Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 20 Outubro de 2017

Roubos e furtos de celulares: metade da pauta de julgamentos



Portal RB – Rádio Barreiras

Imagem da Matéria

Madrugada em Bagé, um homem é abordado por alguém
que lhe exige o celular, mas resiste. A seguir, a vítima
sofre um golpe com alicate no pescoço.
Relatos como esse não são incomuns nos centros
urbanos e aumentam a pauta de julgamentos no TJRS.

Na mais recente sessão da 7ª Câmara Criminal do TJRS, dia 27 de julho, dentre 175 apelações julgadas – todas relacionadas a crimes contra o patrimônio - 77 delas (44%) diziam respeito ao furto/roubo dos aparelhos móveis. A contagem foi feita pelo gabinete do desembargador José Antonio Daltoé Cezar, integrante do colegiado a quem o alto número de casos chamou a atenção.

Outro aspecto destacado no levantamento é o uso de algum tipo de violência ou grave ameaça à vítima nas abordagens, verificada em 58% daqueles quase 200 casos.

No episódio na cidade da fronteira gaúcha – destacado no introito desta matéria - o agressor foi condenado a cinco anos de reclusão por roubo qualificado (com lesão corporal grave), decisão mantida pelo TJRS. (Proc. nº 70073949927).

Em casos extremos, a denúncia pode ser de latrocínio; ou tentativa – que foram seis dos casos apreciados pelo colegiado.

Ao todo, foram 360 recursos julgados na sessão da semana passada, entre apelações contra sentenças de 1º grau, habeas corpus e agravos de instrumento. Para a 7ª Câmara são direcionados - além de casos de furtos, roubos, latrocínios e receptações - estupros, crimes de trânsito e outros.

O levantamento

  Números de processos julgados no total: 360

  Apelações julgadas: 193 (demais habeas corpus, agravos em execução, etc). *[

  175 apelações relativas a crimes contra o patrimônio ( 90,67%):

a) furtos: 64 (36,57%).

b) roubos (violência ou grave ameaça): 97 (55,42%)

c) latrocínios: 6 (3,42%).

d) receptações: 8 (4,57%).

  Dos crimes contra o patrimônio, 77 (44%) envolveram celulares.

Leia a íntegra do acórdão do caso de Bagé


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advogado gaúcho condenado por fraude em seguro-desemprego

A pena é de cinco anos e três meses de reclusão, em regime semiaberto. A sentença alcança também um motorista: três anos e quatro meses, com reversão para pena restritiva de direito. Os dois réus terão que ressarcir os cofres públicos. Não há trânsito em julgado.

Negado habeas corpus a advogado condenado por estelionato

Luiz Ademaro Pinheiro Prezia Júnior falsificou sentença favorável à redução de IPTU e orientou o cliente a depositar o valor das parcelas – com o valor supostamente apontado por decisão judicial - em sua própria conta.  Posteriormente, até as guias de depósitos judiciais eram falsificadas.