Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

Rock´n roll jurídico



Chargista Jarbas

Imagem da Matéria

A 3ª Turma do STJ julga na próxima quinta-feira um recurso da cantora Rita Lee contra decisão do TJ de Sergipe que a condenou a pagar indenização de R$ 5 mil a um policial militar ofendido durante um show em Aracaju, em 28 de janeiro de 2012.

O embrulho começou quando os PMs passaram a revistar frequentadores na plateia.

 No total são sete demandas semelhantes, movidas por 40 PMs – todas julgadas procedentes - obrigando a artista a pagar R$ 5 mil a cada um. Os autores das ações estavam trabalhando na segurança do evento.

Destas ações, só três chegaram ao STJ, onde já há uma decisão definitiva, mantendo a condenação. (AREsp nº 790864).

O acórdão do caso já definido no STJ resume o rolo: “A artista xingou os policiais. Ela também questionou aos PMs se estavam procurando baseado e se queriam um para fumar no palco, além de ter dito ao público que poderiam fumar à vontade, pois os policiais não iriam prender ninguém”.

O acórdão complementa: “A apelante extrapolou seu direito de livre manifestação de pensamento, ofendendo gratuitamente os policiais militares que ali estavam legitimamente, exercendo uma função essencial do Estado”.

(AREsp nº 724602).

Outros detalhes

Um vídeo postado no Youtube mostra a fala de Rita Lee em Aracaju (SE). Cerca de uma hora depois, ao terminar o espetáculo, ela foi presa.

O incidente ocorreu quando a artista mostrou-se inconformada com o modo como a polícia estava tratando o público, revistando pessoas para ver se portavam drogas.

A cantora xingou os policiais de "cachorros" e "f-d-p" e ainda pediu um "baseado" para a plateia.

Veja as imagens no Youtube

"Eu tenho direito de falar, esse chão é meu, esse chão é minha despedida do palco. Não tem que agredir, seus cachorros. Coitado dos cachorros, cafajestes. Vocês estão fazendo de propósito. Eu sou do tempo da ditadura. Vocês pensam que eu tenho medo, porra? Eu sou mulher, tive três filhos, tenho marido. São 67 de idade. O que vocês vão fazer? É isso que vocês querem? Chamar atenção? É horrível, eu tenho paranoia desse tipo de coisa. Por quê? Eu queria saber. Cadê por escrito que vocês têm que fazer isso? Cavalaria aqui não. Não vou esperar, esse show é meu. As pessoas estão esperando eu cantar, não vocês. Seus ´f-d-p´, agora vêm me prender! Por causa de um baseadinho, é isso? Cadê o baseadinho para eu fumar aqui agora?"


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Longa espera em fila de banco é mero dissabor

STJ afasta a incidência de dano moral e confirma improcedência de ação em que cliente do Bradesco buscava reparação após uma hora e 33 minutos de espera pelo atendimento.

Os riscos do excesso de exposição à radiação

Condenação da União, para reparar danos morais sofridos por técnica em radiologia, no Hospital Militar de Porto Alegre.O tempo máximo para operar uma máquina de raio-x, permitido por lei, é de 24 horas semanais.

Charge de Gerson Kauer

Zaffari é condenado por racismo, danos morais e má-fé processual

 

Zaffari é condenado por racismo, danos morais e má-fé processual

Sentença analisa a repressão abusiva de cinco seguranças, contra três adolescentes, na loja supermercadista da Rua Otto Niemeyer, em Porto Alegre: “Exatamente assim, como meros 'neguinhos', pessoas sem importância, adolescentes sem defesa, não humanos, seres invisíveis e sem valor, quando expostos a uma revista desmotivada, humilhante e truculenta".