Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Senado e Câmara Federal custam R$ 1,16 milhão por hora aos cidadãos brasileiros



Chargista Ivan Cabral

Imagem da Matéria

O bilionário custo do Legislativo

O Senado e a Câmara dos Deputados, juntos, custam R$ 1,16 milhão por hora aos cidadãos brasileiros, em cada um dos 365 dias do ano. A conclusão é da organização não governamental (ONG) Contas Abertas, divulgada no sábado (29). O custo inclui fins de semana, recessos parlamentares e as segundas e sextas-feiras, quando os parlamentares fazem o vai-e-vem entre Brasília e suas bases eleitorais.

A espantosa cifra também inclui os salários. Cada deputado recebe salário bruto de R$ 33,7 mil - os 513 custam, com seus ´staffs´ e despesas, em média, R$ 86 milhões ao mês. Cada um dos 81 senadores também tem salário bruto de R$ 33,7 mil – e aí se vão, só para eles, R$ 2.729.700 mensais.

Segundo o fundador e secretário-geral da ONG, Gil Castello Branco, o levantamento dá ao cidadão “a dimensão exata de quanto custa nossa representação”. Cada deputado pode ter 25 assessores; um senador chega a 60, inclusive no seu próprio escritório de representação.

A cifra anual de todos os desembolsos, nas duas Casas legislativas, é de R$ 1,016 bi.

Gil Castelo Branco reforça que os abusos, verificáveis em todos os Poderes, têm o aval do presidente Temer. “Os dados do orçamento estão na Lei Orçamentária Anual, sancionada pelo Presidente da República. Temos criticado os 60 dias de férias da magistratura, os penduricalhos, os benefícios fiscais, etc. Quando há um déficit de R$ 139 bilhões e o orçamento da saúde é de R$ 125 bilhões, o natural é que se tente reduzir essas despesas em todos os Poderes.”

Contrapontos

A Agência Brasil solicitou às duas Casas do Congresso que comentassem o levantamento.

A Câmara dos Deputados sustentou que “configura equívoco calcular as despesas a cada hora, com base na mera divisão do valor total de seu orçamento pela quantidade de horas ao longo de um ano, na medida em que a previsão descrita no Orçamento da União abrange despesas relacionadas tanto a custeio quanto a investimento”.

E arrematou que “a partir do raciocínio utilizado, é possível concluir, por exemplo, que o Poder Legislativo custa, por cidadão brasileiro, cerca de meio centavo de real por hora ou R$ 48 por ano”.

A seu turno, o Senado economizou... na resposta.

Em rebate ao levantamento, a argentária Casa se limitou a mencionar que seu “Portal da Transparência foi visitado mais de 743 mil vezes no ano passado – e que o número de acessos subiu 55,1%, em relação a 2015”.

E por aí ficou.

Réplica

O secretário-geral da ONG Contas Abertas rebateu os dois contrapontos.

Disse que “é claro que tem que ser calculado o custeio com os funcionários, água, vigilância, cafezinho, papel, computadores, as obras, os automóveis, a manutenção dos imóveis funcionais. É um cálculo simples. É o orçamento anual das casas dividido por 365” - afirmou.

Assim se calcula o gasto diário. Aritmeticamente correto!

 A cachorrada

Ontem (31) logo depois da repercussão sobre o volume das torneiras financeiras abertas na Câmara e no Senado, uma historinha grassou na “rádio-corredor” do Conselho Federal da OAB. Retrata um suposto encontro informal no Congresso.

Personagens: um engenheiro, um economista, um químico, um analista de T.I.  e um político. Todos acompanhados de seus respectivos cachorros.

Vale a pena ler o enredo, nesta edição do Espaço Vital, o Romance Político que, apropriadamente, nesta terça-feira substitui o habitual Romance Forense.

Leia nesta edição > HABILIDADES DA CACHORRADA


Comentários

Mauro Santolin - Contador 31.07.17 | 16:12:23
Se o custo anual é de R$ 1.016.000.000,00 ou seja, um bilhão e dezesseis milhões, o custo por hora corrida é de +/- R$ 116.000,00, contando 24 horas por dia. Para termos um custo por hora de R$ 1.160.000,00 teríamos um custo anual de R$ 10.160.000.000,00 (dez bilhões, cento e sessenta milhões de reais). Não querendo defender a roubalheira de ninguém.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Dinheiro que ia para o bunker de Geddel era contado na casa da mãe dele

• Cédulas eram apresentadas, em regra, em envelopes pardos e as somas giravam de R$ 50 mil a 100 mil.
• “Rádio-corredor” da OAB baiana não perdeu o tempo para a piada: “Casa-de-Mãe Joana”.
• Enxaguante bucal como arma em briga de importante casal.
• Campanha para melhorar a imagem de Temer nos meios femininos.

Contas do Brasil têm gastos com larvas, aves marinhas e condimentos picantes

• O País tem dívidas vencidas no exterior de mais de R$ 1 bilhão.  Os credores são organismos globais – a ONU é a principal, com mais de 20% do total.
• “Feirão do Joesley” vende um apartamento de R$ 45 milhões em New York.
• Bunker de Geddel tinha cédulas de numeração recente.
• Uma ação do “sobrinho vagabundo” contra a tia que não foi convidada para o casamento.

O “João” que virou “Joana” e os novos conceitos sexuais e de gênero

• O caso do “homem grávido” do EUA é invocado em julgado gaúcho, ao deferir o pedido de cidadã (ão) porto-alegrense.
• Ex-presidente do Inter notifica conselheiros do clube contra “o agir temerário em afronta a direitos elementares”.
• Menos vereadores em município paulista: uma ideia para estimular a diminuição de políticos, Brasil afora.

O chumbo grosso que vai ganhando trânsito livre

• Populações que seriam atingidas pelas obras da Votorantim e da multinacional Iamgold obtêm apoio do comediante Guri de Uruguaiana. Em alerta, ele se declara “a favor do Pampa limpo, sem a mineração de metais pesados”.
• Pesquisa traça o perfil do “candidato ideal” (?) para suceder Temer.
• Empresa líder do mercado de comércio eletrônico na França perde ação no JEC Cível de Porto Alegre.
• Sérgio Moro vai palestrar na Petrobras.

Super Natal antecipado para os magistrados de... Natal (RN)

• Liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio, do STF, garante para cada um dos 218 integrantes da Justiça estadual potiguar, pelo menos R$ 194 mil. São “auxílios-moradia” retroativos a 2012.
• Só 9,2% dos brasileiros se sentem representados pelo atual governo.
• 2017: o ano da (in) segurança no RS.
• A máscara para o ´halloween´ comprada por Temer