Ir para o conteúdo principal

Terça -feira, 15 Agosto de 2017

Coisas de país rico, que o Brasil não é!



A gasolina subiu, mas só quem precisa se preocupar é a população. Políticos não fazem esse tipo de conta.

O Senado Federal, por (mau) exemplo, acabou de assinar um contrato – com validade de 30 meses - de R$ 8,3 milhões para o aluguel de veículos. A cifra inclui também o fornecimento de combustíveis. O ajuste não inclui o fornecimento de motoristas. As informações são da ONG Contas Abertas.

Pelo contrato, a empresa Quality Aluguel de Veículos prestará “serviços de locação de veículos automotores, sem motorista, incluindo manutenção preventiva e corretiva dos veículos, além do fornecimento de combustível, lavagem automotiva, seguros, taxas e impostos”.

Serão 83 automóveis Nissan Sentra e dois New Azera – todos de cor preta. Entre os penduricalhos pagos pelo erário, os veículos terão “película anti-vandalismo nos vidros laterais e traseiro com transparência mínima prevista em lei”. E também “central multimídia tela touch, com rádio integrado com leitor de CD, MP3, GPS, DVD, Bluetooth e USB”.

Na lista de características dos veículos ainda estão bancos com revestimento em couro, encosto de cabeça em todos os bancos dianteiros e traseiros com regulagem de altura, central multimídia e jogo de tapetes emborrachados.

Já os outros dois veículos são do modelo New Azera V6, também nas cor preta. O carro tem potência mínima de 250 CV, direção hidráulica ou elétrica, ar-condicionado com Dual Zone, barras de proteção lateral contra impactos, vidros com acionamento elétrico nas quatro portas, alarme e travas elétricas nas quatro portas, airbag duplo frontal e lateral, sistema de freios a disco nas quatro rodas,

Mais: os veículos devem estar equipados com câmera de ré e comandos no volante, luzes estroboscópicas de LED nas lanternas dianteiras e traseiras.

No Senado, cada parlamentar tem direito a um carro oficial alugado além dos institucionais. Em 2015, a Casa tinha 127 veículos locados e dois oficiais. Em 2011, a Mesa do Senado decidiu não ter mais frota própria para reduzir gastos com manutenção, peças, lavagem e equipamentos. Na época foi dito que isso significaria “uma economia estimada em R$ 2,6 milhões”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nove anos depois, STF termina o julgamento do caso Varig

Rejeitados embargos de declaração da União e do MPF. Em 2013 o valor da indenização somava R$ 3,057 bilhões. O valor deverá ser usado para pagar dívidas trabalhistas e obrigações do fundo de pensão Aerus, formado por ex-funcionários da empresa.

Condenação solidária da Oi e de advogado gaúcho

É a primeira sentença, proferida em Porto Alegre, condenando a sucessora da Brasil Telecom por acordo prejudicial firmado em ação que discutia a dobra acionária. Demandante recebeu apenas 3% do seu crédito.

Os gastos dos deputados federais gaúchos com refeições

O valor reembolsado é 62% superior à média. O jeitinho para faturar um pouco mais, além do salário mensal  de R$ 33.763,00. Entre as guloseimas ingeridas, uma entrada de R$ 42 e um prato principal de R$ 192 num restaurante português em Porto Alegre.

Ferran

O Brasil das mamatas

 

O Brasil das mamatas

Em périplo internacional para, alegadamente, contestar o impeachment, Dilma Rousseff gastou, do erário, no primeiro semestre de 2017, em passagens e diárias – para a sua equipe – três vezes mais do que todos os ex-presidentes juntos. Foram R$ 522.697. É conveniente saber que um decreto de 2008 autoriza isso!