretas e os outros (poucos) membros do Parlamento; conseguira exercer com vigor e efetividade inéditos a suprema magistratura, onde tantos foram engolidos pelo sistema, pela plutocracia e pela pétrea imobilidade burocrática. Um semideus, enfim, capaz de eleger como sucessor qualquer candidato que apoiasse, para garantir sua volta no quatriênio seguinte e um quarto de século no Poder.
O Brasil evoluiu no seu governo; fez-se justiça social como nunca antes na História deste País; as desigualdades, se não despareceram, foram muito atenuadas. As regiões mais atrasadas ficaram menos distantes das privilegiadas. O povo ficou feliz, sentiu-se no poder (quase usei a horrorosa palavra empoderado, mas ainda não foi desta vez) e mais esperançoso. Enfim, quase o melhor dos mundos, aquele do Dr. Pangloss.

Ou:

Lula, gatuno confesso e despudorado, chefe de quadrilha, ladrão enriquecido no Poder, explorador da imagem de sua falecida esposa, dono de sítios e apartamentos mal-havidos. Totalmente desqualificado para a função pública, exerceu a maior delas mercê da ignorância e atraso do eleitor. Cortejou os ricos, embaiu os pobres e explorou a todos. Mentiu a vida toda e continua mentindo para engrandecer-se e aviar seu sonho de retornar à Presidência; seus únicos objetivos são os político-partidários e os do eniquecimento próprio, da família (a quem também trai) e dos apaniguados (que roubam para ele apara os próprios, mas ele também passa para trás se convier.
Vendeu-se a Cuba, Venezuela, Angola e ao que mais conviesse, além das grandes empresas que o nutriram.
Enfim, um bandido cujo lugar é a cadeia para onde o mandou Sérgio Moro, herói nacional, único juiz honrado, correto e digno do Brasil. Lugar de quadrilheiro é no xilindró, onde deve apodrecer para sempre, segundo o receituário de um certo Deputado (e pré-candidato à mesma Presidência!). Banido da política, onde tantos homens bons podem sofrer a má influência desse monstro asqueroso, nunca mais poderá candidatar-se sequer a vereador em Guaranhuns ou Serra do Cão. Um escarmento indispensável para todos os larápios do erário, que com ele devem dividir a perpétua sombra (se não for possível matá-los a todos) uma cela, de preferência no Carandiru, que a Papuda é moleza.

Ou, ainda:

Lula foi um capítulo a parte na História do Brasil. Cresceu por seus méritos, mas também pisou muitos pescoços e talvez haja compactuado de crimes terríveis, alguns levantados pela Polícia e agora submetidos a Moro (que não é heroi ou vilão, apenas um bom juiz como centenas de juízes anônimos), outros temporariamente ou para sempre desconhecidos.

Como quase todos (atenção: eu disse quase) os que cresceram vindo de baixo e atingiram culminâncias, não estava preparado para tamanho êxito pessoal, nem para as enormes responsabilidades que assumiu. Quebrou a cara como os outros, e quebrou junto a nossa cara, a nossa dignidade de povo pensante e, no medonho processo de degradação, a economia do nosso País, cuja desgraça apenas começa a desenhar-se.

(Alguns que lerem isto, se é que alguém lê, dirão que sou influenciado por origens e preconceitos aristocráticos; pode parecer, mas não é verdade. Nunca fui exatamente pobre, nem de patrimônio nem de espírito, e conquistei com luta e sacrifício meus pequenos triunfos. Batalhei meu lugar no Mundo, habituei-me ao autopoliciamento e à busca permanente do justo. Se erro, é sem malícia ou moldagem deliberada do erro. Os preconceitos que, como todos, infelizmente carrego, não são esses. Perguntem a quem conhece minha biografia).

O que ficou dito nos parágrafos iniciais (as alternativas opostas) é um pouco verdade, um pouco invenção de cabeças enlouquecidas pelo fanatismo e muita buzina da mídia parcializada para lá ou para cá, que informa nas linhas e contrainforma nas entrelinhas. (Não temos a tão decantada Imprensa Livre, assim, com maiúsculas; os veículos pertencem a empedernidos direitistas e os profissionais que lá trabalham são em maioria da gauche, inclusive da mais histérica).

Mais não fazem os jornalões (e os jornaizinhos) do que alimentar essa doida esquizofrenia nacional. É o que vende espaço e anúncios, desgraçadamente. Quem quiser pelo menos aliviar-se dessa nefasta paranoia, já que livrar-se talvez não seja possível, leia tudo – inclusive estes meus palpites escritos como certezas mas recheados de dúvidas – com extrema cautela e aguçado espírito crítico.

