Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 setembro de 2017

Mais de 1 milhão de advogados comprometidos com o futuro do país



Por Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB

Celebramos hoje mais um 11 de agosto, Dia da Advocacia, data que homenageia a classe cuja atuação é das mais nobres: ser a voz constitucional do cidadão. Nada mais oportuno, especialmente em momentos como o atual, em que nos vemos diante da mais grave crise ética e moral que já assolou o país, do que exaltar a importância de nossa atividade.

É nos momentos de crise que se faz necessária a prevalência dos mecanismos de garantia dos direitos da ampla defesa, da presunção de inocência e do devido processo legal.

O cenário atual evidencia a importância do respeito às prerrogativas da advocacia, em contraposição ao anseio de que se pratique a justiça sumária. O clamor das ruas não pode ser ignorado, mas também não pode sobrepor-se ao essencial: à lei, que é a expressão maior da civilização.

Comemoramos agora a aprovação no Senado do projeto que criminaliza a violação de prerrogativas da advocacia, fortalecendo a atuação destes nobres profissionais em busca de Justiça. Cabe à Câmara sacramentar esta importante conquista da sociedade. Prerrogativas são do cidadão, delegadas àquele que o representa.

Precisamos combater a impunidade e a corrupção, mas não podemos, por exemplo, admitir a prática de um ilícito em nome da correção de outro: não há solução fora da lei. Cuidamos dos interesses da advocacia, mas sem jamais nos afastarmos dos pleitos da cidadania.

A advocacia é a voz do cidadão em juízo e tem como uma de suas missões fundamentais agir para garantir direitos e evitar abusos, contribuindo para a construção de uma sociedade cada vez mais justa, fraterna e igualitária.

A OAB tem tomado posição firme para garantir que um novo padrão ético e moral seja estabelecido em nosso país.

Temos lado: nosso partido é o Brasil e a nossa ideologia é a Constituição Federal. Em inúmeros momentos da história brasileira partiram da OAB as propostas que foram capazes de criar, de forma objetiva, soluções e meios para o fortalecimento da democracia.

Exemplo claro disso foi a nossa defesa pelo fim do investimento empresarial em campanhas - inclusive com a proposição de ADI junto ao STF - responsável pelos crimes que hoje vemos em destaque no noticiário brasileiro, e das doações ocultas, o que tornou as eleições de 2016 mais propositivas.

As leis da Ficha Limpa e a que criminaliza a compra de votos foram gestadas dentro da OAB. Defendemos a criminalização do caixa dois. As leis da transparência e a do acesso à informação entraram em vigor após atuação da OAB.

Defendemos também a redução dos cargos com proteção de foro. Diante de fatos como esses, não é exagero afirmar, portanto, que a representação da advocacia brasileira já proporcionou mais mudanças no combate à corrupção do que qualquer instituição civil do país.

Tudo isso só é possível através da união da classe. Somos mais de 1 milhão de profissionais comprometidos com o futuro do país e com a defesa dos cidadãos.

Juntos somos sempre mais fortes.


Comentários

Sérgio Araújo - Aposentado 11.08.17 | 15:48:27
Aproveito o ensejo para parabenizar a todos os Srs. Advogados por esta data tão especial. Profissionais da melhor estirpe que prestam indispensáveis e relevantes serviços à sociedade. Saúde e felicidade a toda categoria.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O emblemático caso do primata que se fotografou

Uma ação judicial que terminou em acordo. “O caso levanta questões inovadoras sobre a expansão dos direitos legais para os animais”.

Artigo de Felipe Pierozan, especialista em Direito da Propriedade Intelectual, sócio do Pierozan Advocacia & Consultoria

Suprema Corte Britânica julga ilegais normas semelhantes às da reforma trabalhista brasileira

O tribunal do Reino Unido considerou que “a imposição de taxas para o ajuizamento de demandas levou a uma dramática queda no número de ações e que muitos trabalhadores deixaram de buscar seus direitos com receio de perder e ainda serem obrigados a arcar com as custas processuais”.
Artigo de Pedro Henrique Koeche Cunha, advogado (OAB-RS nº 104.102).

Nós não vai ser preso”...

... Mas foram! Propinas para mais de 1.800 políticos. “Nas cleptocracias parasitárias, as elites dirigentes que governam a nação praticam o abominável capitalismo bandido. Neste tipo, o deplorável poder do dinheiro (frequentemente) corrompe o humano”. Artigo do jurista Luiz Flávio Gomes.

Nada ecológico: o TJRS insiste no uso do papel...

Formulário de devolução de autos. “Soa como uma brincadeira de gosto duvidoso mormente quando lemos as metas do Programa de Logística Sustentável do tribunal que lista a necessidade de redução do consumo justamente de papel”. Artigo do advogado José Serpa Júnior.

Chargista Nani – www.NaniHumor.com

Subproduto perverso da faxina ética

 

Subproduto perverso da faxina ética

Reação ao artigo do presidente da Associação do Ministério Público do RS. “Alguns atores estão com seus egos superdimensionados e consideram-se divindades, com direito a tudo, mesmo em detrimento às regras legais”.Artigo de Carlos Thomaz Ávila Albornoz, advogado (nº 6.425) e conselheiro seccional da OAB-RS.

República de regalias

“A emenda à Constituição que acaba com o foro privilegiado é uma demanda urgente e necessária. Afinal, já se passaram 127 anos da Proclamação da República e 32 anos do fim da ditadura militar. Não faz mais sentido mantermos no arcabouço legal alguns privilégios típicos de impérios e ditaduras”. Artigo de Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.