Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 20 Outubro de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_12.jpg

Presidente do TRF-4 elogia sentença que condenou Lula a nove anos de prisão



Arte de Camila Adamoli sobre foto banco de dados do Espaço Vital

Imagem da Matéria

  Sentença para a história

O presidente do TRF da 4ª Região, desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, disse - em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada no fim-de-semana - que a sentença proferida pelo juiz Sérgio Moro, que condenou o ex-presidente Lula a nove anos e seis meses de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, “é tecnicamente irrepreensível”.

E elogia: “Contém exame minucioso e irretocável da prova dos autos e vai entrar para a história do Brasil”.

O dirigente da corte comparou tal julgado de Moro à sentença que o juiz Márcio Moraes proferiu no caso Vladimir Herzog, em outubro de 1978, quando condenou a União pela prisão, tortura e morte do jornalista. E pontuou: “tal como aquela, não tem erudição, mas faz um exame irrepreensível da prova dos autos”.

Segundo Lenz – que fala sete idiomas, incluindo o latim – “a justiça não pode e não deve estar a serviço de ideologias políticas, de paixões partidárias, e, inclusive, de paixões populares”. Sobre a operação Lava Jato, ele disse que “ela mostrou que o Brasil chegou a um nível inaceitável de corrupção”.

Mas fez uma ressalva: “Não cabe ao Poder Judiciário regenerar moralmente uma nação”.

Até a última quinta-feira (3), em três anos e cinco meses de Lava Jato, 741 processos chegaram ao TRF-4. Destes, 635 já foram concluídos. Entre os que estão por chegar está aquele que condenou o ex-presidente. (Proc. nº 5046512-94.2016.4.04.7000).

Leia a íntegra da interessante entrevista, no saite do Estadão. Clique aqui.

 Os indícios de crimes e a livre convicção do juiz

O Espaço Vital solicitou ontem a um advogado, um juiz criminal (comarca de Porto Alegre), um promotor de justiça (comarca de entrância final) e um desembargador (TJRS) – mediante o compromisso de não divulgar seus nomes – que sintetizassem “opinião técnica” sobre a sentença de Moro.

Os quatro – sem contatarem entre si – observaram que o juiz pode, como Moro fez, condenar por convicção pessoal formada pela conjunção de indícios e provas colhidas.

E três coincidiram numa sugestão: que o Espaço Vital lembrasse aos advogados e informasse ao público leigo qual o teor dos artigos 155 e 239 do Código de Processo Penal Brasileiro.

Sugestão acolhida, aí vão os frios textos da norma.

"Art. 155 - O juiz formará sua convicção pela livre apreciação da prova produzida em contraditório judicial, não podendo fundamentar sua decisão exclusivamente nos elementos informativos colhidos na investigação, ressalvadas as provas cautelares, não repetíveis e antecipadas”.

Art. 239 - Considera-se indício a circunstância conhecida e provada, que, tendo relação com o fato, autorize, por indução, concluir-se a existência de outra ou outras circunstâncias".

O saudoso procurador de justiça Paulo Claudio Tovo – professor de Direito Penal do colunista na PUC-RS, anos 70 - sempre ensinou que os indícios constituem um tipo de prova. E nominou as demais: depoimentos de testemunhas, perícias e documentos.

 Eles entendem disso...

Michel Temer – para safar-se - teve 100% de apoio na chamada “bancada da tranca”, que tem quatro integrantes.

São os deputados Celso Jacob (PMDB-RJ) que cumpre prisão em regime semiaberto e vai à Câmara com tornozeleira eletrônica na canela; Paulo Maluf (PP-SP), notório réu global; Marco Antonio Cabral (PMDB-RJ), cujo pai e patrono está preso em Bangu (RJ); e Lúcio Videl Lima (PMDB-BA) que tem o irmão Geddel em prisão domiciliar.

 Dois lotes de gente

“A operação ´abafa´ é uma realidade visível no Brasil. Há os que não querem ser punidos e há um lote pior, os que não querem ficar honestos”.
(Frase do ministro do STF Luís Roberto Barroso).

 Das redes sociais

A) “Antigamente os cartazes nas ruas, com rostos de criminosos, ofereciam recompensas. Hoje em dia, pedem votos”.

B) “E se a gente criasse um imposto sobre a propina?...
(Suposta proposta do ministro da Fazenda Henrique Meirelles, ao presidente Michel).

 Momentos de tensão

A delação que será fechada, por estes dias, na Procuradoria-Geral da Justiça, pela OAS mexe antecipadamente com os nervos dos políticos e de operadores jurídicos.

Vai relatar a compra (e venda, claro) de sentenças e acórdãos.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Exame de Ordem passaria a ter quatro fases

• Projeto de lei em tramitação na Câmara propõe que o certame seja feito em quatro etapas, ao longo da graduação.
• Lava-Jato apresenta uma das maiores concentrações - se não a maior - de réus milionários do mundo.
• Sérgio Moro está cansado e pensa em sair da 13ª Vara Federal de Curitiba.
• Bailarina também sofre acidente do trabalho?

O voo “direto” Rio/Orlando que demorou 14 horas e meia

• Os imprevistos quase insuportáveis impostos aos passageiros da Latam, que fariam um voo sem escalas de 8 horas e 15 minutos.
• STJ julgará pela primeira vez se guarda de cão (disputado por ex-cônjuges) pode ser resolvida como “regulamentação de visitas”.
• Supremo decidirá se cigarros com sabor devem ser proibidos.
• Em 16 anos, aumenta oito vezes, no Brasil, o número de mulheres presas.

Um caos jurídico para os leigos

• Voto-desempate de Cármen Lúcia coloca o destino de Aécio Neves no colo do Senado.
• A presidente do STF amarelou.
• Uma nova proteção para que parlamentares continuem cometendo crimes.
• Decisão do STJ: repasse dos custos administrativos da instituição financeira com as ligações telefônicas dirigidas a consumidores inadimplentes não configura abuso.
• Pagamento de débito tributário, mesmo após o trânsito em julgado da sentença condenatória, é causa de extinção da punibilidade.

Inseparáveis, duas irmãs anunciam que vão compartilhar o mesmo marido

• A busca, no blog de Adel e Alina, 22 de idade, por um “marido estupidamente rico e de mente aberta”.
• Financeira condenada por abuso contra idosa analfabeta.
• A “amada amante” presa com 200 mil euros na calcinha.
• Bancos abrem nova frente de lerdeza, agora no STF, para tentar melar, Brasil afora, o pagamento de indenizações aos poupadores.

Como seria um ´smartphone´ de R$ 12,3 mil?

• Tribunal cancela pregão de R$ 758 mil para comprar 60 aparelhos telefônicos para desembargadores e assessores. Corte “agradece as críticas construtivas enviadas à instituição”.
• As 16 barras de ouro guardadas por Nuzman, na Suíça, superam os recordes olímpicos do nadador Michael Phelps.
• E uma demissão por justa causa por causa de...um iogurte (Sem ouro, nem prata).

Desembargadores conectados por meio dos celulares mais caros do mercado

• Novo penduricalho fará mimo para 52 magistrados e oito assessores do TJ de Pernambuco, a um custo de R$ 758 mil – pago pelo Estado, é claro...
• Ação penal que pretende levar Paulo Maluf à cadeia já tem 25 anos.
• Lava Jato já condenou 107 criminosos em Curitiba. No STF, nenhum.
• Viagens internacionais pagas pela Câmara Federal a 274 deputados. Tem até um encontro com diretores da Disney...