Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Potins desta sexta-feira



• A pílula proibida

Mais de um ano depois de suspender a lei que autorizava a distribuição da fosfoetanolamina - conhecida como “pílula contra o câncer” - o STF divulgou esta semana o acórdão do julgamento. A liminar fora concedida em maio de 2016 pelo Plenário e foi publicada só na terça-feira (1º.8.2017).

A decisão vale a partir do julgamento na corte (“ex nunc”). O tribunal atendeu pedido da Associação Médica Brasileira contra a Lei nº 13.269/2016, sancionada pela então presidente Dilma Rousseff (PT), que autorizava a distribuição da pílula.

Por 6 x 4, prevaleceu o voto do relator, ministro Marco Aurélio, para quem “é inconstitucional a distribuição do remédio sem estudos que comprovem sua eficácia”. No acórdão, ele afirma que a “liberação genérica da fosfoetanolamina é temerária e potencialmente danosa porque ainda não existem elementos técnicos assertivos da viabilidade da substância para o bem-estar do organismo humano”. (ADI nº 5.501).

•  Imunidade via WhatsApp

A 2ª Turma do STF rejeitou queixa-crime contra o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) por mensagem no grupo de WhatsApp "Imprensa da Paraíba" sobre o jornalista e procurador do Estado Sebastião Lucena. Este compartilhou no grupo duas reportagens sobre o parlamentar.

Este, então, retrucou: "Bajulador! Já me bajulou muito. Lambe o ovo do governador de plantão. Já lambeu muito o meu”.

O relator, ministro Lewandowski, entendeu que não há justa causa para a ação penal e que o congressista atuou sob a égide da imunidade parlamentar. (Pet nº 6.587).

•  Logo quem...

1. "Nunca imaginei que o entorno do presidente fosse jogar tão baixo comigo”. (Rodrigo Maia, anteontem na GloboNews, ainda no bulício da Câmara, após a votação).

2. “Ficará marcado como o dia da vergonha!” (Joesley Batista, dono da JBS e delator, anteontem na Globo, longe do bulício).

• Desculpe o auê...

A música que ela cantava dizia assim: “Desculpe o Auê / Eu não queria magoar você / Foi ciúme sim / Fiz greve de fome / Guerrilhas, motins / Perdi a cabeça / Esqueça!”

Os argumentos da defesa de Rita Lee, porém, foram outros, mas não convenceram a 3ª Turma do STJ, na quarta-feira (2), ao julgar o segundo de três recursos especiais da artista, por causa de um mesmo embrulho: ofensas, ao vivo, a 40 PMs que revistavam espectadores de um show, em Aracaju (SE).

O juiz de primeiro grau arbitrou a condenação em R$ 20 mil, mas o TJ sergipano reduziu para R$ 5 mil a cada policial em serviço.

O acórdão do STJ concluiu que “a contraposição a uma legítima atuação dos PMs, de forma exasperada e ofensiva, contra todos os PMs presentes ao show, tem como consequência o dano moral indenizável”. (REsp nº 1.677.524).

•  Um grande salão de beleza

O MEI – Microempreendedor Individual - sistema criado em 2008 - revelou dados de um censo sobre os que trabalham por conta própria. O maior contingente é de cabelereiras/os: são 555.669.

No total já são pouco mais de sete milhões o número de brasileiros abrigados no MEI.

•  Dinheiro lá fora

O segundo programa de repatriação traz potins curiosos: na lista há 250 pessoas já falecidas, cinco políticos (nenhuma surpresa) e... 20 empregados domésticos.

Tem também um banqueiro, irmão de ex-prefeito, que está trazendo de volta R$ 58 milhões.

• Adereço religioso na CNH

O STF publicou esta semana o acórdão no qual reconheceu a repercussão geral da discussão sobre a possibilidade de uso de adereço religioso na foto da carteira de motorista.

O recurso foi admitido pelo STF no dia 30 de junho, em decisão unânime tomada no Plenário Virtual. Apenas a ministra Rosa Weber se absteve de votar.

A discussão está posta em recurso extraordinário da União contra decisão do TRF da 4ª Região que liberou uma freira de sair na foto da CNH com o “traje beato”.

A corte regional entendeu que, embora uma regra do Detran do Paraná proíba o uso de adereços na foto da carteira de habilitação, a Constituição Federal, no inciso VII do artigo 5º, garante liberdade religiosa e de culto a todos. Tal decisão está em pleno vigor.

