Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Coisas de país rico, que o Brasil não é!



A gasolina subiu, mas só quem precisa se preocupar é a população. Políticos não fazem esse tipo de conta.

O Senado Federal, por (mau) exemplo, acabou de assinar um contrato – com validade de 30 meses - de R$ 8,3 milhões para o aluguel de veículos. A cifra inclui também o fornecimento de combustíveis. O ajuste não inclui o fornecimento de motoristas. As informações são da ONG Contas Abertas.

Pelo contrato, a empresa Quality Aluguel de Veículos prestará “serviços de locação de veículos automotores, sem motorista, incluindo manutenção preventiva e corretiva dos veículos, além do fornecimento de combustível, lavagem automotiva, seguros, taxas e impostos”.

Serão 83 automóveis Nissan Sentra e dois New Azera – todos de cor preta. Entre os penduricalhos pagos pelo erário, os veículos terão “película anti-vandalismo nos vidros laterais e traseiro com transparência mínima prevista em lei”. E também “central multimídia tela touch, com rádio integrado com leitor de CD, MP3, GPS, DVD, Bluetooth e USB”.

Na lista de características dos veículos ainda estão bancos com revestimento em couro, encosto de cabeça em todos os bancos dianteiros e traseiros com regulagem de altura, central multimídia e jogo de tapetes emborrachados.

Já os outros dois veículos são do modelo New Azera V6, também nas cor preta. O carro tem potência mínima de 250 CV, direção hidráulica ou elétrica, ar-condicionado com Dual Zone, barras de proteção lateral contra impactos, vidros com acionamento elétrico nas quatro portas, alarme e travas elétricas nas quatro portas, airbag duplo frontal e lateral, sistema de freios a disco nas quatro rodas,

Mais: os veículos devem estar equipados com câmera de ré e comandos no volante, luzes estroboscópicas de LED nas lanternas dianteiras e traseiras.

No Senado, cada parlamentar tem direito a um carro oficial alugado além dos institucionais. Em 2015, a Casa tinha 127 veículos locados e dois oficiais. Em 2011, a Mesa do Senado decidiu não ter mais frota própria para reduzir gastos com manutenção, peças, lavagem e equipamentos. Na época foi dito que isso significaria “uma economia estimada em R$ 2,6 milhões”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Lula não tem direito a dar entrevistas

Juíza que tem jurisdição sobre a execução da pena imposta ao ex-presidente nega pedido da Folha de São Paulo, SBT e Portal Uol.

Foi-se a Copa?

Versos de Carlos Drummond de Andrade, logo depois da Copa do Mundo de 1978 (Argentina campeã), vaticinaram que os brasileiros (derrotados) podem cuidar de outros problemas. O que acontecerá se Tóffoli assumir a presidência do STF em agosto de 2018?

Assédio em transporte escolar

TJRS confirma, em reexame necessário, sentença cível que determinou afastamento do condutor de veículo oficial que conduzia estudantes. Mas no juízo criminal houve a ocorrência da prescrição punitiva.