Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Advogados obtêm a desconsideração da pessoa jurídica em ação contra Marcelinho Carioca



Imagem Torcedores Uol

Imagem da Matéria

A 3ª Turma do STJ determinou a instauração de incidente de desconsideração da personalidade jurídica, em ação judicial em que um escritório de advocacia cobra honorários do ex-jogador de futebol Marcelinho Carioca.

A banca advocatícia paulista L. Coelho & J. Morello Advogados Associados sustenta que Marcelo Pereira Surcin, 45 de idade atual, é sócio oculto de empresa e teria lançado no patrimônio dela todos seus bens, impedindo a execução.

A relatora, ministra Nancy, aplicou o CPC para determinar à Justiça de SP a instauração do incidente, de modo a se estabelecer o contraditório. No recurso, são recorridas as empresas MPF Promoções Comerciais Ltda. (ME) e Divina Inspiração Publicidade e Produções Artísticas Ltda.

O acórdão ainda não foi publicado. (REsp 1.647.362).

Intervenção de terceiros

O novo CPC criou o Incidente de Desconsideração de Personalidade Jurídica estabelecido nos seus arts. 133, e seguintes como uma forma de intervenção de terceiros, tratando-se de litisconsórcio passivo facultativo.

Outra possibilidade criada pelo NCPC é a desconsideração inversa da personalidade jurídica; nesse caso, a pessoa jurídica passa a responder por obrigações que não são originárias suas, mas de seus sócios ou administradores; em outras palavras, o patrimônio da pessoa jurídica é buscado para cumprir a obrigação do sócio devedor.

Referida hipótese já era admitida pela jurisprudência, pois visava combater a utilização indevida do ente societário pelos sócios, o que poderia ocorrer nos casos em que o sócio controlador esvazia o seu patrimônio pessoal e o integraliza na pessoa jurídica.

São legitimados a requerer o incidente as partes envolvidas na ação principal e o Ministério Público, somente quando lhe couber intervir no processo. Não é permitida a instauração de ofício pelo juiz, ressalvado o processo trabalhista, no qual o magistrado tem poderes para iniciar a execução de ofício.

O incidente de desconsideração é cabível em todas as fases do processo de conhecimento, no cumprimento de sentença e na execução fundada em título executivo extrajudicial, sendo que sua instauração suspende o processo.

Por expressa disposição legal, com supedâneo no art. 1.062, NCPC, o incidente de desconsideração da personalidade jurídica aplicar-se-á ao processo de competência dos juizados especiais.

Alguns dados sobre Marcelinho Carioca

• Marcelo Pereira Surcin (Rio de Janeiro, * 31 de dezembro de 1971), ficou conhecido por suas habilidades em cobranças de falta, ganhando o apelido de "Pé-de-Anjo".

 Considerado um dos maiores ídolos da história do Corinthians, Marcelinho marcou 224 gols em 423 partidas entre 1994 e 2001. Além de ser o jogador que mais ganhou troféus com o Corinthians do que qualquer outro atleta em sua história, em dez competições.

• Advindo de família pobre, filho de um gari com uma empregada doméstica, foi descoberto como jogador aos 14 anos de idade no Madureira e levado ao Flamengo, onde ascendeu ao clube profissional em pouquíssimo tempo.

• Aos dezesseis anos, promovido por Telê Santana, substituiu Zico num Fla-Flu; foi a primeira de uma sequência de atuações bem-sucedidas que puseram o atleta como um dos ídolos formados na Gávea. Foi negociado com o Corinthians em 1993.

• Marcelinho tem em sua conta dez títulos em oito anos pelo clube: O Mundial de Clubes da FIFA em 2000, dois títulos do Campeonato Brasileiro de Futebol, uma Copa do Brasil, quatro Campeonatos Paulistas, Copa Bandeirantes de 1994 e Troféu Ramón de Carranza de 1996.

• Por sua extrema habilidade e competência em bolas paradas e pelo seu pequeno pé (calçava chuteiras nº 36), foi apelidado de “Pé de Anjo” por torcedores e jornalistas.  Após diversos títulos, foi vendido, em 1997, para o Valência, da Espanha, por 7 milhões de dólares.

• Como não se adaptou ao Valência e amargou a reserva, Marcelinho quis voltar ao Brasil. Então, o presidente da Federação Paulista de Futebol, Eduardo José Farah, comprou o passe do jogador junto ao Valência. Depois, Farah criou o "Disque Marcelinho", para o qual, ao custo de três reais por telefonema, os torcedores dos quatro maiores clubes do Estado, São Paulo, Palmeiras, Santos e Corinthians, deveriam ligar e escolher o futuro do jogador.

• Após 11 dias da promoção, a imensa e esmagadora maioria corintiana trouxe Marcelinho de volta ao clube. Foram 62,5% das ligações para o Corinthians, 20,3% para o São Paulo, 9,5% para o Santos e 7,7% para o Palmeiras.

• De 1997 a 2000 Marcelinho foi o ídolo maior de um time recheado de estrelas, responsável pela mais vitoriosa temporada do Corinthians. Após uma briga em 2001 com Ricardinho, deixou o clube novamente retornando em fevereiro de 2006, após defender diversos clubes, inclusive estrangeiros, depois de rescindir seu contrato com o Brasiliense.

• Sua terceira passagem pelo Corinthians foi rápida e turbulenta. Marcelinho jogou poucas partidas. A principal delas contra o Internacional (RS), em Porto Alegre, após o que teve o contrato rescindido pelo clube a pedido do então técnico Emerson Leão.

• Em 2003 foi levado por Eurico Miranda para formar ao lado de Marques e Valdir a linha de frente do clube vascaíno, e deu certo, com o título estadual naquele ano, tornando-se o principal jogador do Vasco. Depois esteve no futebol árabe e francês. Após encerrar sua carreira futebolística, foi contratado como comentarista de futebol pela Rede Bandeirantes de Televisão, participando do programa Jogo Aberto e de transmissões de futebol ao vivo.

• Voltou rapidamente aos gramados, jogando menos de um ano pelo Santo André.

• Então filiado ao Partido Socialista Brasileiro (PSB), Marcelinho candidatou-se ao cargo de deputado federal nas eleições de 2010, onde obteve a suplência. Em 2012 concorreu ao cargo de vereador da capital paulista.

• Em 2013, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores com o intuito de ser candidato a deputado estadual nas eleições de 2014. Não se elegeu.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Morre o advogado Mathias Nagelstein

Ele teve sucesso na carreira política, ocupando cargos nos governos de Alceu Collares. Foi também juiz do Tribunal Militar do RS. Sem êxito concorreu em novembro de 2009 às eleições da OAB gaúcha.