Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 20 Outubro de 2017

Tá lá a macaca estendida na Ponte



Por Carlos Josias Menna de Oliveira, advogado e conselheiro do Grêmio

A infelicidade do menino Rafael Thyere de Albuquerque Marques foi insuficiente diante da habilidade de Barrios, O Matador.

Quer concluindo a belíssima jogada de Pedro Rocha, quer batendo um pênalti com perfeição – vocês são testemunhas quantas vezes pedi para ele ser efetivado o cobrador, quer aqui, quer no twitter.

Barrios foi, a meu juízo, a melhor contratação deste Grêmio que hoje vemos dar espetáculo; não só liquida as redes do adversário, goleador nato, como na nossa área dá de patrão tirando com os pés – domingo fez isto – ou com a cabeça, posando de defensor se preciso for.

Mas o time todo esteve bem de novo, Ramiro não bastasse estar em todos os lugares ao mesmo tempo ainda passou com a cabeça a bola que sepultou o jogo.

Pedro Rocha cirúrgico no gol de empate. Jogada de rara habilidade.

Geromel, mais uma vez, foi Geromel, dispensando qualquer outra adjetivação.

Sentimos a ausência de Kannemann, seja quem for o substituto, sempre que ele não estiver presente sentiremos muito a falta dele. Patrão, xerife, líder nato e grande zagueiro, era o atleta que perseguíamos durante anos, para desespero de um reporterzinho teimoso cuja estatura – que não é documento – no caso está à altura do seu intelecto futebolístico. Time todo bem e Renato com a estrela brilhando mais uma vez, o cara que ele põe, Everton, e o cara mata.

Aranha, o homofóbico que acusou e fez chacotas com jornalistas por suposta homossexualidade, em cadeia nacional, foi o Aranha que eu nunca duvidei e sempre opinei o que era: um goleiro médio, apenas, e de caráter duvidoso, cuja lembrança no futebol será limitada a fatos fora de suas atuações.

Sua entrevista no final do jogo foi como ele é, patético. É burro, podia aproveitar a oportunidade para ser elegante, mas ele não sabe o que é isto.

O Corinthians tropeçou. É difícil, mas como disse anteriormente, após vitória contra o Flamengo, estamos no páreo. Nesta roda, a Macaca ficou estendida na Ponte.

Saudações Tricolores!

>>>>>>>>>>

(*) Carlos Josias escreve em Rede de Opinião.

http://rdopiniao.com.br/


Comentários

Sérgio Araújo - Aposentado 18.07.17 | 15:29:31
Já tivera a oportunidade de manifestar-me acerca de publicação veiculada no EV envolvendo o futebol e dissera na ocasião não ser este o palco adequado para manejar tal tema. Agora, repete-se o mesmo assunto chato e inadequado para relevante espaço que, em tese, deve tratar de questões jurídicas. Meu interesse sobre o Grêmio e seus "craques" é zero.
Bernadete Kurtz - Advogada 18.07.17 | 15:25:20
Triste ver o articulista, como se dono da verdade, lançar epítetos: homófico, patético, burro...
Julio Cesar Sanvido - Advogado 18.07.17 | 15:12:48
Tarso Genro, Lenio Streck, Carlos Josias... o Espaço Vital já foi infinitamente melhor.
Mario Capparelli - Engenheiro 18.07.17 | 12:31:54
Sou assinante do EV há muitos anos, mas está começando a ficar chato esses seguidos comentários da turma do pijama de listas azuis... Moderem-se, por favor. Colorado de respeito.
Rafael Bassuino - Advogado 18.07.17 | 12:10:07
Essa agenda do Espaço Vital com notícias e artigos sobre o Grêmio está ficando realmente cansativa. Não bastasse a extravagância do tema, ainda temos de ler os "articulistas" exigindo elegância ao mesmo tempo em que adjetivam com termos como "burro", "patético", etc.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A nova lei da terceirização e a reforma trabalhista

Não há que se confundir a intermediação de mão de obra com a legítima e efetiva terceirização de serviços, viabilizada por uma pessoa jurídica de direito privado a terceiros”. Artigo de Ricardo Souza Calcini.

Os juízes aplicarão a lei da reforma trabalhista?

Em artigo - que intitulou como “De papagaio e juízes” - o presidente da Anamatra, magistrado Guilherme Feliciano, esclarece sobre a futura aplicação e interpretação da lei que entra em vigor em 11.11.2017. “Ela é indiscutivelmente polêmica, repleta de preceitos que contrariam a Constituição e as convenções e tratados internacionais vigentes no território brasileiro”.

A tartaruga forense que morde

Demoras em processos na Justiça do Trabalho. “Entre uma sentença boa e uma sentença rápida, a maioria dos cidadãos e advogados, na qual me incluo, escolheria a primeira. Intolerável não é a espera: é o Estado-juiz usar sua própria morosidade para negar à parte o exercício de um direito”. Artigo do advogado Henrique Júdice Magalhães.

Anderson C. Porto

O aprisionamento de ladrões de galinha

 

O aprisionamento de ladrões de galinha

Jamais me deixei impressionar pela jurisprudência de tribunais constituídos politicamente, na alcova da vida de tanta gente que simplesmente não presta”. Artigo de Roberto Wanderley Nogueira, juiz federal em Recife (PE).

Em nome do equilíbrio

Em artigo sobre desdobramentos após o recente suicídio do reitor da UFSC, o desembargador Odson Cardoso Filho, presidente da Associação dos Magistrados Catarinenses escreve: “Nada mais perverso para a democracia do que tolher a independência do juiz”.