Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Vínculo de emprego entre trabalhador condenado em regime aberto e empresa conveniada



O juiz Flávio Luiz da Costa, da 2ª Vara do Trabalho de Maceió (AL) reconheceu o vínculo de emprego entre um trabalhador que cumpre pena em regime aberto e uma Indústria que atua na fabricação de colchões e espuma. Na reclamação trabalhista, o autor afirmou ter sido demitido sem justa causa, após ter trabalhado na reclamada, de junho de 2015 a janeiro de 2017.

Segundo o reclamante, a empresa Indústria Alagoana de Colchões e Espuma se aproveitou de sua condição de apenado, visto que sua jornada era de nove horas diárias e 45 semanais – o que viola a Lei de Execuções Penais e o convênio realizado com o Estado, que prevê 40 horas.

Na ação, o reclamante também requereu a responsabilidade solidária e subsidiária do Estado de Alagoas, por conta da omissão na fiscalização do contrato de trabalho.

Em sua decisão, o magistrado deferiu 30 dias de aviso prévio indenizado proporcional ao tempo de serviço, concedeu o pagamento das diferenças salariais para o piso da categoria, com repercussão em férias proporcionais, e determinou o pagamento de horas extras e outras verbas rescisórias.

Segundo a sentença, o impedimento de configuração de vínculo empregatício previsto no § 2º da Lei de Execuções Penais (LEP) não se aplica ao preso em regime aberto, pois negar direitos trabalhistas a condenados sujeitos à menor restrição de locomoção, apenas por estar em regime de progressão de pena, atenta contra os direitos sociais, além de revelar prática empresarial discriminatória.

Conforme o julgado, “reconhece-se o vínculo de emprego e, assim, aplica-se a CLT à relação entre o autor e o grupo empresarial, estando presentes a pessoalidade, não-eventualidade, onerosidade e subordinação jurídica, bem como não havendo a exclusão legal que impeça sua formação”.

O magistrado destacou que a doutrina é unânime em defender o trabalho como fim ressocializador da pena privativa de liberdade. Na decisão, enfatizou que a própria LEP tem por objetivo a harmônica integração social do condenado e registrou o seguinte questionamento: “Qual o viés ressocializatório utilizado se houver seu desvio e se marginalizar os direitos trabalhistas?

A sentença também considerou que o juízo penal considerou que o autor possuía antecedentes adequados ou resultado satisfatórios em exames a que foi submetido, bem como indícios de que possui autodisciplina e senso de responsabilidade a estar nesse regime, não sendo da esfera da Justiça do Trabalho desconsiderar isso.

O juiz negou a responsabilidade solidária e/ou subsidiária do Estado.  No ponto, rechaçou as alegações da inicial de que “o Estado não exerceu o papel de agente fiscalizador do cumprimento das regras estabelecidas na lei, bem como teve conhecimento de tudo e nada fez para coibir as irregularidades”.

Conforme a sentença, “o argumento do autor de que o Estado de Alagoas deve ser responsabilizado contradiz a assertiva de que ele não está sujeito à LEP, mas à CLT, em face da regular formação do vínculo de emprego”. Desse modo, concluiu pela improcedência do pedido de responsabilidade do Estado, tanto solidária ou subsidiariamente.

O advogado Soriano Santos Torres atuou em nome do reclamante. (Proc. nº 0000768-08.2016.5.19.0002).

Pedidos deferidos na sentença

a) Reconhecer o vínculo entre autor e réu, determinando as anotações na CTPS do obreiro com os seguintes dados: admissão: 09/06/2015 e saída 05/03/2016; função: auxiliar de produção; salário: Piso da Categoria. As anotações deverão ser realizadas no prazo de dez dias do trânsito em julgado, após o depósito da CTPS pelo autor na Secretaria da Vara e a ciência do Reclamado. Quedando-se inerte a parte ré, efetuem-se as anotações a Secretaria da Vara.

b) aviso-prévio proporcional indenizado (30 dias).

c) indenização substitutiva do 13º salário proporcional de 2015 (06/12) e de 2016 (03/12), devido à projeção do aviso prévio.

d) indenização substitutiva das férias proporcionais de 2016/2017 (09/12), acrescidas de 1/3, devido à projeção do aviso prévio.

e) horas extras, assim consideradas as excedentes da 8ª diária e da 44ª semanal, com o adicional de 50%, pelo labor realizado.

f) Em face da habitualidade, as horas extras devem refletir no aviso-prévio proporcional ao tempo de serviço; 13ºs salários; férias proporcionais com 1/3, no repouso semanal remunerado e no FGTS com 40%.

g) indenização substitutiva do FGTS com a multa de 40% e, ainda, a incidir sob as parcelas de aviso prévio, 13º salário proporcionais e férias proporcionais com 1/3.

h) indenização compensatória equivalente substitutiva no valor que o autor teria direito a receber a título de seguro-desemprego.

i)indenização substitutiva de AJUDA ALIMENTAÇÃO/CESTA BÁSICA, no importe de R$ 30,00 no período de vigência da CCT 2014/2016 e no importe de R$ 35,00 no período de vigência da CCT 2015/2016.

j) multa do art. 477, §8º da CLT.

k) multa do art. 467 da CLT a incidir nas seguintes parcelas de natureza rescisórias: 13º salário proporcional, férias proporcionais com 1/3, multa de 40% do FGTS e aviso-prévio proporcional.

l) pagamento diferenças referentes ao vale-transporte determinado pela Cláusula Décima Sétima da Convenção Coletiva da categoria.

m) indenização no valor de R$ 350,00 como ressarcimento pela compra dos equipamentos de proteção que deveriam ter sido pagas pela 1ª ré.

n) Juros e correção monetária”.


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 28.07.17 | 13:52:02

Ao deferir tais pedidos ao recuperando, isso é um tiro no pé! Vai querer dar qualquer oportunidade de recuperação. Lamentável !

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Bruno Galvão

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

 

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

Caso envolve a relação empregatícia de 20 anos de um trabalhador com a Unimed Federação das Cooperativas. O acórdão do TRT-4 (RS) cassa a exigência de valores líquidos dos pedidos. Julgador lamenta as “últimas várias condenações milionárias de trabalhadores em honorários advocatícios, que são um claro recado para que as pessoas pensem duas vezes antes de entrar com ação na Justiça do Trabalho”.

Danos morais coletivos causados por sindicato contra 1.500 trabalhadores

Cobrança irregular de honorários pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Roraima. A ação de conhecimento, que tramita há 28 anos, trata da classificação de cargos e diferenças salariais. A controvérsia sobre a verba advocatícia é de cerca de R$ 20 milhões.