Para o relator, ministro Luís Roberto Barroso, a ação discute questões constitucionais e tem repercussão geral para além das partes em litígio: “A segurança jurídica depende do cumprimento de obrigações relativas à identificação civil, mas essas obrigações são limitadas pelos direitos e liberdades individuais”.

Com o reconhecimento da repercussão geral, o Supremo dá ao recurso caráter objetivo. Portanto, a tese definida será aplicada a todas as discussões sobre o mesmo assunto no Judiciário. Ainda não há data para o julgamento de mérito. (RE nº 859.376).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Potins desta sexta-feira

 Negado vínculo de emprego entre carregador de tacos de golfe e o Country Clube de Porto Alegre.

 Um homem e sua união estável com duas mulheres

TRF-4 mantém liminar que impede governo do RS de arquivar a extinção da Fundação Piratini.

 CF da OAB diz que o modelo da Agência Nacional de Saúde e outras reguladoras está falido.

 Auxílio-acidente depois do auxílio-doença.

 MPF vai pedir, em agosto que Adriana Ancelmo volte para a prisão.

Potins desta sexta-feira

•  Cartazete em escritório de advocacia gaúcho explica a cobrança de R$ 150 por consulta: “É da mesma forma como acontece quando o(a) distinto(a) cidadão(ã) vai a um médico particular”.

• Pensões distintas para filhos do mesmo pai. O STJ flexibiliza o princípio da igualdade absoluta de direitos.

•  Um precedente do TST que vai mexer no adicional noturno.

•  Restrições ao prazo em dobro quando houver litisconsórcio de réus.

•  Os apertos de julho... E o que nos espera em agosto?

Potins desta terça-feira

 O futuro presidente Toffoli já começa a pensar no aumento para o Judiciário.

• Rodrigo Janot vem ao RS para falar sobre eleições e corrupção.

 Foi em Santiago (RS), a audiência criminal em que o réu não aceitava uma mulher juíza!

 O ano de 2014 que ainda não acabou em Porto Alegre.

 Desaprovação ao governo brasileiro só não é pior do que a de Bósnia-Herzegovina.

 O jeitinho para evitar o avanço no combate da corrupção no Brasil.

• Discriminação nos EUA contra mulheres grávidas empregadas.

 Colega de Rosa Weber no STF avalia que ela é a “ministra pêndulo”.

• Os 60 dias pedidos pela PGR que vão ajudar Michel Temer.

Potins desta terça-feira

 Gleisi Hoffmann quer que o Judiciário se sensibilize com o caos social e libere Lula.

• Na política brasileira, outubro chegou em junho.

 STJ decide se cidadã pode deixar de se chamar Tatiana, para ser Tatiane.

 Ainda sem título definitivo, vem aí as “memórias do cárcere de Lula”.

• As buscas no apartamento de Augusto Nardes: nada ostensivo...

 Brasileiros acreditam pouco na seriedade das eleições.

•  Benesses para os planos de saúde: 107% de aumento em sete anos.

Potins desta terça-feira

 Maior jornal da Inglaterra diz que “Sérgio Moro é “o homem que encerrou cinco séculos de impunidade no Brasil”.

 Governo acaba de criar mais um elefante branco: o SUSP, irmão do SUS.

•  STF vota na quinta-feira (24) proposta de nova súmula vinculante.

 Quando a “utilidade política” prevalece sobre a utilidade pública...

 Embaixadas para Temer, Moreira e Padilha – se Alkmin for Presidente da República. Mas ele nega.

• População com 60 de idade, ou mais, estará superando os moços de 16 a 24 anos, nas eleições de outubro.

 Impasse no TST para tentar orientar decisões uniformes em ações trabalhistas.

 Prorrogação do benefício de salário-maternidade, em decorrência de parto prematuro.

Novo slogan de Temer vira piada nas redes sociais

• A importância da vírgula: o presidente diz que “o Brasil voltou, 20 anos em dois”.

• Mas há quem ironize: “o Brasil voltou 20 anos em dois”.

 Uma busca e apreensão – por engano – na casa do secretário adjunto do CF-OAB.

 A prescrição que agrada banqueiros.

 Gilmar Mendes prevê uma avalanche processual nos foros e tribunais, Brasil afora.

 Quanto é dois mais dois?

• Uma análise de Joaquim Barbosa sobre o sistema político brasileiro.