Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 setembro de 2017

Desagravo a advogada gaúcha ofendida em suas prerrogativas



Liziane Lima – OAB-RS

Imagem da Matéria

O presidente da OAB-RS e a advogada desagravada

Ontem (14), às 17h, em frente ao Foro da Justiça Estadual de Uruguaiana (RS), a OAB gaúcha realizou desagravo público à advogada Daniela Magrini de Azambuja (OAB-RS nº 57.954), que teve suas prerrogativas profissionais violadas.  Conforme os autos do processo administrativo que tramitou na entidade, Daniele teve suas prerrogativas violadas pela conduta do juiz de Direito André Luiz Ferreira Coelho.

O magistrado Ferreira Coelho tomou posse em 17 de fevereiro de 2014, sendo classificado na comarca de São Francisco de Assis; foi promovido para a Vara de Família da comarca de Uruguaiana em 26 de janeiro de 2016.

Conforme o saite da entidade, o magistrado “cassou a palavra da advogada em audiência, sob o argumento de manter a ordem dos trabalhos, passando posteriormente a homologar um acordo sem permitir a intervenção da profissional da advocacia”.

De acordo com o presidente da OAB-RS, Ricardo Breier – que presidiu pessoalmente a solenidade de desagravo - “o   nosso peso institucional é proporcional à nossa responsabilidade de fazer valer o que a Constituição nos legitima: defender a cidadania”.

Breier deplorou que “tal como aconteceu na repartição forense, calar um advogado no exercício pleno de sua função é calar a voz da cidadania”.

A Ordem está disponibilizando suporte jurídico aos advogados ofendidos, tanto em ações penais, quanto em ações cíveis que, eventualmente, tenham interesse em ajuizar.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto Up Imagens

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

 

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

Conselheiro do CNJ Henrique Ávila diz que “tribunais são ilhas de poder”. Propõe que a OAB seja chamada “para levar a visão do jurisdicionado e da sociedade como um todo”. Sustenta que “a Loman precisa ser revista com brevidade”. E conclama “a redistribuição de servidores da segunda instância e as respectivas dotações orçamentárias para priorizar a força de trabalho da primeira instância”.