Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Trabalhador transformado em cobaia humana



A Eurofarma Laboratórios, com sede em Curitiba (PR) indenizará (R$ 50 mil) um vendedor propagandista que foi submetido a “degustações” de medicamentos, inclusive antibióticos, durante reuniões realizadas na empresa. A decisão é do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná.

Admitido pelo laboratório em agosto de 2011, o trabalhador foi dispensado, sem justa causa, em março de 2015.

Durante o contrato, foi obrigado a degustar medicamentos de fabricação da própria empregadora e também os de empresas concorrentes, para que, em sua atividade, em consultórios médicos e farmácias, pudesse indicar as diferenças entre os produtos farmacêuticos.

O acórdão deplora que a Eurofarma “pela adoção de manifesto procedimento aviltante, utilizava-se do empregado como verdadeira cobaia humana”.

Fundada em 1972, a Eurofarma é uma das maiores indústrias farmacêuticas do Brasil. Com capital 100% nacional, é a primeira multinacional farmacêutica do País. Está presente em mais de 20 países e cobre 83% do mercado latino-americano. (Proc. nº 53521-2015-028-09-00-0).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Bruno Galvão

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

 

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

Caso envolve a relação empregatícia de 20 anos de um trabalhador com a Unimed Federação das Cooperativas. O acórdão do TRT-4 (RS) cassa a exigência de valores líquidos dos pedidos. Julgador lamenta as “últimas várias condenações milionárias de trabalhadores em honorários advocatícios, que são um claro recado para que as pessoas pensem duas vezes antes de entrar com ação na Justiça do Trabalho”.

Danos morais coletivos causados por sindicato contra 1.500 trabalhadores

Cobrança irregular de honorários pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Roraima. A ação de conhecimento, que tramita há 28 anos, trata da classificação de cargos e diferenças salariais. A controvérsia sobre a verba advocatícia é de cerca de R$ 20 milhões.