Enfim, o momento é terrível e talvez piore logo. Quase tudo o que ficou escrito, parece, não tem muito a ver com o título, mas é daquele réu que estamos falando; por boa ou má intenção, por ignorância ou safadeza, meteu-nos nesta fossa. Sugiro que, antes de dizer que o juiz parcializou-se, ou que a sentença é maravilhosa; que a condenação é muito pesada ou muito leve, ou indevida, procurem inteirar-se, ainda que em resumo, dos fundamentos expostos em mais de duzentas páginas. Não avaliem essa ou qualquer outra decisão (judicial ou alguma outra) apenas pela conclusão simpática ou desagradável ao paladar de quem julga o julgamento. Isso, sim, é preconceito.

Melhor Brasil para nós, é o que posso desejar de coração.
_________________________________________________________________

Leia a íntegra da sentença proferida por Sérgio Moro.


Comentários

Osvaldo Agostinho Dalla Nora - Advogado 17.07.17 | 18:09:01
Gostaria de ver abordado, num enfoque similar, o juiz Moro, que julgou o caso Banestado (que deixou duvidas), de suas ligações (claras) com o PSDB, o mais interessado e mais favorecido com a condenação. Por isso mesmo restou suspeito, pois deveria dar, da inércia do MP ante casos de corrupção que submergiam no decorrer do processo que foram preteridos e que deixaram comentários desairosos pois atingiam os antagonistas do PT, esquecidos ,e do julgamento político que ficou bem claro ao final.
Olinda Fagundes De Paula - Advogada 16.07.17 | 04:48:25
Dr. Adroaldo Furtado, esse malandro nunca foi guerreiro, menos ainda um semideus; foi incapaz de eleger seus filhos; é um mentiroso, parasita, aproveitador e covarde - , que através do sindicato de humildes trabalhadores, os explorava. Ele reunia picaretas como ele; é um homem desprezível, chefe da facção. Somente o apoiam, eleitores desprovidos de “luzes”, ou que levaram vantagem. Lugar de bandidos, é sim na cadeia. Mas, enquanto tivermos um STF político, a bandidagem deita...
Solon Mota E Silva - Advogado 15.07.17 | 17:31:44
Não vou perder tempo lendo sentença de juiz parcial e midiático e narcisista etc... O que sei é que qualquer estudante sabe que só é dono quem tem o imóvel registrado em seu nome ou que realmente exerça esta qualidade etc. Mas o tal tríplex foi rejeitado pela falecida esposa do ex-pres. Lula, e que o tal Leo Pinheiro acuado por condenação criminal e quer diminuir futuras condenações DELATA e afirma algo que pode ser útil a si. A Caixa Federal detêm o mutuo do imóvel,logo...
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O Canal da Nicarágua

“Para os jovens iniciantes, pode haver oportunidades fantásticas. A vida e as profissões jurídicas estão cada vez mais duras; ver adiante pode ser um diferencial decisivo. Aquelas ficções que nos ensinaram na Faculdade (Direito Internacional, o Público e o Privado) serão intensamente aplicadas, discutidas e contestadas”.

A penúltima palavra

O assombroso está em que alguns ministros do STF revelaram uma paixão incompatível com a serenidade esperada e o voto de desempate mais pareceu um voto de empate. Ao contrário do que pensamos todos, a palavra da mais alta Corte de Justiça do País pode ser apenas a penúltima”.

Língua difícil

Pode-se relevar ao homem da rua, ao cidadão mediano, o manejo errôneo da língua. Mas não a quem se serve da escrita  como instrumento de trabalho. E isso se aplica também aos profissionais do foro”.

Carta a um (possível) futuro advogado

“Acho que, sendo uma das mais antigas profissões recomendáveis, a advocacia liberal tende à extinção. Vai-se gradualmente convertendo em uma espécie de SUS judiciário, onde a atividade é restrita e impera uma lei do mais fraco”.

Sorria! Você está sendo caloteado

O uso e abuso dos depósitos judiciais para finalidades diversas daquelas minuciosamente previstas em diploma normativo federal. (...) É o descaso com o direito alheio que leva à tragicomédia do dinheiro em cuecas ou em malas que o gatuno sequer consegue carregar”.

As panelas silenciosas

"Michel Temer parece ter um talento incomum para identificar o que ninguém quer – e fazer exatamente isso. Ele e seu ministério de enrolados esmeram-se em cultivar o desamor do povo, desafiar o mau humor da mídia e afrontar todos os padrões éticos".