Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

Desagravo a advogada gaúcha ofendida em suas prerrogativas



Liziane Lima – OAB-RS

Imagem da Matéria

O presidente da OAB-RS e a advogada desagravada

Ontem (14), às 17h, em frente ao Foro da Justiça Estadual de Uruguaiana (RS), a OAB gaúcha realizou desagravo público à advogada Daniela Magrini de Azambuja (OAB-RS nº 57.954), que teve suas prerrogativas profissionais violadas.  Conforme os autos do processo administrativo que tramitou na entidade, Daniele teve suas prerrogativas violadas pela conduta do juiz de Direito André Luiz Ferreira Coelho.

O magistrado Ferreira Coelho tomou posse em 17 de fevereiro de 2014, sendo classificado na comarca de São Francisco de Assis; foi promovido para a Vara de Família da comarca de Uruguaiana em 26 de janeiro de 2016.

Conforme o saite da entidade, o magistrado “cassou a palavra da advogada em audiência, sob o argumento de manter a ordem dos trabalhos, passando posteriormente a homologar um acordo sem permitir a intervenção da profissional da advocacia”.

De acordo com o presidente da OAB-RS, Ricardo Breier – que presidiu pessoalmente a solenidade de desagravo - “o   nosso peso institucional é proporcional à nossa responsabilidade de fazer valer o que a Constituição nos legitima: defender a cidadania”.

Breier deplorou que “tal como aconteceu na repartição forense, calar um advogado no exercício pleno de sua função é calar a voz da cidadania”.

A Ordem está disponibilizando suporte jurídico aos advogados ofendidos, tanto em ações penais, quanto em ações cíveis que, eventualmente, tenham interesse em ajuizar.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Roupa suja se lava em casa, ou no tribunal...

Depois do enfrentamento verbal Barroso x Gilmar no STF, agora as farpas são trocadas, por escrito, no TST entre o presidente Ives Gandra Martins Filho e o vice Emmanuel Pereira.

Dois magistrados do Trabalho aposentados compulsoriamente

Decisão do CNJ alcança o ex-corregedor-geral do TRT-14 (RO) Vulmar de Araújo Coêlho Júnior e o juiz Domingos Sávio Gomes dos Santos. Mas por uma aberração legal brasileira, eles continuarão recebendo seus salários.

Um “agrado” para 37 mil autoridades

Sobe o índice de congestionamento do Judiciário brasileiro. Entrementes, o julgamento do fim do foro privilegiado perde espaço no STF e pode ficar para 2018. Ou para 2019...