Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 setembro de 2017

A “mãozinha” do STF para que Paulo Salim Maluf fique em liberdade



A 1ª Turma do STF decidiu, no dia 23 de maio deste ano, condenar o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP), 85 anos, pelo crime de lavagem de dinheiro. Os ministros condenaram o deputado a 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão, com início da pena em regime fechado, e ao pagamento de multa.

Dois meses e três semanas depois do julgamento, o acórdão ainda não foi publicado.

Maluf também foi condenado à perda do mandato, mas o ato, segundo decisão da 1ª Turma do Supremo, depende de ato da Câmara dos Deputados.

Votaram pela condenação o relator, ministro Edson Fachin, e os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Marco Aurélio Mello. Inicialmente, Marco Aurélio foi o único dos cinco ministros da 1ª Turma a acatar o argumento da defesa de que o crime já estava prescrito. Apesar de ter votado pela prescrição, o ministro afirmou que votou a favor da condenação no momento em que a prescrição estava afastada.

Maluf foi réu por lavagem de dinheiro, numa ação penal iniciada a partir das investigações de corrupção e desvio de dinheiro das obras da avenida Água Espraiada (atual avenida Roberto Marinho), construída por um consórcio das empreiteiras OAS e Mendes Júnior na gestão de Maluf na Prefeitura de São Paulo (1993 a 1997).

A denúncia julgada, no entanto, não analisou a suspeita sobre o crime de corrupção, que já estava prescrito.

A maioria dos ministros da 1ª Turma, que votou pela condenação de Maluf, também julgou que a lavagem de dinheiro é um crime permanente. Isso quer dizer que o ato de ocultar bens e valores fruto de atividades ilegais tem o tempo de prescrição contado a partir do momento em que os valores são descobertos, e não a partir do ato que gerou a ocultação dos bens.

A denúncia da Procuradoria-Geral da República apontou que as obras foram superfaturadas e o dinheiro do Município de São Paulo foi desviado por meio da subcontratação de outras empresas que emitiam notas fiscais falsas para simular a realização de serviços e justificar a transferência do dinheiro desviado.

Na sessão que determinou a abertura do processo no Supremo, em 2011, o então relator do caso, ministro Ricardo Lewandowski, afirmou ver indícios de que o dinheiro desviado foi movimentado por contas da família Maluf em Nova York (EUA), Suíça, Inglaterra e na Ilha de Jersey, paraíso fiscal próximo do Reino Unido.

Com a condenação, Maluf poderá perder o mandato e ser proibido de disputar novas eleições por ficar enquadrado na Lei da Ficha Limpa.

A defesa de Maluf afirma que não há comprovação da ligação do deputado com essas transações financeiras. O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou que a defesa vai recorrer da decisão e pode pedir para o caso ser julgado pelo plenário do STF.

Segundo Kakay, a prisão do deputado só deve ser executada após o julgamento dos recursos. O advogado também disse que não ficou claro se a 1ª Turma decidiu pela perda imediata do mandato, ou se apenas após os recursos serem julgados.

O modus operandi

 A operação de lavagem teria sido praticada por meio da transferência de valores pela construtora Mendes Júnior, a partir de uma conta em Nova York, para uma conta em Jersey, de onde parte da cifra foi utilizada para a compra de títulos de dívida da Eucatex, empresa da família Maluf.

• São estas transações bancárias, segundo a acusação feitas com o objetivo de reinserir os recursos no Brasil, que configurariam o crime de lavagem de dinheiro.

 Em 2014, Lewandowski autorizou, no curso desta mesma ação, que a Procuradoria-Geral da República iniciasse os procedimentos para a repatriação de US$ 53 milhões em contas na Suíça, Luxemburgo, França e Jersey. Os valores teriam ligação com o esquema de desvio de dinheiro das obras em São Paulo.

 A investigação por lavagem de dinheiro contra Maluf já se arrasta há mais de 10 anos no STF. O processo passou a tramitar no Supremo em fevereiro de 2007, com a abertura de um inquérito contra o deputado, sua mulher, Sylvia Maluf, e outras dez pessoas, entre elas empresários.

• A denúncia contra Maluf foi oferecida à Justiça Federal de São Paulo somente em dezembro de 2006, mas o caso foi remetido ao STF com a posse de Maluf na Câmara dos Deputados, em janeiro de 2007. (Ação penal nº 863).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Um pedido de vista que já dura mais de cem dias

Suspenso no STF, desde 1º de junho, o julgamento sobre alterações no foro por prerrogativa de função. Quatro votos já proferidos apontam que “após o final da instrução processual, a competência não será mais afetada em razão de o agente público vir a ocupar outro cargo ou deixar o cargo que ocupava, qualquer que seja o motivo”.

Fernando Collor afinal vira réu: propinoduto é de R$ 29 milhões

O inquérito chegou ao STF em 21 de agosto de 2015. Ontem, dois anos depois, por unanimidade, a 2ª Turma transformou o caso em ação penal. Conforme a denúncia, o grupo do senador embolsou vultosa propina entre 2010 e 2014, por meio de contratos de troca de bandeira de postos de combustível celebrados com a BR Distribuidora.